Te­le­fo­nia fi­xa na mi­ra da Ana­tel

O Diario do Norte do Parana - - ECONOMIA - Edu­ar­do Rodrigues

re­da­cao@odi­a­rio.com Depois de en­qua­drar as em­pre­sas de te­le­co­mu­ni­ca­ções com re­gras du­ras e pu­ni­ções se­ve­ras pe­la má pres­ta­ção dos ser­vi­ços de te­le­fo­nia/internet mó­vel e TV por as­si­na­tu­ra, a Agên­cia Na­ci­o­nal de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (Ana­tel) vai exi­gir mais qua­li­da­de tam­bém nas li­ga­ções de te­le­fo­nes fi­xos. A mo­da­li­da­de, que vem per­den­do es­pa­ço no fa­tu­ra­men­to das gran­des em­pre­sas do mer­ca­do, te­rá que cum­prir no­vas - e ri­go­ro­sas - me­tas a par­tir de ju­nho des­te ano.

O Re­gu­la­men­to de Qua­li­da­de pa­ra a te­le­fo­nia fi­xa foi apro­va­do no dia 20 de de­zem­bro do ano pas­sa­do, mas só foi pu­bli­ca­do nes­ta quin­ta-fei­ra pe­la agên­cia re­gu­la­do­ra no Diá­rio Ofi­ci­al da União. De acor­do com a nor­ma, se­rão en­qua­dra­das to­das as ope­ra­do­ras e au­to­ri­za­das que te­nham mais de 50 mil cli­en­tes.

A prin­ci­pal al­te­ra­ção do re­gu­la­men­to diz res­pei­to às exi­gên­ci­as pa­ra com­ple­tar cha­ma­das. Pe­las re­gras vi­gen­tes atu­al­men- te, as com­pa­nhi­as es­ta­vam obri­ga­das a com­ple­tar ape­nas 70% das li­ga­ções lo­cais. Com a al­te­ra­ção, a me­ta pas­sou pa­ra 93%, re­du­zin­do a to­le­rân­cia com con­ges­ti­o­na­men­tos de re­de pa­ra ape­nas 7% das cha­ma­das. Da mes­ma for­ma, a me­ta de con­clu­são das li­ga­ções de lon­ga dis­tân­cia na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais pas­sou pa­ra 92%, ad­mi­tin­do-se per­das em so­men­te 8% das ten­ta­ti­vas.

O al­to ín­di­ce de exi­gên­cia de su­ces­so nas cha­ma­das, no en­tan­to, con­si­de­ra in­clu­si­ve os ca­sos on­de o in­ter­lo­cu­tor não aten­de a li­ga­ção ou quan­do o te­le­fo­ne es­tá ocu­pa­do. “Con­si­de­ra-se no côm­pu­to de in­di­ca­do­res tam­bém os ca­sos que re­sul­tem em si­na­li­za­ção de re­de do ti­po ‘não res­pon­de’ (NR) ou ‘li­nha ocu­pa­da’ (LO), pos­to que, pa­ra efei­tos téc­ni­cos, ain­da que não aten­di­da a cha­ma­da pe­lo usuá­rio, a re­de cum­priu seu pa­pel, com êxi­to”, ex­pli­cou em seu vo­to o con­se­lhei­ro da Ana­tel re­la­tor do re­gu­la­men­to, Mar­ce­lo Be­cha­ra.

Já as cen­trais de aten­di­men­to das com­pa­nhi­as de te­le­fo­nia fi­xa pre­ci­sa­rão ser ain­da mais efi­ci­en­tes, com uma me­ta de 95% pa­ra o aten­di­men­to das li­ga­ções fei­tas pe­los usuá­ri­os. Ou se­ja, em pra­ti­ca­men­te to­das as oca­siões que um cli­en­te pro­cu­rar a em­pre­sa pa­ra re­cla­mar ou so­li­ci­tar in­for­ma­ções, es­sas cha­ma­das te­rão de ser com­ple­ta­das, com to­le­rân­cia em ape­nas 5% dos ca­sos. Es­se ní­vel de exi­gên­cia já era co­bra­do na te­le­fo­nia mó­vel.

Além dis­so, as re­cla­ma­ções e pe­di­dos fei­tos pe­los usuá­ri­os nas cen­trais de aten­di­men­to de­ve­rão es­tar dis­po­ni­bi­li­za­das tam­bém nas pá­gi­nas das com­pa­nhi­as na internet, pa­ra que ca­da cli­en­te pos­sa con­sul­tar e acom­pa­nhar o an­da­men­to de su­as de­man­das.

Por fim, ou­tra mu­dan­ça sig­ni­fi­ca­ti­va nas me­tas de qua­li­da­de da Ana­tel é o li­mi­te de 2,5 fa­tu­ras equi­vo­ca­das pa­ra ca­da mil do­cu­men­tos emi­ti­dos por mês pe­las em­pre­sas. Com is­so, a Ana­tel bus­ca re­du­zir a quan­ti­da­de de er­ros de co­bran­ça, que es­tão en­tre as prin­ci­pais cau­sas das re­cla­ma­ções de usuá­ri­os ao ór­gão re­gu­la­dor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.