Pen­sa­ti­vo e mo­der­no, mas as­sép­ti­co

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

A es­treia no ci­ne­ma de fic­ção do ex-crí­ti­co de ci­ne­ma Kle­ber Mendonça Fi­lho é, sob mui­tos as­pec­tos, um even­to ci­ne­ma­to­grá­fi­co. Acla­ma­do pe­la crí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal e elo­gi­a­do em to­dos os fes­ti­vais de ci­ne­ma pe­lo qual pas­sou, “O som ao re­dor” é um triun­fo de do­mí­nio es­té­ti­co e vi­gor téc­ni­co. No en­tan­to, a gló­ria ame­a­lha­da pe­lo lon­ga per­nam­bu­ca­no não vai mui­to além dis­so. O que não im­pli­ca em ates­tar que o fil­me não me­re­ce a fa­ma que os­ten­ta. “O som ao re­dor” é sim um fil­me mui­to bom, pen­sa­ti­vo, mo­der­no nos ar­ran­jos e na es­tru­tu­ra, mas é, tam­bém, um pro­du­to de­ma­si­a­da­men­te as­sép­ti­co em vir­tu­de das op­ções de seu ci­ne­as­ta. Pos­to de ma­nei­ra sim­ples é um fil­me de qu­em en­ten­de de ci­ne­ma em sua me­ca­ni­ci­da­de e não ne­ces­sa­ri­a­men­te em sua emo­ci­o­na­li­da­de. “O som ao re­dor” re­jei­ta a for­ma­ta­ção con­sa­gra­da pe­los fil­mes co­rais de Ro­bert Alt­man. Não que os per­so­na­gens aqui ex­ce­dam os arqué­ti­pos dos fil­mes que apre­sen­tam múl­ti­plos per­so­na­gens, mas a ma­qui­na­ção nar­ra­ti­va da obra de Mendonça Fi­lho é dis­tin­ta; mais oxi­ge­na­da. Es­ta­mos no ter­ri­tó­rio da clas­se mé­dia re­ci­fen­se que ser­ve de es­pe­lho pa­ra a clas­se mé­dia bra­si­lei­ra ou mes­mo de qual­quer ou­tro na­ci­o­na­li­da­de. Em se tra­tan­do de ci­ne­ma bra­si­lei­ro de ar­te, es­se apar­te por si só já é dig­no de no­ta. O ci­ne­as­ta acom­pa­nha um con­jun­to de per­so­na­gens que mo­ram em uma mes­ma rua, a rua em que ele mes­mo foi mo­ra­dor por mui­to tem­po, e dá à ro­ti­na da vi­zi­nhan­ça o pro­ta­go­nis­mo de seu fil­me. É uma pro­po­si­ção inu­si­ta­da que Mendonça Fi­lho vai pre­en­chen­do de dra­ma­ti­ci­da­de sim­ples­men­te va­len­do-se da ob­ser­va­ção. A sin­ge­le­za do re­gis­tro con­tras­ta com os ân­gu­los in­ven­ti­vos cap­tu­ra­dos pe­la câ­me­ra do di­re­tor e, tam­bém, pe­la op­ção de cor­tes abrup­tos no ra­ci­o­cí­nio da ce­na. Um re­cur­so em­pres­ta­do do ci­ne­ma de Buñu­el que po­de ser ob­ser­va­do tan­to na ines­pe­ra­da ce­na de vi­o­lên­cia en­tre du­as vi­zi­nhas quan­do da en­tre­ga de um apa­re­lho te­le­vi­sor ou quan­do o ci­ne­as­ta ob­ser­va du­as cri­an­ças imi­tan­do a du­bla­gem de fil­mes em meio ao clí­max da fi­ta. São op­ções co­ra­jo­sas que re­for­çam o es­me­ro es­té­ti­co do di­re­tor que, na pon­ta do ex­pres­si­vo ci­ne­ma per­nam­bu­ca­no, in­vo­ca um ci­ne­ma mo­der­ni­zan­te e re­fle­xi­vo tan­to de sua téc­ni­ca co­mo de seu con­tex­to so­ci­al. Ou­tro pon­to for­te des­sa pro­pos­ta é a aten­ção aos sons. A tri­lha so­no­ra na­tu­ral é um riquís­si­mo ele­men­to nar­ra­ti­vo uti­li­za­do com mui­ta pers­pi­cá­cia na cons­tru­ção das ce­nas. No en­tan­to, a des­pei­to de to­da es­sa téc­ni­ca apu­ra­da, “O som ao re­dor” fa­lha em se co­mu­ni­car am­pla­men­te com o pú­bli­co. Em úl­ti­ma ins­tân­cia, Mendonça Fi­lho re­a­li­zou um fil­me pa­ra crí­ti­co ver. Daí a ra­zão do fil­me ter ro­da­do am­plo cir­cui­to de fes­ti­vais an­tes de sua li­mi­ta­dís­si­ma es­treia no País. Sem gran­des es­for­ços pa­ra ca­ti­var o pú­bli­co, “O som ao re­dor” é co­mo aque­la es­co­la de sam­ba que faz um des­fi­le téc­ni­co pe­la ave­ni­da pa­ra ga­ba­ri­tar a no­ta com os ju­ra­dos, mas não em­pol­ga uma alma nas ar­qui­ban­ca­das. Mendonça Fi­lho não dei­xa de ser um or­gu­lho pa­ra os crí­ti­cos de ci­ne­ma, de cer­ta for­ma vin­ga­dos por sua des­tre­za téc­ni­ca e in­ven­ti­va lin­gua­gem ci­ne­ma­to­grá­fi­ca, mas é, tam­bém, um tes­te­mu­nho de que fa­zer ci­ne­ma é ir além da re­tó­ri­ca for­mal de qual­quer ci­ne­as­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.