A ga­li­nha pin­ta­di­nha: uma aná­li­se – par­te 1*

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

re­pe­ti­das por cri­an­ças de to­do o País. Es­te tra­ba­lho pro­põe uma vi­são me­nos in­gê­nua des­se pro­je­to, to­man­do co­mo ba­se a can­ção “A ga­li­nha pin­ta­di­nha”, de sin­to­má­ti­co tí­tu­lo homô­ni­mo ao pró­prio gru­po. Por meio de bre­ve aná­li­se, pre­ten­de-se evi­den­ci­ar a car­ga ide­o­ló­gi­ca dos ver­sos e pôr em fo­co as pos­si­bi­li­da­des po­lis­se­mân­ti­cas dos sig­nos es­pa­lha­dos na le­tra da can­ção. Co­mo cons­tan­te em to­do o tra­ba­lho do “A ga­li­nha pin­ta­di­nha”, per­ce­be­se a de­nún­cia da so­ci­e­da­de pa­tri­ar­cal e o in­cen­ti­vo à li­ber­ta­ção fe­mi­ni­na, que pas­sa pe­la as­sun­ção de uma se­xu­a­li­da­de ple­na, isen­ta da cul­pa ca­tó­li­ca e dos frei­os mo­rais ata­vi­ca­men­te per­pe­tra­dos pe­la eli­te do­mi­nan­te. Quan­to à es­tru­tu­ra for­mal, a can­ção “A ga­li­nha pin­ta­di­nha” se­gue um pa­drão clás­si­co: na pri­mei­ra es­tro­fe, apre­sen­tam-se os per­so­na­gens (a ga­li­nha pin­ta­di­nha e o ga­lo ca­ri­jó); na se­gun­da, há a evi­dên­cia do con­fli­to (a do­en­ça da ga­li­nha ne­gli­gen­ci­a­da pe­lo ga­lo e o alar­me das cri­as); no ter­cei­ro, a re­so­lu­ção. É no des­fe­cho que o já re­fe­ri­do ou­vin­te apres­sa­do po­de não se sa­tis­fa­zer com a res­pos­ta às ques­tões le­van­ta­das na se­gun­da es­tro­fe: afi­nal, a ga­li­nha se cu­rou?; o ca­sa­men­to foi aba­la­do pe­la fal­ta de apoio do ga­lo à côn­ju­ge?; por que, afi­nal, a in­tro­du­ção apa­ren­te­men­te des­pro­po­si­ta­da, jus­ta­men­te no fim da can­ção, de per­so­na­gens dís­pa­res co­mo o pe­ru, o uru­bu e o pa­vão? O ine­vi­tá­vel incô­mo­do com es­sas in­con­gruên­ci­as não che­ga a ser ra­ci­o­na­li­za­do pe­lo ou­vin­te mé­dio, que ten­de a me­nos­pre­zar as men­sa­gens das can­ções in­fan­tis. “Mú­si­ca pa­ra cri­an­ça não tem de fa­zer sen­ti­do mes­mo, é só ser ani­ma­di­nha e ri­mar em ‘ão’ que fi­ca tudo cer­to”, gri­tam, ain­da que em ní­vel in­cons­ci­en­te, mui­tos pais bra­si­lei­ros – se o pes­ti­nha fi­nal­men­te se ca­lou ou­vin­do aqui­lo, des­ven­dar a le­tra da can­ção pas­sa lon­ge de pri­o­ri­da­de. Es­te au­tor ain­da não te­ve a bên­ção de ser pai, go­zan­do as­sim de tem­po pa­ra al­gu­mas in­fe­rên­ci­as. Va­mos a elas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.