A vol­ta da len­da do soul Con­si­de­ra­do

I MÚ­SI­CA PIS­TA soul­man, cantor nor­te-ame­ri­ca­no Bobby Wo­mack fa­la so­bre seu re­tor­no após 18 anos um dos úl­ti­mos

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Jo­ta­bê Me­dei­ros

Após um hi­a­to de 18 anos sem gra­var ne­nhu­ma can­ção, um dos úl­ti­mos gran­des can­to­res de soul do Olim­po do gê­ne­ro, Bobby Wo­mack, aos 68 anos, res­sur­giu no ce­ná­rio mu­si­cal. No ano pas­sa­do, com o dis­co “The Bra­vest Man in the Uni­ver­se” (Lab 344), pro­du­zi­do por Da­mon Al­barn (da ban­da in­gle­sa Blur), ele fez uma ren­trée es­pe­ta­cu­lar (e até um pou­co con­tro­ver­sa, já que é um dis­co que faz uso mui­to he­te­ro­do­xo da ele­trô­ni­ca). Ál­bum do ano dos Q Awards, tem co­mo con­vi­da­dos can­to­ras co­mo La­na Del Rey e a par­ti­ci­pa­ção de Gil ScottHe­ron em uma das fai­xas.

Bobby Wo­mack cho­cou a black mu­sic nos anos 1960 ao se ca­sar com a viú­va do seu pa­dri­nho ar­tís­ti­co, Sam Co­o­ke, três me­ses após a mor­te des­te. O mais ter­rí­vel veio quan­do pu­bli­cou sua au­to­bi­o­gra­fia: Bobby ti­nha ido além: tam­bém man­te­ve um re­la­ci­o­na­men­to afe­ti­vo com a fi­lha ado­les­cen­te de Bar­ba­ra e Sam Co­o­ke, Lin­da, e es­ti­ve­ram na ca­ma en­quan­to era ca­sa­do. Tudo is­so se­ria ape­nas com­bus­tí­vel pi­can­te pa­ra o mun­do das ce­le­bri­da­des, não fos­se Wo­mack um ho­mem mar­ca­do tam­bém pe­la tra­gé­dia.

Após en­fren­tar um cân­cer no in­tes­ti­no, há um ano, no mês pas­sa­do o cantor so­freu ou­tro ba­que: foi di­ag­nos­ti­ca­do com Alzhei­mer, ain­da in­ci­pi­en­te. O ir­mão mais ve­lho, Har­ry, foi as­sas­si­na­do por uma na­mo­ra­da ciu­men­ta den­tro do seu pró­prio apar­ta­men­to. Um dos fi­lhos de Bobby en­trou em co­ma, quan­do ain­da era um be­bê, em um aci­den­te do­més­ti­co. E, há se­te di­as, Bobby tam­bém viu mor­rer seu ir­mão mais no­vo, Ce­cil. O as­tro re­ce­beu a re­por­ta­gem na úl­ti­ma quin­ta­fei­ra e con­ce­deu a se­guin­te en­tre­vis­ta:

BOBBY WO­MACK

Vou di­zer a vo­cê uma coi­sa so­bre len­da: a úni­ca coi­sa que sin­to é que te­nho an­da­do por aí há al­gum tem­po. Te­nho pre­sen­ci­a­do mui­tas mu­dan­ças nes­se ne­gó­cio, ra­paz. E, quan­do vo­cê vê coi­sas tão di­ver­sas, vo­cê mu­da a si mes­mo tam­bém, às ve­zes de um jei­to bom. O que eu ten­tei fa­zer foi me man­ter vi­vo, can­tan­do coi­sas de for­ma sa­tis­fa­tó­ria pa­ra mim mes­mo. Acho que a coi­sa mais im­por­tan­te que a can­ção tem que ter é sen­ti­men­to. Se não há sen­ti­men­to, não tem sig­ni­fi­ca­do. Quan­do meu co­ra­ção es­tá ali, não sei co­mo nem quan­do, is­so é di­vi­di­do com a pla­teia. Tudo é uma ques­tão de re­la­ci­o­na­men­tos.

Eu só que­ria de­mons­trar co­mo es­ta­va fe­liz, 40 anos depois. É mui­to sé­rio quan­do vo­cê tem a chan­ce de mos­trar o que es­tá sen­tin­do por meio de su­as can­ções. Nes­se exa­to ins­tan­te, an­tes do que acon­te­ceu com meu ir­mão Ce­cil, ha­via umas mú­si­cas nas quais eu es­ta­va tra­ba­lhan­do. Is­so tudo me aba­lou mui­to, en­tão eu vou es­pe­rar a ho­ra cer­ta, es­pe­rar mi­nha ver­da­de apa­re­cer pa­ra co­lo­car pa­ra fo­ra. Quan­do eu fa­lo so­bre per­der al­guém des­sa for­ma, afe­ta mui­to o es­pí­ri­to do que vo­cê es­tá fa­zen­do. Te dou um exem­plo: eu es­ta­va ou­vin­do pe­la pri­mei­ra vez uma das no­vas can­ções do dis­co, no pri­mei­ro dia em que en­trei no es­tú­dio, acho que foi Da­mon qu­em me dis­se: mi­nha mãe es­tá mui­to do­en­te. Eu res­pon­di: quer sa­ber? Acho que é o mo­men­to cer­to de gra­var­mos E es­se sen­ti­men­to es­tá na­que­la can­ção, do jei­to que a gra­va­mos. É o que a tor­na úni­ca, quan­do vo­cê es­cu­ta. E is­so é al­go ir­re­pe­tí­vel. En­tão, gra­var uma can­ção em­bu­te es­se mo­men­to, es­sa ver­da­de que vi­ve­mos na­que­le mo­men­to, que faz a gen­te pen­sar so­bre a vi­da. Meu pai, que era uma das pes­so­as que eu mais ad­mi­ra­va, tam­bém morreu nes­se pro­ces­so, e eu de­di­quei o dis­co a ele. A mú­si­ca tem es­se ca­rá­ter de co­ne­xão com a re­a­li­da­de. Quan­do a gra­va­do­ra me pro­cu­ra e me pe­de pa­ra gra­var al­go de en­co­men­da, eu di­go: não pos­so, te­nho de es­pe­rar a ho­ra cer­ta. En­trar no es­tú­dio é pa­ra mos­trar o que es­tá se pas­san­do com vo­cê na­que­le mo­men­to: a per­da de mem­bros da fa­mí­lia, Mar­vin Gaye, Wilson Pic­kett, gen­te que era uma bên­ção es­tar no mes­mo mun­do que eles. A mú­si­ca se tor­nou ex­tre­ma­men­te co­mer­ci­al ao aban­do­nar es­se prin­cí­pio.

(Ri­sos) Sim, mas tam­bém ad­qui­re mui­tos sig­ni­fi­ca­dos. Uma das coi­sas so­bre a mú­si­ca, se é cri­a­ti­va, é que se vo­cê fa­la de sua vi­da, po­de es­tar fa­lan­do de mui­tas ou­tras coi­sas. Quan­to mais sen­ti­dos ela atin­ge, mais se tor­na uni­ver­sal.

Depois de um di­ag­nós­ti­co de cân­cer, um tra­ta­men­to pe­sa­do e ago­ra a des­co­ber­ta do Alzhei­mer. Co­mo o sr. tem re­a­gi­do a is­so tudo?

Eu me dei con­ta de que ha­via al­go er­ra­do quan­do eu ini­ci­a­va uma can­ção e não con­se­guia me lem­brar da se­gun­da es­tro- fe. O que é is­so? Não en­ten­dia, mas sa­bia que era par­te da vi­da. Es­tar por aí po­de sig­ni­fi­car que a coi­sa vai cor­rer de um jei­to fá­cil ou vai ser do jei­to di­fí­cil. Pen­sei: dei­xa pa­ra lá. Eu en­ca­ro da se­guin­te ma­nei­ra: es­tou aqui por um mo­ti­vo. Eu pos­so to­car a alma das pes­so­as. Há mui­tos ar­tis­tas que con­se­guem to­car a alma das pes­so­as e, acre­di­te ou não, nun­ca con­se­guem to­car a sua pró­pria alma. Eles sem­pre se es­que­cem de si mes- mos. Eu era as­sim tam­bém. Re­sol­vi cres­cer. Uma coi­sa que eu não fa­ço é ten­tar en­ten­der, por­que se­não fi­ca mui­to com­pli­ca­do. Quan­do vo­cê ex­pres­sa sua opi­nião so­bre uma can­ção, so­bre a me­lo­dia... Eu não cos­tu­mo en­sai­ar mui­to. Mi­nha voz ain­da é a mes­ma. Vo­cê não po­de mu­dar mi­nha voz. Quan­do al­guém re­cla­ma: mas vo­cê gra­vou um dis­co de ele­trô­ni­ca, eu di­go: sim, mas o que sus­ten­ta aque­la ele­trô­ni­ca é a mi­nha gran­de bo­ca. Não, não odeio. Ape­nas não gos­to da­que­le rap que é fei­to de coi­sas ne­ga­ti­vas. Não gos­to de Sno­op Dogg, por exem­plo. Mas há ou­tros ar­tis­tas do rap que eu gos­to. Amei quan­do Amy Wi­nehou­se apa­re­ceu. As pes­so­as com­pa­ram com as can­to­ras do pas­sa­do, mas a gen­te tem de pen­sar o se­guin­te: a mú­si­ca de ho­je, ama­nhã, se­rá a mú­si­ca do pas­sa­do. E os no­vos ar­tis­tas vão con­ti­nu­ar apa­re­cen­do. Te­mos de vi­ver pa­ra o ho­je, em con­tí­nua mu­dan­ça. A quí­mi­ca da mú­si­ca acon­te­ce em con­ta­to com o seu tem­po. É ver­da­de. Da­mon (Al­barn) es­tá con­ver­san­do com a gra­va­do­ra a res­pei­to de uma tur­nê. Quan­do vi­e­ram me per­gun­tar, eu dis­se: aqui es­tou, me sin­to óti­mo. Es­tou com 68 anos, fa­ço 69 em mar­ço. E eles me dis­se­ram: que tal uma pri­mei­ra vez em sua vi­da na Amé­ri­ca La­ti­na? Eu res­pon­di: é sem­pre a pri­mei­ra vez pa­ra mim em qual­quer lu­gar. Sem­pre que su­bo ao pal­co, mes­mo ago­ra, há um sen­ti­men­to elé­tri­co, co­mo se pu­des­se to­car a to­dos. A pri­mei­ra vez é sem­pre gra­ti­fi­can­te, por­que as pes­so­as es­pe­ram ou­vir ca­da can­ção com o es­pí­ri­to aber­to, sen­tir tudo de no­vo. É al­go que não que­ro per­der. Mas não es­tá em mi­nhas mãos ir até a Amé­ri­ca La­ti­na. Mas é curioso, eu te­ria di­fi­cul­da­des pa­ra ex­pli­car pa­ra Sam Co­o­ke ou Otis Red­ding o que es­tá acon­te­cen­do ago­ra. Não acre­di­ta­ri­am. O mun­do cres­ceu, as fron­tei­ras se ex­pan­di­ram. Ji­mi Hen­drix te­ria di­fi­cul­da­des pa­ra en­ten­der is­so ago­ra, a sua im­por­tân­cia em to­do lu­gar do mun­do.

Divulgação

Wo­mack: “O que ten­tei fa­zer foi me man­ter vi­vo, can­tan­do coi­sas de for­ma sa­tis­fa­tó­ria pa­ra mim mes­mo”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.