Mo­ci­da­de Alegre fes­te­ja bi­cam­pe­o­na­to

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Em dis­pu­ta aper­ta­da, a Mo­ci­da­de Alegre foi cam­peã do car­na­val pau­lis­ta­no pe­la no­na vez na his­tó­ria – e a se­gun­da con­se­cu­ti­va. Com o en­re­do “A Se­du­ção me Fez Pro­var, me En­tre­gar à Ten­ta­ção... Da Ver­são Ori­gi­nal, Qual Se­rá o Fi­nal?”, a es­co­la brin­cou de dar um fim di­fe­ren­te a con­tos de fa­da. Ter­mi­nou a apu­ra­ção com a mes­ma pon­tu­a­ção da Ro­sas de Ou­ro, a se­gun­da co­lo­ca­da. Mas, no cri­té­rio de de­sem­pa­te, o en­re­do ga­nhou por um dé­ci­mo: fi­cou com 30 pon­tos, en­quan­to a Ro­sas fe­chou com 29,9.

A vi­tó­ria, na tar­de da ter­ça­fei­ra, te­ve cli­ma de fes­ta de des­pe­di­da: a Mo­ci­da­de dei­xa­rá no dia 28 a se­de que ocu­pa há 40 anos no Limão, bair­ro da zo­na nor­te. De­ve ir pa­ra ou­tro ter­re­no mai­or, an­tes da mu­dan­ça de­fi­ni­ti­va pa­ra a Fá­bri­ca do Sam­ba. No sam­bó­dro­mo, So­lan­ge Bi­cha­ra, pre­si­den­te da Mo­ci­da­de, re­za­va e re­pe­tia em voz bai­xa “dez, dez, dez” a ca­da no­ta. Quan­do foi con­fir­ma­do o bi­cam­pe­o­na­to, cus­tou a acre­di­tar. “Não ga­nha- mos, não. A gen­te não ga­nhou!” Do la­do de fo­ra da qu­a­dra, o sam­ba era can­ta­do an­tes mes­mo do fim da apu­ra­ção.

En­quan­to is­so, o cli­ma era tenso na Ro­sas de Ou­ro, que che­gou a li­de­rar a apu­ra­ção. As­sim que a úl­ti­ma no­ta de en­re­do foi anunciada, a di­re­to­ria caiu no cho­ro. A pon­tu­a­ção fi­nal de 29,9 pa­ra o sam­ba Os con­du­to­res da ale­gria - Nu­ma Fan­tás­ti­ca Vi­a­gem aos Rei­nos da Fo­lia fez a agre­mi­a­ção ba­ter na tra­ve pe­lo 2.º ano se­gui­do.

A pre­si­den­te da Ro­sas, An­ge­li­ta Ba­sí­lio, bai­xou a ca­be­ça. “Car­na­val é as­sim, se de­fi­ne no fi­nal. Mas não en­ten­di es­sa no­ta do en­re­do”, dis­se, mi­nu­tos após re­cla­mar da “mão pe­sa­da” de uma ju­ra­da que deu 9,7 pa­ra o ca­sal de mes­tre-sa­la e por­ta-ban­dei­ra.

De­cep­ção mai­or só na Uni­dos de Vi­la Maria, re­bai­xa­da pa­ra o Gru­po de Aces­so. “Vi­e­mos aqui pa­ra dis­pu­tar o tí­tu­lo e aca­ba­mos no úl­ti­mo lu­gar. Não tem ex­pli­ca­ção”, dis­se o pre­si­den­te da agre­mi­a­ção e da Li­ga In­de­pen­den­te das Es­co­las de Sam­ba, Pau­lo Sér­gio Fer­rei­ra, o Ser­gi­nho.

Di­ri­gen­tes da Man­cha Ver­de, pe­núl­ti­ma co­lo­ca­da e tam­bém re­bai­xa­da, saí­ram an­tes do tér­mi­no da apu­ra­ção, sem fa­lar com nin­guém.

Por pou­co

Qu­em mais co­me­mo­rou, na ter­ça-fei­ra, no sam­bó­dro­mo não foi a Mo­ci­da­de, e sim a Águia de Ou­ro, ter­cei­ra co­lo­ca­da. A es­co­la co­me­çou a apu­ra­ção com 1,1 pon­to a me­nos, por­que es­tou­rou em um mi­nu­to o tem­po do des­fi­le. Mas, com no­tas ex­ce­len­tes, aca­bou vi­ran­do o jo­go. Foi a úni­ca a ga­nhar no­ta 10 de to­dos os ju­ra­dos no que­si­to ba­te­ria. “Se não fos­se es­se pon­to, era vi­tó­ria com so­bra. A gen­te é cam­peão mo­ral. Não tem ne­nhu­ma frus­tra­ção, é só ale­gria”, dis­se Ju­ran­dir Leonardo, di­re­tor de Har­mo­nia da es­co­la da Pom­peia.

Por cau­sa da con­fu­são do ano pas­sa­do, quan­do um re­pre­sen­tan­te da Im­pé­rio de Ca­sa Ver­de ras­gou as no­tas da apu­ra­ção e tor­ce­do­res da Ga­viões da Fi­el fi­ze­ram que­bra-que­bra no Anhem­bi, a con­ta­gem dos vo­tos nes­te ano foi a pri­mei­ra sem pú­bli­co. E, com se­gu­ran­ça re­for­ça­da, ter­mi­nou sem in­ci­den­te a apu­ra­ção do Gru­po Es­pe­ci­al. “Vi­e­mos com 30 in­ves­ti­ga­do­res e qua­tro de­le­ga­dos”, dis­se Os­val­do Ni­co Gon­çal­ves, da De­le­ga­cia do Tu­ris­ta. Se­gun­do ele, fo­ram ape­nas 12 bo­le­tins de ocor­rên­cia du­ran­te to­do o car­na­val. “Foi o car­na­val mais se­gu­ro. Oi­to BOs eram por per­da de do­cu­men­tos.” O ca­so mais gra­ve foi um fur­to, no qual o la­drão aca­bou pre­so. Além dis­so, a po­lí­cia abor­tou uma su­pos­ta bri­ga mar­ca­da pe­la internet en­tre tor­ci­das de Mo­ci­da­de e Ro­sas de Ou­ro.

A úni­ca con­fu­são acon­te­ceu no Gru­po de Aces­so, no qual dois ju­ra­dos dei­xa­ram de dar no­tas pa­ra du­as es­co­las em dois que­si­tos Fal­ta­ram as pon­tu­a­ções pa­ra ale­go­ria da Ca­mi­sa Ver­de e Bran­co e sam­ba-en­re­do da Pé­ro­la Ne­gra. Co­mo o re­gu­la­men­te de­ter­mi­na que, em ca­so de fal­ta de no­ta, a agre­mi­a­ção re­pi­ta a mai­or no­ta atri­buí­da, am­bas ga­nha­ram 10. A Pé­ro­la Ne­gra foi a cam­peã do Gru­po de Aces­so com en­re­do ho­me­na­ge­an­do o Au­to da Com­pa­de­ci­da, de Ari­a­no Su­as­su­na. Em se­gun­do lu­gar, fi­cou a Le­an­dro de Ita­que­ra, com o en­re­do O leão guer­rei­ro mos­tra sua for­ça! É a gar­ra e a bra­vu­ra do ne­gro, no qui­lom­bo Le­an­dro de Ita­que­ra.

Fabio Mar­tins/futura Press

So­lan­ge Bi­cha­ra, pre­si­den­te da Mo­ci­da­de, co­me­mo­ra o tí­tu­lo jun­to com a tor­ci­da, na qu­a­dra lo­ta­da: ale­gria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.