In­ve­ja pa­ra quê? Vo­cê é úni­co

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Um es­tu­do re­cen­te, re­a­li­za­do em con­jun­to por du­as uni­ver­si­da­des ale­mãs - Darms­tadt e Hum­boldt-Ber­li­no -, iden­ti­fi­cou um sen­ti­men­to de in­ve­ja de­sen­fre­a­do no Fa­ce­bo­ok, a mai­or re­de so­ci­al do mun­do, que já tem mais de um bi­lhão de usuá­ri­os e fun­ci­o­na co­mo uma pla­ta­for­ma iné­di­ta pa­ra com­pa­ra­ções so­ci­ais.

Os pes­qui­sa­do­res des­co­bri­ram que um em ca­da três in­ter­nau­tas se sen­tiu pi­or ou mais in­sa­tis­fei­to e in­fe­liz com a pró­pria vi­da depois de vi­si­tar o si­te de re­la­ci­o­na­men­to, sen­do as pes­so­as que na­ve­ga­ram sem con­tri­buir as mais afe­ta­das. Os re­sul­ta­dos mos­tra­ram tam­bém que fo­to­gra­fi­as de fé­ri­as fo­ram a mai­or cau­sa de res­sen­ti­men­to, com mais da me­ta­de dos in­ci­den­tes de “dor de co­to­ve­lo” pro­vo­ca­da por ima­gens de vi­a­gens. A in­te­ra­ção so­ci­al, por sua vez, foi o se­gun­do mo­ti­vo mais co­mum.

Por mais sim­ples que pos­sam pa­re­cer, es­sas des­co­ber­tas me­re­cem uma sé­ria re­fle­xão. A in­ve­ja é con­sequên­cia da frus­tra­ção e po­de se ma­ni­fes­tar quan­do al­me­ja­mos o que o ou­tro tem ou de­se­ja­mos que ele per­ca o que con­quis­tou, sen­do sua raiz o de­se­qui­lí­brio da au­to­con­fi­an­ça. Co­mo já di­zia Siddhar­ta Gau­ta­ma (Bu­da), aque­le que in­ve­ja os ou­tros não tem paz, pois o sen­ti­men­to, em si, com­por­ta ques­tões ne­ga­ti­vas, e mes­mo sen­ti-la não é pra­ze­ro­so, mas do­lo­ri­do. Na ten­ta­ti­va de re­cu­pe­rar um pou­co de au­to­es­ti­ma, a pes­soa in­ve­jo­sa des­va­lo­ri­za e cri­ti­ca a qu­em per­ce­be co­mo me­lhor que ela, di­mi­nuin­do o va­lor dos ou­tros.

Os pri­mei­ros pas­sos pa­ra su­pe­rar es­se pe­ca­do ca­pi­tal são pa­rar de se com­pa­rar con­ti­nu­a­men­te e re­co­nhe­cer as pró­pri­as ca­rac­te­rís­ti­cas úni­cas e es­pe­cí­fi­cas, não clas­si­fi­cá­veis com ba­se na exis­tên­cia dos ou­tros. O au­to­co­nhe­ci­men­to é fun­da­men­tal pa­ra for­ta­le­cer a con­fi­an­ça em si mes­mo e o amor pró­prio, re­pe­len­tes na­tu­rais pa­ra sen­ti­men­tos va­zi­os co­mo a in­ve­ja.

Por con­ta dis­so, a fal­ta des­sas qua­li­da­des pa­ra­li­sa a ini­ci­a­ti­va, a ação e nos faz sen­tir im­po­ten­tes di­an­te da vi­da, in­ca­pa­zes de en­fren­tar as li­mi­ta­ções e de evo­luir. Mas quan­do a von­ta­de de mu­dar es­tá pre­sen­te e o de­se­jo de trans­for­mar os me­dos e as in­se­gu­ran­ças su­pe­ra a con­di­ção de es­tag­na­ção, al­go co­me­ça a se mo­di­fi­car pro­fun­da­men­te den­tro de nós, e co­me­ça­mos a jor­na­da pa­ra fa­zer di­fe­ren­te.

Mes­mo sem fór­mu­las pron­tas, acre­di­to que al­gu­mas ati­tu­des me­re­cem aten­ção e po­dem ser tra­ba­lha­das pa­ra au­men­tar a se­gu­ran­ça em si mes­mo:

- For­ta­le­ça as su­as ha­bi­li­da­des. Não pre­ci­sa­mos ser igual aos ou­tros pa­ra ser­mos re­al­men­te fe­li­zes e sa­tis­fei­tos. Na ver­da­de, pre­ci­sa­mos ir ao en­con­tro de nós mes­mos, da nos­sa ori­gi­na­li­da­de e au­ten­ti­ci­da­de;

- Cui­de da sua ati­tu­de men­tal: fo­que seus pen­sa­men­tos em di­re­ção ao po­si­ti­vo e nas so­lu­ções, não nas di­fi­cul­da­des e pro­ble­mas;

- Lem­bre-se do poder e da for­ça de ter ob­je­ti­vos de­fi­ni­dos e cla­ros;

- Crie ações pa­ra re­a­li­zar seus ob­je­ti­vos, or­ga­ni­ze re­cur­sos e tem­po, pois a ca­da re­sul­ta­do al­can­ça­do, vi­ve­mos uma ex­pe­ri­ên­cia de su­ces­so, con­so­li­dan­do, as­sim, a au­to­con­fi­an­ça e for­ta­le­cen­do a per­so­na­li­da­de.

Nes­sa re­fle­xão, fi­ca cla­ro que o sen­ti­men­to da in­ve­ja nas­ce pri­mei­ra­men­te den­tro da alma hu­ma­na e, não, do po­pu­lar so­ci­al network. Por es­se mo­ti­vo, o ca­mi­nho do au­to­co­nhe­ci­men­to é a cha­ve pa­ra nos tor­nar­mos men­tal e emo­ci­o­nal­men­te mais for­tes e cons­ci­en­tes de que so­mos se­res cri­a­ti­vos e re­a­li­za­do­res, ca­pa­zes de mol­dar­mos a re­a­li­da­de por meio de nos­sas es­co­lhas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.