Ca­fé com lei­te

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

A elei­ção dos no­vos pre­si­den­tes do Se­na­do e da Câ­ma­ra Fe­de­ral trou­xe de vol­ta a sen­sa­ção de im­pu­ni­da­de e de ab­so­lu­ta im­po­tên­cia di­an­te das “cos­tu­ras” po­lí­ti­cas, sob a re­gên­cia e su­per­vi­são di­re­ta do Pa­lá­cio do Pla­nal­to. Am­bos es­tão sen­do con­si­de­ra­dos “fi­cha su­ja”, ex­pres­são uti­li­za­da pa­ra de­sig­nar po­lí­ti­cos que res­pon­dem a pro­ces­sos re­fe­ren­tes ao pe­río­do em que cum­pri­ram seus res­pec­ti­vos man­da­tos. Re­nan Ca­lhei­ros é in­ves­ti­ga­do em inqué­ri­to no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral de­vi­do a um su­pos­to uso de no­tas fis­cais fri­as. Vol­tou à pre­si­dên­cia do Se­na­do após re­nun­ci­ar ao car­go má­xi­mo do Le­gis­la­ti­vo na­ci­o­nal em 2007. Foi elei­to pe­la mai­o­ria dos senadores da Ca­sa, re­ce­ben­do um to­tal de 56 vo­tos. Já o de­pu­ta­do Hen­ri­que Edu­ar­do Al­ves foi elei­to no­vo pre­si­den­te da Câ­ma­ra. O par­la­men­tar, que res­pon­de a pro­ces­sos na Jus­ti­ça por im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va e en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to, re­ce­beu 271 dos 497 vo­tos.

A jul­gar pe­las de­mons­tra­ções de apoio aos no­vos pre­si­den­tes das du­as mais al­tas Ca­sas Le­gis­la­ti­vas des­se país, ima­gi­na-se o que se es­con­de por trás des­sa “for­ça-ta­re­fa” pro­mo­vi­da pe­los atu­ais de­ten­to­res do poder. O fa­to po­de­ria ser com­pa­ra­do ao mo­vi­men­to co­nhe­ci­do co­mo “po­lí­ti­ca do ca­fé com lei­te”, um ar­ran­jo po­lí­ti­co que vi­go­rou na cha­ma­da República Ve­lha e en­vol­veu as oli­gar­qui­as de São Pau­lo e Mi­nas Ge­rais e o go­ver­no cen­tral. O ob­je­ti­vo era con­tro­lar o pro­ces­so su­ces­só­rio pa­ra que so­men­te po­lí­ti­cos des­ses dois es­ta­dos fos­sem elei­tos à pre­si­dên­cia, de mo­do al­ter­na­do. Tal acor­do se­ria nu­ma re­fe­rên­cia à eco­no­mia de São Pau­lo e Mi­nas Ge­rais, gran­des pro­du­to­res à épo­ca, res­pec­ti­va­men­te, de ca­fé e lei­te.

Cu­ri­o­si­da­des à par­te, fi­ca evi­den­te que a al­ter­nân­cia dos par­ti­dos na pre­si­dên­cia das Ca­sas aten­de a in­te­res­ses de um se­le­to gru­po de par­la­men­ta­res. O “al­to cle­ro” dis­tri­bui as car­tas e sem es­crú­pu­los jo­ga “de mão”, en­quan­to a opo­si­ção inex­pli­ca­vel­men­te ago­ni­za. On­de es­ta­ri­am en­tão os senadores e de­pu­ta­dos que se no­ta­bi­li­za­ram por ocu­par a tri­bu­na pro­fe­rin­do dis­cur­sos in­fla­ma­dos, nu­ma ver­da­dei­ra de­mons­tra­ção de in­sa­tis­fa­ção na de­fe­sa aos in­te­res­ses do ci­da­dão bra­si­lei­ro? Por que não re­a­gi­ram à al­tu­ra, sa­be­do­res de sua im­por­tân­cia pa­ra a ver­da­dei­ra de­mo­cra­cia? Por que ago­ra se omi­tem, no mo­men­to em que mais se es­pe­ra­va uma po­si­ção fir­me, mes­mo lu­tan­do con­tra a on­da avas­sa­la­do­ra de cor­po­ra­ti­vis­mo que as­so­la aque­las ca­sas de leis?

Das du­as, uma: ou fa­zi­am uso da pa­la­vra pa­ra pro­mo­ção pes­so­al (vis­to que as ses­sões são re­trans­mi­ti­das pe­las res­pec­ti­vas re­des de te­vê), ou as ex­pres­sões de aus­te­ri­da­de e in­dig­na­ção pe­ran­te o te­ma que de­fen­di­am na­que­le mo­men­to fa­zi­am par­te de um gran­de te­a­tro. Des­sa for­ma, o cir­co vem sen­do ar­ma­do. Ri­go­ro­sa­men­te, com a pre­sen­ça de to­dos os seus in­te­gran­tes. Os pro­ta­go­nis­tas, os co­ad­ju­van­tes e o dis­tin­to pú­bli­co. E o elei­tor, trans­for­ma­do em par­ti­ci­pan­te vo­lun­tá­rio, co­a­gi­do a uti­li­zar aque­le aces­só­rio tra­di­ci­o­nal­men­te de cor aver­me­lha­da, tí­pi­co dos que têm a in­cum­bên­cia (por pro­fis­são) de ar­ran­car ri­sos da pla­teia. Uma coi­sa é cer­ta: a opo­si­ção foi “en­go­li­da” pe­lo sis­te­ma. Os in­te­res­ses elei­to­rei­ros fa­lam mais al­to e di­tam as re­gras. Ou apoia ou é au­to­ma­ti­ca­men­te ex­cluí­do. O mes­mo pro­ce­di­men­to da si­tu­a­ção ho­je, que quan­do opo­si­ção es­per­ne­a­va cla­man­do es­pa­ço no go­ver­no. Com a di­fe­ren­ça que car­re­gam uma do­se de vi­ru­lên­cia pro­por­ci­o­nal à po­pu­la­ri­da­de da apren­di­za de Ro­bin Ho­od tu­pi­ni­quim.

A his­tó­ria apon­ta os er­ros de um pas­sa­do re­cen­te, em que uma dis­pu­ta in­ter­na pe­lo poder imor­ta­li­zou o des­te­mi­do e ana­crô­ni­co Se­ve­ri­no. Do al­to de sua pre­po­tên­cia aca­bou des­ti­tuí­do do car­go e re­co­lhi­do à sua pró­pria in­sig­ni­fi­cân­cia. Di­an­te do qua­dro atu­al, po­de-se es­pe­rar que o car­dá­pio diá­rio nas de­pen­dên­ci­as do Con­gres­so Na­ci­o­nal ga­nhe ou­tros in­gre­di­en­tes mais so­fis­ti­ca­dos, além do tra­di­ci­o­nal ca­fé com lei­te. Qu­em sa­be nos­sos va­lo­ro­sos re­pre­sen­tan­tes não acres­cen­tem ain­da a con­tu­maz (po­rém ca­ló­ri­ca) mar­me­la­da, ou a pro­vi­den­ci­al e mui­to uti­li­za­da piz­za bra­si­li­en­se? Sal­vem as al­mas!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.