Pa­pa diz que re­nun­cia ‘pe­lo bem da Igre­ja’

Dis­cur­so foi o pri­mei­ro após anún­cio de que re­nun­ci­a­rá. O pa­pa foi re­ce­bi­do com uma lon­ga ova­ção dos fiéis, que fi­ca­ram de pé, pa­ra re­ce­bê-lo du­ran­te a au­di­ên­cia se­ma­nal

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Agên­cia Fo­lha

re­da­cao@odi­a­rio.com Na sua pri­mei­ra apa­ri­ção pú­bli­ca des­de o anún­cio que vai dei­xar o pos­to de lí­der da Igre­ja, o pa­pa Ben­to XVI dis­se que re­nun­ci­ou pe­lo “bem da Igre­ja”.

“Que­ri­dos irmãos e ir­mãs, co­mo sa­bem, de­ci­di re­nun­ci­ar ao mi­nis­té­rio que o Se­nhor me con­fi­ou em 19 de abril de 2005. To­mei a de­ci­são com ple­na li­ber­da­de pa­ra o bem da Igre­ja, depois de ter re­za­do mui­to e exa­mi­na­do mi­nha cons­ci­ên­cia pe­ran­te Deus”, dis­se o pa­pa, di­an­te de uma pla­teia de 10 mil pes­so­as reu­ni­das no sa­lão de au­di­ên­ci­as do Va­ti­ca­no, na ma­nhã de on­tem.

“Es­tou ci­en­te da im­por­tân­cia do ato, mas tam­bém de não ser ca­paz de de­sem­pe­nhar o mi­nis­té­rio de Pe­dro com a ener­gia que ele re­quer”, de­cla­rou o pa­pa, que tem 85 anos, res­sal­tan­do a ra­zão já ale­ga­da aos car­de­ais de que não se sen­tia com for­ças pa­ra per­ma­ne­cer à fren­te da Igre­ja. Fa­lan­do em ita­li­a­no, Ben­to XVI foi ova­ci­o­na­do ao agra­de­cer “pe­lo amor e pe­la ora­ção” dos fiéis. Mui­tas pes­so­as se le­van­ta­ram pa­ra aplau­dir e ban­dei­ras de vá­ri­os paí­ses --en­tre elas, al­gu­mas bra­si­lei­ras-- se er­gue­ram e sa­cu­di­ram no ar no ins­tan­te do agra­de­ci­men­to.

Di­an­te de uma es­cul­tu­ra de bron­ze que re­pre­sen­ta a Res­sur­rei­ção de Cris­to, o pa­pa usou a tra­di­ci­o­nal au­di­ên­cia que con­ce­de as quar­tas-fei­ras pa­ra fa­lar da im­por­tân­cia da Qu­a­res­ma -pe­río­do de qua­ren­ta di­as que an­te­ce­de a Pás­coa du­ran­te o qual os cris­tãos re­a­li­zam pe­ni­tên­cia pa­ra re­cor­dar o pe­río­do em que Je­sus es­te­ve no de­ser­to.

Ele fez uma in­ter­pre­ta­ção do tre­cho do Evan­ge­lho de Lu­cas em que Je­sus é ten­ta­do pe­lo di­a­bo a trans­for­mar uma pe­dra em pão, após um je­jum de 40 di­as. Se­gun­do a Bí­blia, Je­sus res­pon­de que “nem só de pão vi­ve o ho­mem, mas de to­da a pa­la­vra de Deus”.

Na sua ho­mi­lia, o pa­pa dis­se que a pro­pos­ta do di­a­bo foi uma ten­ta­ti­va de “ins­tru­men­ta­li­za­ção de Deus”, mas que Je­sus re­sis­tiu à ten­ta­ção. O pa­pa e ins­tou os cris­tãos a não se­gui­rem “ou­tras es­tra­das mais fá­ceis e mun­da­nas”. “Je­sus se su­jei­tou às nos­sas ten­ta­ções a fim de ven­cer o Ma­lig­no e se­guiu ape­nas o ca­mi­nho pa­ra Deus. Por is­so, a lu­ta con­tra as ten­ta­ções. O que nós é pe­di­do na Qu­a­res­ma é co­lo­car Deus em pri­mei­ro lu­gar, co­mo fez Je­sus”, pre­gou o pa­pa.

A au­di­ên­cia du­rou pou­co mais de uma ho­ra. Du­ran­te a mai­or par­te do tem­po, o pa­pa per­ma­ne­ceu sen­ta­do e de­mons­trou emo­ção após ou­vir mú­si­cas en­to­a­das por co­rais de jo­vens du­ran­te a ce­le­bra­ção. Ao fi­nal da pre­ga­ção, que foi fei­ta em ita­li­a­no ori­gi­nal­men­te e te­ve uma ver­são li­da pe­lo pa­pa em cin­co idi­o­mas, Ben­to XVI re­zou o Pai-Nos­so em la­tim e dis­tri­buiu a bên­ção apos­tó­li­ca. Quan­do a ce­rimô­nia ter­mi­nou, car­de­ais fi­ze­ram fi­la pa­ra bei­jar o anel do pes­ca­dor, que sim­bo­li­za o poder do pon­ti­fi­ca­do, e al­guns con­vi­da­dos cum­pri­men­ta­ram pes­so­al­men­te o pa­pa. “Es­tou ci­en­te da im­por­tân­cia do ato, mas tam­bém de não ser ca­paz de de­sem­pe­nhar o mi­nis­té­rio de Pe­dro”

Ales­san­dro Bi­an­chi/reuters

Na pri­mei­ra apa­ri­ção des­de anun­ci­ar sua re­nún­cia, o pa­pa dis­se que to­mou a de­ci­são “pe­lo bem da Igre­ja”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.