Ge­re na

Em “A Ne­go­ci­a­ção”, Ri­chard Ge­re é um es­pe­cu­la­dor frio em ple­na épo­ca da bo­lha imo­bi­liá­ria e cu­ja vi­da mu­da após um aci­den­te de car­ro; mas fil­me de Ni­cho­las Ja­rec­ki fi­ca no qua­se

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Luiz Za­nin Oric­chio

Nes­te “A Ne­go­ci­a­ção” o ago­ra ma­du­ro Ri­chard Ge­re é um mi­li­o­ná­rio in­ves­ti­dor, Ro­bert Mil­ler. Pre­ci­sa ven­der sua fir­ma por uma quan­tia al­tís­si­ma, pois to­mou em­prés­ti­mo al­to pa­ra um in­ves­ti­men­to que depois se re­ve­lou fu­ra­do - uma mi­na de co­bre na Rús­sia. O tem­po é o da bo­lha imo­bi­liá­ria, a crise que pro­duz efei­tos na eco­no­mia glo­bal até ho­je.

Mil­ler é mui­to bem ca­sa­do com El­len (Su­san Sa­ran­don) e sua fi­lha, Bro­o­ke (Brit Mar­ling) o aju­da a to­car o ne­gó­cio. Ses­sen­tão, Mil­ler man­tém um ca­so ex­tra­con­ju­gal com uma des­lum­bran­te pin­to­ra fran­ce­sa (La­e­ti­tia Cas­ta), pos­ses­si­va e apai­xo­na­da. Ou se­ja, ca­mi­nha na cor­da bam­ba. Mas nun­ca se po­de di­zer o quan­to as coi­sas es­tão mal a não ser quan­do elas de fa­to co­me­çam a fi­car pi­o­res. Um aci­den­te de car­ro vai re­vo­lu­ci­o­nar a vi­da do mi­li­o­ná­rio de uma ma­nei­ra co­mo ele ja­mais po­de­ria pen­sar. E, gran­de ne­go­ci­a­dor, o fa­rá en­fren­tar uma ne­go­ci­a­ção pa­ra o qual tal­vez não es­ti­ves­se pre­pa­ra­do.

Fil­me bem tran­sa­do, “A Ne- go­ci­a­ção”, po­de­ria se di­zer, fi­ca no “qua­se”. Por mo­men­tos, pen­sa­mos que vai de­sen­vol­ver sua his­tó­ria a pon­to de se tor­nar um gran­de fil­me. Co­mo não che­ga à gran­de­za, tor­ce­mos pa­ra que se­ja ao me­nos um óti­mo fil­me. Mas nem a es­se ní­vel con­se­gue che­gar. Al­gu­ma es­pé­cie de ti­mi­dez in­trín­se­ca pa­re­ce pa­ra­li­sar o di­re­tor Ni­cho­las Ja­rec­ki jus­ta­men­te quan­do se en­con­tra pres­tes a fa­zer al­gu­ma coi­sa di­fe­ren­te com o te­ma. Por exem­plo, en­trar nas en­tra­nhas do mer­ca­do es­pe­cu­la­ti­vo e ver que ti­po de gen­te se de­di­ca a es­sa ati­vi­da­de com tan­ta con­vic­ção.

Ge­re es­tá mui­to bem no pa­pel, di­ga-se. E vai até on­de o fil­me lhe per­mi­te ir. Não é re­tra­ta­do co­mo um ca­na­lha aca­ba­do, mas co­mo ho­mem que sa­be o que sua pro­fis­são im­põe. “A vi­da fun­ci­o­na as­sim”, diz ele, à gui­sa de des­cul­pa, pa­ra a es­po­sa traí­da. Aliás, o elen­co é o pon­to for­te da pro­du­ção. Su­san Sa­ran­don com­por­ta-se com a ele­gân­cia de sem­pre, mes­mo que seu pa­pel pas­si­vo não dê chan­ces a gran­des vo­os, a não ser num so­lo fi­nal bas­tan­te in­te­res­san­te. Tim Roth faz um po­li­ci­al obs­ti­na­do, Mi­cha­el Bryer, que quer pe­gar Mil­ler de to­do jei­to. Mes­mo usan­do de ex­pe­di­en­tes pou­co or­to­do­xos. En­fim, nin­guém é mui­to san­to nes­sa his­tó­ria, a não ser Bro­o­ke, co­lo­ca­da de ma­nei­ra um tan­to im­pro­vá­vel co­mo al­guém que se me­te nes­se ti­po de ati­vi­da­de e não de­se­ja su­jar as mãos. Mais que a aman­te, a fi­lha se­rá o po­mo da dis­cór­dia na fa­mí­lia.

A his­tó­ria to­da é bem ar­ma­da, mas uma ana­to­mia com­ple­ta des­se “fun­ci­o­na­men­to da vi­da”, uma fi­si­o­lo­gia do ca­pi­tal es­pe­cu­la­ti­vo e uma ta­xi­no­mia dos ti­pos de ser hu­ma­no en­vol­vi­do nes­se ra­mo tal­vez fos­sem cor­ro­si­vos de­mais pa­ra os li­mi­tes que um fil­me co­mer­ci­al se im­põe. Nes­se sen­ti­do, aca­ba sen­do um tan­to de­cep­ci­o­nan­te, em­bo­ra fun­ci­o­ne co­mo boa di­ver­são. Tem rit­mo e o elen­co não dei­xa a pe­te­ca cair. Tudo mui­to pro­fis­si­o­nal. Mas on­de es­tá a alma?

(

Divulgação

Ri­chard Ge­re em “A Ne­go­ci­a­ção”: com ca­so ex­tra­con­ju­gal, per­so­na­gem ca­mi­nha na cor­da bam­ba até as coi­sas fi­ca­rem ruins de fa­to

Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.