Vi­da e mor­te na re­de

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

no País de Ga­les. Mui­tas pes­so­as que ten­ta­ram ana­li­sar es­ses ca­sos le­va­ram as con­si­de­ra­ções de ma­nei­ra su­per­fi­ci­al. Pa­re­ce cla­ro que, em um mo­men­to de pe­ri­go, em que a pró­pria vi­da es­tá sob ris­co, a úl­ti­ma coi­sa que al­guém de­ve­ria pen­sar é em pos­tar al­go na re­de pa­ra ten­tar es­ca­par. Mas é jus­ta­men­te es­sa ati­tu­de, que par­te prin­ci­pal­men­te dos mais jo­vens, que me­re­ce ser es­tu­da­da. Qu­em faz par­te da mi­nha ge­ra­ção, ou tem mais de 40 anos, acos­tu­mou-se a pro­cu­rar as ins­tân­ci­as re­ais da vi­da em so­ci­e­da­de pa­ra re­sol­ver seus pro­ble­mas, as fa­mo­sas “ins­ti­tui­ções”, se­jam elas do apa­ra­to go­ver­na­men­tal ou não. Mas a ló­gi­ca dos jo­vens nas­ci­dos e go­ver­na­dos pe­la re­de é di­fe­ren­te e é com­pli­ca­do (qua­se im­pos­sí­vel) ten­tar en­ten­der es­sa no­va or­dem. Tudo acon­te­ce na internet: co­me­ço e fim do na­mo­ro, in­te­ra­ção com os ami­gos e bus­ca por in­for­ma­ções, quais­quer que se­jam. Nun­ca o vir­tu­al foi tão re­al na per­cep­ção des­sas pes­so­as. As­sim sen­do, cla­mar por so­cor­ro na re­de, se­ja por­que foi en­ga­na­do em uma com­pra, ou até mes­mo em ca­sos mais gra­ves co­mo os já ci­ta­dos, fi­cou usu­al. Quan­do o cla­mor não tem res­pos­ta, a du­re­za da re­a­li­da­de se im­põe so­bre a per­cep­ção equi­vo­ca­da do que é vi­ver nes­tes es­tra­nhos tem­pos. En­deu­sar as re­des, co­mo é pra­xe na mí­dia, le­va a uma dis­tor­ção so­bre o re­al pa­pel de ca­da um dos me­ca­nis­mos que es­tão à nos­sa dis­po­si­ção, pa­ra uso co­ti­di­a­no ou, prin­ci­pal­men­te, nas emer­gên­ci­as. Po­de­mos até nos per­gun­tar se as du­as mo­ças não sa­bi­am que se­ria mais efe­ti­vo li­gar pa­ra al­guém (po­lí­cia, pais, ami­gos, co­nhe­ci­do) do que es­pe­rar que um cris­tão qual­quer es­ti­ves­se li­ga­do na­que­le exa­to mo­men­to na re­de so­ci­al, e re­sol­ves­se aten­der ao ape­lo. Ca­be res­sal­tar que as pos­ta­gens fo­ram fei­tas de te­le­fo­nes ce­lu­la­res e não há co­bran­ça pa­ra cha­ma­das en­de­re­ça­das à po­lí­cia ou aos bom­bei­ros. Que ló­gi­ca é es­sa que sub­ver­te a ra­zão até mes­mo quan­do o que es­tá em jo­go é nos­sa pró­pria vi­da? Que ne­ces­si­da­de é es­sa, tão im­pe­ri­o­sa, que nos le­va a eli­mi­nar­mos a re­a­li­da­de em bus­ca de al­go que, além de vir­tu­al, mui­tas ve­zes é fal­se­a­do? Es­ses ca­sos não são iso­la­dos, e a ten­dên­cia é que ob­ser­ve­mos um au­men­to na in­ci­dên­cia des­se ti­po de ati­tu­de, que além de ir­ra­ci­o­nal, é inú­til. Tal­vez o xis da ques­tão se­ja a im­por­tân­cia exa­cer­ba­da que a vi­da na re­de vir­tu­al vem ob­ten­do. Mui­ta coi­sa acon­te­ce na internet, mas vi­da e mor­te con­ti­nu­am sen­do fenô­me­nos afei­tos tão so­men­te a um mun­do pal­pá­vel, nem sem­pre chei­ro­so e agra­dá­vel, que via de re­gra não po­de ser ex­pe­ri­en­ci­a­do no in­te­ri­or de um quar­to fren­te a um mo­ni­tor. Mui­to me­nos quan­do o fo­go to­ma con­ta do cô­mo­do ou um ta­ra­do es­prei­ta nas vi­zi­nhan­ças.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.