Con­fron­to direto com o poder

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Au­tor de 51 li­vros e 10 ro­tei­ros pa­ra o ci­ne­ma, José Lou­zei­ro sem­pre es­te­ve na li­nha de fren­te da re­por­ta­gem po­li­ci­al, em con­fron­to direto com o poder cons­ti­tuí­do por su­as de­nún­ci­as de cor­rup­ção e abu­sos con­tra pre­sos - das quais a mais vi­go­ro­sa é “Lú­cio Flá­vio, o Pas­sa­gei­ro da Ago­nia”. O li­vro con­ta a his­tó­ria do as­sal­tan­te de ban­cos Lú­cio Flá­vio Vi­lar Ly­rio (1944-1975) que, du­ran­te o re­gi­me mi­li­tar, épo­ca da cri­a­ção do gru­po de ex­ter­mí­nio Es­qua­drão da Mor­te, é pre­so, tor­tu­ra­do e depois mor­to a fa­ca­das por um com­pa­nhei­ro de ce­la, em 1975. En­tre os fil­mes ba­se­a­dos em li­vros seus, é o pre­fe­ri­do de Lou­zei­ro. Ele o re­es­cre­veu depois da adap­ta­ção, rein­cor­po­ran­do três ca­pí­tu­los su­pri­mi­dos a fim de pas­sar pe­la cen­su­ra mi­li­tar nos anos 1970. “Lú­cio Flá­vio era mui­to po­bre, veio ao mun­do pa­ra in­dig­nar”, diz o es­cri­tor, de­fi­nin­do o fi­lho do ex­ca­bo elei­to­ral de Jus­ce­li­no Ku­bits­chek co­mo “um gran­de de­se­nhis­ta, uma pes­soa sé­ria e dig­na”

Lú­cio em­bar­cou na mar­gi­na­li­da­de du­ran­te a di­ta­du­ra, após ver seu pai hu­mi­lha­do por po­li­ci­ais do Dops nu­ma fes­ta de ca­sa­men­to (eles que­ri­am sa­ber o pa­ra­dei­ro de JK, te­ri­am en­fi­a­do seu ros­to no bo­lo da fes­ta e es­pan­ca­do sua mãe). Lou­zei­ro, igual­men­te de uma fa­mí­lia hu­mil­de, po­de­ria ter si­do um mar­gi­nal co­mo seu bi­o­gra­fa­do, mas te­ve me­lhor sor­te. “Meu pai, que era pe­drei­ro e depois vi­rou pas­tor pres­bi­te­ri­a­no, fez um acor­do com os di­re­to­res da es­co­la pa­ra con­ser­tar o pré­dio na épo­ca das chu­vas, a fim de que eu pu­des­se es­tu­dar”, con­ta, lem­bran­do com nos­tal­gia de sua in­fân­cia e da pro­fes­so­ra Maria Freitas, que lhe co­lo­cou o pri­mei­ro li­vro nas mãos. Era uma bi­o­gra­fia de Abraham Lin­coln (1809- 1865), o 16º pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no, que li­ber­tou os es­cra­vos dos Es­ta­dos con­fe­de­ra­dos, abrin­do ca­mi­nho pa­ra a abo­li­ção da es­cra­va­tu­ra.

Pa­ra o pai, Lou­zei­ro lia tre­chos da Bí­blia à noi­te, co­mo o per­so­na­gem de Ja­mes De­an no clás­si­co fil­me “Vi­das Amar­gas”, obri­ga­do a fa­zer o mes­mo. Sua fa­mí­lia mo­ra­va num su­búr­bio cha­ma­do Gam­boa do Ma­to. “O li­vro que aca­bei de lan­çar, Li­ções de Amor, con­ta a mi­nha his­tó­ria e é um exer­cí­cio me­mo­ri­a­lis­ta, pois es­ti­ve lá e não encontrei mais na­da em pé.” Nem mes­mo o quar­to que pe­diu pa­ra o pai pe­drei­ro fa­zer em tro­ca da pro­mes­sa de es­tu­dar. Aos 12 anos, o mo­le­que en­cren­quei­ro, que bri­ga­va na rua, trans­for­mou-se por com­ple­to - tal­vez por in­ter­fe­rên­cia das ora­ções de Mun­di­qui­nha, sua mãe Rai­mun­da, ca­tó­li­ca fer­vo­ro­sa que o pai pas­tor não con­se­guiu con­ver­ter.

Es­sa ex­pe­ri­ên­cia de out­si­der mi­rim se­ria mui­to im­por­tan­te na ho­ra de re­cons­ti­tuir a vi­da de um me­ni­no de rua que iria cru­zar a fron­tei­ra do Bra­sil em for­ma de fil­me, Pi­xo­te. O li­vro em que ele se ba­seia, “In­fân­cia dos Mor­tos” (fo­ra de ca­tá­lo­go), foi es­cri­to na es­tei­ra do su­ces­so de Lú­cio Flá­vio. Con­ta a his­tó­ria de me­no­res aban­do­na­dos que se en­vol­vem com o cri­me, pas­sam por ins­ti­tui­ções de re­cu­pe­ra­ção e sa­em de­las pi­o­res do que en­tra­ram. Na épo­ca, fim dos anos 1970, a clas­se mé­dia ain­da não era ví­ti­ma de arrastões nem as­sal­ta­da por me­ni­nos de rua.

O cri­me or­ga­ni­za­do é ou­tra coi­sa, se­gun­do Lou­zei­ro. “Ele sem­pre exis­tiu e a po­lí­cia es­te­ve en­vol­vi­da des­de os pri­mór­di­os da exis­tên­cia dos pri­mei­ros co­man­dos.”

Nos anos 1950, quan­do Lou­zei- ro co­me­çou a tra­ba­lhar co­mo re­pór­ter po­li­ci­al, o ban­di­tis­mo era ama­dor. Com o gol­pe de 1964, de­lin­quen­tes ga­nha­ram armas pa­ra matar co­mu­nis­tas e apren­de­ram um bo­ca­do so­bre con­cei­tos de or­ga­ni­za­ção e re­sis­tên­cia com mi­li­tan­tes de es­quer­da pre­sos. Pa­ra não se­rem tor­tu­ra­dos, pre­sos co­muns cri­a­ram gru­pos que exer­ci­am um poder pa­ra­le­lo ao da po­lí­cia, or­ga­ni­za­dos por no­mes co­mo Co­man­do Ver­me­lho e PCC, or­ga­ni­za­ções li­ga­das ao trá­fi­co de dro­gas e armas.

Após ter vá­ri­os de seus li­vros adap­ta­dos pa­ra o ci­ne­ma, Lou­zei­ro re­ve­la sua von­ta­de de ver Ara­cel­li le­va­do à te­la, até mes­mo por ser es­sa uma his­tó­ria em aber­to. “Ve­ja, a mãe de­la, Lo­la San­chez, usou a fi­lha co­mo ‘mu­la’ pa­ra en­tre­gar dro­gas, de­sa­pa­re­ceu em Vi­tó­ria em 1981, ho­je mo­ra na Bo­lí­via e os cri­mi­no­sos nun­ca so­fre­ram pu­ni­ção.” De fa­to, há 20 anos, to­dos os sus­pei­tos fo­ram ab­sol­vi­dos.

E, pa­ra qu­em as­so­cia Lou­zei­ro ex­clu­si­va­men­te a his­tó­ri­as de ban­di­dos e de­sa­jus­ta­dos, ele lem­bra que foi pi­o­nei­ro ao tra­tar de uma re­la­ção lés­bi­ca que de­sa­fi­ou os pa­drões mo­rais há 30 anos, ao as­si­nar o ro­tei­ro de “Amor Mal­di­to” (1983), fil­me di­ri­gi­do por Adé­lia Sam­paio so­bre uma mu­lher in­jus­ta­men­te acu­sa­da de matar a ex-aman­te - que, grá­vi­da, co­me­teu sui­cí­dio em seu apar­ta­men­to, após ser aban­do­na­da pe­lo na­mo­ra­do.

Distante da agi­ta­ção do mun­do li­te­rá­rio, Lou­zei­ro diz que man­tém con­ta­to com no­vos es­cri­to­res, mas não vê en­tre os mais jo­vens dis­po­si­ção pa­ra en­fren­tar te­mas so­ci­ais abran­gen­tes. “Eles não pa­re­cem in­te­res­sa­dos na his­tó­ria dos ou­tros”, co­men­ta. “São au­tor­re­fe­ren­tes”.

Divulgação/re­pro­du­ção

Lou­zei­ro: es­cri­tor se pro­je­tou na ce­na na­ci­o­nal com his­tó­ria da mor­te da pe­que­na Ara­celly (des­ta­que)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.