A Saú­de vai bem e vai me­lho­rar

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Ini­ci­a­mos um no­vo ano de ges­tão à fren­te da ad­mi­nis­tra­ção do nos­so Es­ta­do e é im­por­tan­te mos­trar ao ci­da­dão os bons re­sul­ta­dos con­quis­ta­dos até aqui. Nun­ca é de­mais lem­brar que o Pa­ra­ná, ao fi­nal de 2010, ti­nha um gra­ve de­se­qui­lí­brio fi­nan­cei­ro e or­ça­men­tá­rio, de tal for­ma que a ca­pa­ci­da­de­dein­ves­ti­men­to­doEs­ta­do­es­ta­va­su­fo­ca­da.

Ao mes­mo tem­po em que se afu­gen­ta­va o ca­pi­tal pri­va­do - sem dei­xá-lo aque­cer a eco­no­mia do Es­ta­do ao cri­ar em­pre­gos e ge­ra­ção de ren­da -, tí­nha­mos obras es­tru­tu­ral­men­te pre­cá­ri­as, con­tra­tos ir­re­gu­la­res, hos­pi­tais inau­gu­ra­dos sem ne­nhu­ma con­di­ção de aten­der as pes­so­as, contas ma­qui­a­das, des­pe­sas au­to­ri­za­das sem em­pe­nho, etc. Ha­via um dé­fi­cit fi­nan­cei­ro e or­ça­men­tá­rio da or­dem de R$ 4,5 bi­lhões.

Na área da Saú­de, uma de nos­sas pri­o­ri­da­des, o avan­ço é no­tá­vel e gos­ta­ria de di­vi­dir as in­for­ma­ções com ca­da pa­ra­na­en­se. Lan­ça­mos nos dois pri­mei­ros anos qua­tro pro­gra­mas es­tru­tu­ran­tes (ApSUS, ComSUS, HospSUS e Far­má­cia do Pa­ra­ná) que apói­am as re­des de aten­ção à saú­de - Mãe Pa­ra­na­en­se, de Ur­gên­cia e Emer­gên­cia, Saú­de Men­tal, Saú­de da Pes­soa Ido­sa, Saú­de da Pes­soa com De­fi­ci­ên­cia. Ao mes­mo tem­po, mais de 1,3 mil pro­fis­si­o­nais fo­ram con­tra­ta­dos e mais de 30 mil re­ce­be­ram ca­pa­ci­ta­ção pa­ra me­lho­rar o aten­di­men­to.

O tra­ba­lho com os mu­ni­cí­pi­os foi fun­da­men­tal pa­ra me­lho­rar a saú­de em to­dos os sen­ti­dos. Es­pe­ci­al­men­te na par­ce­ria com o go­ver­no do Es­ta­do pa­ra a im­plan­ta­ção do Pro­gra­ma Mãe Pa­ra­na­en­se. Hou­ve a in­te­gra­ção de 50 hos­pi­tais pú­bli­cos e fi­lan­tró­pi­cos uni­dos pe­la re­du­ção da mor­ta­li­da­de ma­ter­na e in­fan­til, nu­ma gran­de re­de pa­ra aten­der as mães e os be­bês.

As­sim con­se­gui­mos a mai­or re­du­ção da mor­ta­li­da­de ma­ter­na no Bra­sil, se­gun­do in­for­ma­ções do Mi­nis­té­rio da Saú­de. Hou­ve uma re­du­ção de 21,4% no nú­me­ro de mor­ta­li­da­de ma­ter­na em dois anos. A de mor­ta­li­da­de in­fan­til foi re­du­zi­da em 4,1%. Em am­bos os ca­sos, fo­ram as que­das mais ex­pres­si­vas da his­tó­ria. Além dis­so, con­se­gui­mos uma re­du­ção de mais de 90% do dé­fi­cit de lei­tos em UTIs ne­o­na­tal no Es­ta­do. O Pa­ra­ná pas­sou do dé­ci­mo ao quar­to lu­gar no nú­me­ro de trans­plan­tes de ór­gãos no país e con­se­gui­mos ze­rar a fi­la pa­ra trans­plan­te de cór­ne­as.

Em 2013, se­rão mais 151 hos­pi­tais in­te­gra­dos à es­ta re­de es­ta­du­al da saú­de. Além de­les, já ins­ta­la­mos dois cen­tros re­gi­o­nais de es­pe­ci­a­li­da­des mé­di­cas, um em Pa­to Bran­co e ou­tro em To­le­do, que reú­nem em só lu­gar con­sul­tas, exa­mes es­pe­ci­a­li­za­dos e ci­rur­gi­as. Nes­te ano, inau­gu­ra­re­mos mais seis.

Os Sa­mu´s (Ser­vi­ço de Aten­di­men­to Mó­vel de Emer­gên­cia) já aten­dem 158 ci­da­des ou 65% de nos­sa po­pu­la­ção. Qu­e­re­mos am­pli­ar es­te per­cen­tu­al de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va. In­clu­si­ve, de­ter­mi­nei o res­ga­te aé­reo, co­lo­can­do os aviões e he­li­cóp­te­ros do Es­ta­do a ser­vi­ço da Saú­de, sem quais­quer bu­ro­cra­ci­as.

Nos pri­mei­ros anos de nos­so go­ver­no, em tra­ba­lho com as pre­fei­tu­ras, con­cluí­mos 72 no­vas uni­da­des da saú­de e es­ta­mos cons­truin­do ou­tras 70. Até 2014, va­mos vi­a­bi­li­zar 400 uni­da­des. E há ain­da uma in­for­ma­ção im­por­tan­te: em aten­di­men­to à Emen­da 29 e por nos­sa de­ter­mi­na­ção, o se­tor de Saú­de re­ce­be­rá mais R$ 1,5 bi­lhão de re­cur­sos até 2015.

Co­mo na saú­de, es­ta­mos cui­dan­do de to­dos os as­pec­tos da vi­da dos pa­ra­na­en­ses. Te­mos re­sul­ta­dos ex­pres­si­vos na Edu­ca­ção, Ha­bi­ta­ção, In­fra­es­tru­tu­ra, Se­gu­ran­ça, Jus­ti­ça, Agri­cul­tu­ra, In­dús­tria e Co­mér­cio, De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no, De­sen­vol­vi­men­to So­ci­al, Meio Am­bi­en­te, Cul­tu­ra, e Es­por­te.

Mais que is­so, es­ta­mos aten­tos a to­das de­man­das da nos­sa po­pu­la­ção e em bus­ca das me­lho­res so­lu­ções pa­ra fa­zer com que o pa­ra­na­en­se de to­das as ida­des te­nha um de­sen­vol­vi­men­to con­cre­to e per­cep­tí­vel, o que já po­de ser ates­ta­do con­cre­ta­men­te, sem ar­rou­bos de re­tó­ri­ca, pro­mes­sas ou dis­cur­sos va­zi­os.

As­sim con­ti­nu­a­re­mos pa­ra cum­prir nos­so pla­no de tra­ba­lho, re­gis­tra­do em car­tó­rio, que vi­sa, so­bre­tu­do, con­so­li­dar­mos um Pa­ra­ná jus­to, on­de ha­ja res­pei­to, pro­gres­so, li­ber­da­de, tra­ba­lho, so­li­da­ri­e­da­de e jus­ti­ça so­ci­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.