Con­ver­sa de praia

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

“Putz, depois de anos nos Es­ta­dos Uni­dos o Fran­co re­sol­veu vol­tar pro Bra­sil!” “Ué, ele vai aban­do­nar a co­zi­nha?” “Não, vai con­ti­nu­ar co­zi­nhei­ro de co­mi­da pron­ta aqui”. “Qu­em di­ria, hein, depois de mo­rar to­do es­se tem­po em São Francisco!” “Vo­cê vi­veu com ele lá, né, to­das as emo­ções e fan­ta­si­as da­que­le pa­raí­so gay”. “É, me sen­ti par­te da­qui­lo, fui pra lá no fim dos anos 80”. “Ca­ra, vo­cê pas­sou por aque­la pro­mis­cui­da­de ge­ne­ra­li­za­da? Or­gi­as, clu­bes, sau­nas e ci­ne­mas?” “Pois é, aqui­lo só di­mi­nuiu de in­ten­si­da­de com a dis­se­mi­na­ção da pes­te da Aids. Eu pe­guei e vol­tei”. “Pra es­pa­lhar aqui?” “Ha ha ha ha” “Aqui­lo pas­sou a ser uma som­bra so­bre o tem­po. Mui­tos co­me­ça­ram a mor­rer, qu­em fi­cou com me­do pas­sou a ter uma vi­da mais do­més­ti­ca, que nem o Fran­co, que so­bre­vi­veu. Ele era mui­to in­se­gu­ro e ob­ce­ca­do com do­en­ças. Da­que­les que se con­ta­mi­na­ram, ra­ros so­bre­vi­ve­ram”. “É, mas vo­cê foi um, né?” “Pois é, às ve­zes quan­do pen­so nem acre­di­to que che­guei aos 50 e até ago­ra es­ca­pei. Mas não foi fá­cil”. “Vo­cê to­ma os re­mé­di­os?” “Cla­ro, qua­se 30 anos en­go­lin­do com­pri­mi­dos, tro­can­do o co­que­tel de an­ti­vi­rais, coi­sa de 20 por dia, mui­tos pra ame­ni­zar os efei­tos co­la­te­rais dos ou­tros”. “Ca­ram­ba!” “E vo­cê não vol­tou mais lá?” “Ah, eu sem­pre fui vi­si­tar o Fran­co, ia lá, fi­ca­va uns me­ses, ga­nha­va uns dó­la­res, de­co­ra­va com pin­tu­ras umas ca­sas, res­tau­ran­tes e até uma igre­ja! Pin­tan­do aque­les santos lá, me sen­ti o Alei­ja­di­nho!” “E co­mo vo­cê fi­cou sa­ben­do do ví­rus?” “Ah, to­do mun­do co­me­çou a fa­lar, fi­car com pâ­ni­co e fa­zer exa­mes. Eu fiz e con­fir­mei. Aí achei que ia mor­rer e vol­tei pra ca­sa da mi­nha mãe no Bra­sil”. “E co­mo fez pra con­se­guir os re­mé­di­os, era di­fí­cil, né?” “En­tão, en­trei num pro­gra­ma ex­pe­ri­men­tal em Santos, que es­ta­va à fren­te no Bra­sil pra tra­tar is­so e vi­rei co­baia. Foi o que me sal­vou, ex­pe­ri­men­tei to­dos os com­pri­mi­dos, tro­quei vá­ri­as ve­zes.” “E o tem­po pas­sou”. “Pois é, o tem­po pas­sa­va e co­mo não se ia pro Ce­mi­té­rio da Fi­lo­so­fia, ia fi­lo­so­far va­ga­bun­da­gem nos Es­ta­dos Uni­dos, com o Fran­co”. “Ele veio mo­rar aqui, vo­cê dis­se?” “Pois é, con­vi­dei ele pra mo­rar co­mi­go e com mi­nha mãe. Foi bom uns me­ses, ca­da um em seu qua­dra­do, mas ele se can­sou da­qui e eu me can­sei de­le. Ele re­cla­ma­va que mi­nha mãe fu­ma­va, re­cla­ma­va por­que pi­sa­va na fai­xa de pe­des­tres e, di­fe­ren­te­men­te de São Francisco, os mo­to­ris­tas não pa­ra­vam, por­que o su­per­mer­ca­do não man­ti­nha em ri­go­ro­sa tem­pe­ra­tu­ra os ali­men­tos, por­que não lhe da­vam no­ta fis­cal, por­que lhe ven­di­am pão mur­cho, en­fim, ele co­me­çou a se tor­nar mais cha­to do que nun­ca, aí re­sol­veu dar umas vol­tas nos Es­ta­dos Uni­dos e vi­a­jou pra lá”. “Foi re­en­con­trar a ci­vi­li­za­ção or­dei­ra e re­gra­da...” “É mas nem ele aguen­ta mais. Ele con­ta­tou um ex-ca­so que na­mo­ra­va em ba­res e bo­a­tes, um po­li­ci­al co­re­a­no, pra fi­car na ca­sa de­le. Depois que che­gou lá, li­gou con­tan­do”. “O que ele dis­se?” “En­tão, o Fran­co fa­lou: Ima­gi­na, che­guei ao apar­ta­men­to do Kim e fui dar um abra­ço ne­le, cheio de sau­da­des, e ele dis­se não. Dis­se não, pra mim! Não quis me abra­çar! Fa­lou: vo­cê es­tá chei­ran­do ae­ro­por­to, vá to­mar um ba­nho! Fi­quei pas­sa­do. Depois fi­cou ten­tan­do me en­si­nar a usar os con­tro­les re­mo­tos da te­vê, e eu ten­do que aguen­tar aqui­lo, co­mo se não sou­bes­se usar uma te­vê. Depois co­me­çou a me di­zer um mon­te de re­gras da ca­sa e fui me en­chen­do, vim pa­ra pas­sar dois me­ses, vou fi­car uma se­ma­na!” “Ih, lo­go ele tá de vol­ta, en­tão!” “Não ve­jo a ho­ra de tam­bém di­zer pra ele que tá com chei­ro de ae­ro­por­to!” “Ha ha ha”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.