Bra­sil em ter­cei­ra po­si­ção no mun­do

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Agên­cia Bra­sil

re­da­cao@odi­a­rio.com O mer­ca­do bra­si­lei­ro de be­le­za es­tá em ter­cei­ro lu­gar no mun­do, per­den­do ape­nas pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos e o Ja­pão. A pro­fis­são de ca­be­lei­rei­ro nor­mal­men­te nas­cia na in­for­ma­li­da­de, por in­fluên­cia de al­guém da fa­mí­lia que atu­a­va na área.

Há pe­lo me­nos 5 anos, um nú­me­ro ex­pres­si­vo de pes­so­as sem op­ção de tra­ba­lho re­sol­veu en­trar nes­se mer­ca­do de­vi­do ao re­tor­no rá­pi­do e à fá­cil ca­pa­ci­ta­ção. A ex­pli­ca­ção foi da­da por Car­los Oris­tâ­nio, co­or­de­na­dor do cur­so de Es­té­ti­ca e Cos­mé­ti­ca da Uni­ver­si­da­de Cru­zei­ro do Sul, pri­mei­ra ins­ti­tui­ção no Es­ta­do de São Pau­lo a ter um cur­so de gra­du­a­ção vol­ta­do pa­ra a área. “Pes­so­as que têm al­gum ti­po de di­fi­cul­da­de de co­lo­ca­ção e recolocação são as que che­gam ao mer­ca­do de be­le­za. Vul­ne­rá­vel, es­se mer­ca­do não es­tá su­jei­to a re­gu­la­men­ta­ção, o que in­cen­ti­va qual­quer pes­soa que quei­ra fa­zer um cur­so de três me­ses a apren­der a cor­tar ca­be­lo e mon­tar um sa­lão. Há 10, 15 sa­lões em ca­da quar­tei­rão. Es­ses pro­fis­si­o­nais sa­bem a pro­fis­são, mas não são bem qua­li­fi­ca­dos”, dis­se. Com o cur­so de gra­du­a­ção em for­ma­ção pro­fis­si­o­nal de ca­be­lei­rei­ro, o alu­no sai for­ma­do não só na área téc­ni­ca, mas co­mo ges­tor.

Se­gun­do Oris­tâ­nio, com a exis­tên­cia de uma uni­ver­si­da­de, as es­co­las e os cen­tros téc­ni­cos co­me­ça­ram a me­lho­rar seus cur­sos e a qua­li­fi­ca­ção dos alu­nos. “O mo­men­to do mer­ca­do é de me­lho­ria da qua­li­fi­ca­ção das pes­so­as, que es­tão ten­do mais in­te­res­se nis­so. Até por­que há uma co­bran­ça mai­or dos pró­pri­os cli­en- tes”. De acor­do com o co­or­de­na­dor do cur­so, an­tes da uni­ver­si­da­de os in­te­res­sa­dos iam às es­co­las e pas­sa­vam por três pas­sos - o la­va­tó­rio, as te­sou­ras e os ti­pos de cor­te, “Quan­do fa­zia is­so, for­ma­va es­se ca­be­lei­rei­ro. Ho­je, is­so não é su­fi­ci­en­te. Há vá­ri­os ar­ti­gos ci­en­tí­fi­cos que mos­tram a evo­lu­ção da pro­fis­são”.

Na ava­li­a­ção da co­or­de­na­do­ra ad­mi­nis­tra­ti­va do Instituto Lo­re­al, Li­dia Leya Sa­po­ri­to, os cur­sos téc­ni­cos atu­ais pas­sa­ram a pre­pa­rar me­lhor os pro­fis­si­o­nais pa­ra que eles pos­sam acom­pa­nhar as exi­gên­ci­as do mer­ca­do. “O mer­ca­do de be­le­za mu­dou: ho­je é um ne­gó­cio. E exi­ge mui­to mais do que ape­nas sa­ber cor­tar ca­be­lo. É pre­ci­so ter um co­nhe­ci­men­to mais apro­fun­da­do, sa­ber aten­der a cli­en­te. Is­so é su­pe­rim­por­tan­te”.

Li­dia con­cor­da que mui­tos ca­be­lei­rei­ros que abrem sa­lões não es­tão pre­pa­ra­dos co­mo de­vi­am, o que atri­bui à in­fluên­cia dos cur­sos an­ti­gos, mais bá­si­cos. “An­tes, pa­ra ter um co­nhe­ci­men­to di­fe­ren­ci­a­do, era pre­ci­so sair do País pa­ra es­tu­dar. Ho­je, a pro­fis­são é re­co­nhe­ci­da e o co­nhe­ci­men­to que se ad­qui­re lá fo­ra po­de ser ad­qui­ri­do tan­to ou me­lhor aqui no Bra­sil”. “Pes­so­as que têm al­gum ti­po de di cul­da­de de co­lo­ca­ção e recolocação são as que che­gam ao mer­ca­do de be­le­za”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.