Prê­mi­os ao re­dor

OU­ÇA Co­le­ci­o­na­dor de prê­mi­os de me­lhor fil­me ao re­dor do mun­do e aplaudido pe­lo New York Ti­mes, che­ga à ci­da­de “O som ao re­dor”, pri­mei­ro lon­ga-me­tra­gem do crí­ti­co e ci­ne­as­ta re­ci­fen­se Kle­ber Mendonça Fi­lho En­tre os 10 mais do New York Ti­mes

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Luiz Car­los Mer­ten

Até o The New York Ti­mes in­cluiu o fil­me na sua lis­ta de obras fa­róis. Per­nam­bu­co e o Bra­sil in­tei­ro ca­be nu­ma rua do Re­ci­fe. É o de­sa­fio de “O Som ao Re­dor”, pri­mei­ro lon­ga-me­tra­gem do tam­bém crí­ti­co de ci­ne­ma Klé­ber Mendonça Fi­lho. O fil­me, que co­le­ci­o­na na­da me­nos que no­ve pri­mei­ros prê­mi­os em fes­ti­vais ao re­dor do mun­do (Fes­ti­val de Ro­ter­dã, de No­va York e do Rio en­tre eles), con­ta a his­tó­ria de um trio de se­gu­ran­ças que se ins­ta­la nu­ma rua da ca­pi­tal de Per­nam­bu­co, on­de só exis­tem con­do­mí­ni­os de lu­xo. Eles ofe­re­cem seus ser­vi­ços.

Há al­go de mis­te­ri­o­so na iden­ti­da­de des­ses ho­mens, as­sim co­mo há mistérios (no plu­ral) nas coi­sas que co­me­çam a ocor­rer.

O re­ci­fen­se Mendonça Fi­lho ad­qui­riu re­pu­ta­ção com cur­tas tão bons que cri­a­ram uma es­pé­cie de co­bran­ça - pa­ra quan­do o lon­ga? Ele gos­ta de di­zer que es­cre­veu “O Som ao Re­dor” ra­pi­da­men­te, mas o fil­me é re­sul­ta­do de lon­ga ela­bo­ra­ção. “A ori­gem do fil­me veio do acú­mu­lo de idei­as e ob­ser­va­ções fei­tas ao lon­go de mui­tos anos. Es­ta­va tran­qui­lo, com meus cur­tas, mas ha­via uma pres­são so­ci­al mui­to gran­de pe­lo lon­ga. E acon­te­ceu de es­tar per­to do pra­zo fi­nal pa­ra ins­cri­ção em um edi­tal do Mi­nis­té­rio da Cul- tu­ra. Re­sol­vi par­ti­ci­par. Es­cre­vi a pri­mei­ra ver­são de ‘O Som ao Re­dor’ em se­te di­as, im­pul­si­o­na­do pe­las idei­as que já es­ta­vam na mi­nha ca­be­ça e pe­la da­ta-li­mi­te”, con­ta o di­re­tor.

Mas o fil­me não foi se­le­ci­o­na­do. Mendonça Fi­lho ins­cre­veu em ou­tro con­cur­so e aí te­ve tem­po de ela­bo­rar mais o ro­tei­ro. O fil­me ti­nha mui­tos per­so­na­gens. “Que­ria que fos­se or­gâ­ni­co, que a his­tó­ria mu­das­se de uma pes­soa pa­ra ou­tra sem pa­re­cer de for­ma ar­bi­trá­ria. Foi o mai­or de­sa­fio, por­que há to­da um his­tó­ri­co de fil­mes co­rais, nos quais vá­ri­as coi­sas acon­te­cem e exis­tem mui­tos per­so­na­gens. Achar es­sa or­ga­ni­ci­da­de era o pon­to prin­ci­pal e eu cos­tu­mo de­mo­rar na mon­ta­gem, até­nos­cur­ta­sis­so­a­con­te­cia.”

Ou­tra ques­tão era o re­a­lis­mo - “O re­a­lis­mo pe­lo re­a­lis­mo pa­ra mim é cha­to, não te­nho tan­to in­te­res­se na fil­ma­gem. Por is­so co­me­cei a agre­gar um cer­to es­ti­lo de fa­zer ci­ne­ma, em ci­ne­mas­co­pe e com pla­nos fi­xos. Co­me­cei a gos­tar da ideia de fa­zer um fil­me ab­so­lu­ta­men­te mun­da­no, com per­so­na­gens nor­mais e no Re­ci­fe, mas com uma câ­me­ra que vo­cê não as­so­ci­a­ria ao re­a­lis­mo so­ci­al”.

E ele que­ria que os per­so­na­gens fos­sem re­pre­sen­ta­ti­vos de uma or­dem so­ci­al. “Tem o en­ge­nho, o usi­nei­ro, a clas­se mé­dia. Tudo ca­be nes­sa rua. Tem as in­va­sões, que são im­por­tan­tís­si­mas.”

A mon­ta­gem de­mo­rou um ano e qua­tro me­ses. “Pas­sei por to­das as fa­ses do pro­ces­so. Du­ran­te oi­to me­ses, achei que não da­ria cer­to E en­tão, em ju­nho de 2011, o fil­me deu um cli­que. Foi co­mo se, num que­bra-ca­be­ças, ti­ves­se en­con­tra­do a pe­ça cer­ta.” “O som ao re­dor” foi apon­ta­do pe­lo crí­ti­co A. O. Scott, do The New York Ti­mes, co­mo um dos 10 me­lho­res fil­mes do mun­do re­a­li­za­dos em 2012 (o fil­me só es­tre­ou co­mer­ci­al­men­te em 2013, no Bra­sil). Ca­e­ta­no Ve­lo­so, em sua co­lu­na no jor­nal O Glo­bo, clas­si­fi­cou-o co­mo “um dos me­lho­res fil­mes fei­tos re­cen­te­men­te no mun­do”. O crí­ti­co Lu­cas Sal­ga­do, do web­si­te Ado­roCi­ne­ma, deu ao fil­me no­ta cin­co, no­ta má­xi­ma en­tre os crí­ti­cos do si­te, e dis­se: “O fil­me fa­la de for­ma su­til e uti­li­za o som de for­ma pou­co vis­ta no ci­ne­ma mun­di­al”.

Lu­cas es­cre­veu que o fil­me é “bo­ni­to, di­ver­ti­do, as­sus­ta­dor e ca­ti­van­te”, e tam­bém dis­se que “não é um fil­me que pre­ci­sa gri­tar pa­ra ser ou­vi­do, não pre­ci­sa de gran­des ce­nas dra­má­ti­cas pa­ra che­gar ao seu ob­je­ti­vo ou mes­mo pa­ra con­tar uma his­tó­ria”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.