Si­a­te aten­de mais de 50 ví­ti­mas em­bri­a­ga­das por mês

TRÂN­SI­TO Le­van­ta­men­to mos­tra que 11% das pes­so­as en­vol­vi­das em aci­den­tes ocor­ri­dos em Ma­rin­gá apre­sen­tam si­nais de em­bri­a­guez. Re­la­tó­rio po­de ser­vir de pro­va que o mo­to­ris­ta be­beu O que fal­ta é fis­ca­li­za­ção’

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Leonardo Fi­lho Renato Oli­vei­ra

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com Pes­so­as com si­nais de em­bri­a­guez cor­res­pon­dem a pe­lo me­nos 11% dos fe­ri­dos em aci­den­tes de trân­si­to aten­di­dos pe­lo Cor­po de Bom­bei­ros em Ma­rin­gá.

A cons­ta­ta­ção foi ti­ra­da de um le­van­ta­men­to de da­dos de no­vem­bro de 2012 e ja­nei­ro des­te, com ba­se no Re­la­tó­rio de Aten­di­men­to do So­cor­ris­ta (RAS). O re­gis­tro do ter­mo “há­li­to etí­li­co” em ocor­rên­ci­as é fei­to por so­cor­ris­tas du­ran­te aten­di­men­to.

No mês pas­sa­do, pe­río­do pes­qui­sa­do que ob­te­ve o ín­di­ce mais al­to, o Si­a­te aten­deu a apro­xi­ma­da­men­te 430 ví­ti­mas de aci­den­tes de trân­si­to. Des­se to­tal, 12,5% das ví­ti­mas apre­sen­ta­vam al­gum ti­po de sin­to­ma de in­ges­tão de be­bi­da al­coó­li­ca.

“É co­mum o pró­prio mo­to­ris­ta ser pe­go com es­ses si­nais de em­bri­a­guez. Is­so é cons­ta­ta­do no re­la­tó­rio de aten­di­men­to do bom­bei­ro du­ran­te o le­van­ta­men­to do es­ta­do clí­ni­co da ví­ti­ma. Já pre­sen­ci­a­mos ca­sos em que a se­gu­ra­do­ra dei­xa de res­sar­cir mo­to­ris­tas por con­ta des­se re­la­tó­rio”, afir­mou o ofi­ci­al de Comunicação do 5º Gru­pa­men­to dos Bom­bei­ros de Ma­rin­gá, te­nen­te Nivaldo do Re­go.

Com a al­te­ra­ção à Lei Se­ca, es­se ti­po de re­la­to dos bom­bei­ros po­de com­pli­car ain­da mais a vi­da da­que­les que in­sis­tem em be­ber e di­ri­gir. É que de acor­do com o no­vo tex­to da lei, o re­la­to de tes­te­mu­nhas, in­clu­si­ve po­li­ci­ais e bom­bei­ros, po­de ser usa­do co­mo pro­va que o mo­to­ris­ta be­beu an­tes de di­ri­gir. “Além das mul­tas ad­mi­nis­tra­ti­vas há o pro­ble­ma do se­gu­ro e o in­di­ci­a­men­to no cri­me de trân­si­to”, com­ple­tou o te­nen­te do Cor­po de Bom­bei­ros.

Ain­da de acor­do com o ofi­ci­al, ape­sar da mu­dan­ça na lei não há uma or­dem ex­pres­sa do co­man­do do Cor­po de Bom­bei­ros pa­ra que es­sa cons­ta­ta­ção acon­te­ça, mas co­mo cons­ta na fi­cha de aten­di­men­to é de pra­xe o mi­li­tar fa­zer o apon­ta­men­to du­ran­te o so­cor­ro à ví­ti­ma. “Quan­do es­tou de plan­tão sem­pre re­co­men­do aos atendentes do Si­a­te pa­ra que fi­quem aten­tos e ob­ser­vem es­se

de­ta­lhe”, com­ple­tou.

Po­lê­mi­ca

Na ava­li­a­ção do delegado de Trân­si­to de Ma­rin­gá e pro­fes­sor de Di­rei­to, Pau­lo Cé­sar da Sil­va, as mu­dan­ças mais re­cen­tes na Lei Se­ca fo­ram im­por­tan­tes, mas ain­da pre­ci­sam ser mais cla­ras em al­guns pon­tos.

“Exis­tem ter­mos na lei que per­mi­tem in­ter­pre­ta­ções di­fe- rentes. Hou­ve avan­ço do pri­mei­ro tex­to, de 1997, quan­do sur­giu al­gu­ma pu­ni­ção pa­ra qu­em di­ri­ge al­co­o­li­za­do. A lei fi­cou mais ri­go­ro­sa, mas ain­da po­de e de­ve­ria ser mais rí­gi­da”, co­men­tou.

Se­gun­do o delegado, es­se ti­po de cons­ta­ta­ção fei­ta por pro­vas tes­te­mu­nhais é um dos pon­tos que po­de cau­sar po­lê­mi­ca. “O Di­rei­to bra­si­lei­ro per­mi­te a apre­sen­ta­ção da pro­va tes­te­mu­nhal. Ela é vá­li­da, mas é pas­sí­vel de mui­ta dis­cus­são”, com­ple­tou o delegado.

So­men­te du­ran­te o mês de ja­nei­ro, 16 mo­to­ris­tas fo­ram pre­sos e au­tu­a­dos em fla­gran­te pe­lo cri­me de em­bri­a­guez ao vo­lan­te em Ma­rin­gá.

re­na­to­o­li­vei­ra@odi­a­rio.com Ta­xis­tas que tra­ba­lham em pon­tos nas pro­xi­mi­da­des de bo­a­tes e ba­res de Ma­rin­gá di­zem que é co­mum ver mo­to­ris­tas di­ri­gin­do em­bri­a­ga­dos. A fal­ta de fis­ca­li­za­ção em re­giões de ba­la­das na ci­da­de é apon­ta­da co­mo um fa­ci­li­ta­dor da as­so­ci­a­ção ál­co­ol e di­re­ção.

Se­gun­do o ta­xis­ta Wagner Ro­cha, que tra­ba­lha há 5 anos no ra­mo, é ra­ro en­con­trar al­gu­ma blitz nas ime­di­a­ções de ca­sas no­tur­nas, mes­mo nos fins de se­ma­na. “Já can­sei de ver gen­te bê­ba­da ao vo­lan­te com car­ros im­por­ta­dos ou ca­mi­nho­ne­tes. Mo­to­ris­tas sa­em ace­le­ran­do e fu­ran­do se­má­fo­ros co­mo se não ti­ves­se ne­nhu­ma lei”, con­ta.

De acor­do com Ro­cha, a frequên­cia de aci­den­tes nas ma­dru­ga­das de sex­ta-fei­ra, sá­ba­do e do­min­go as­sus­ta qu­em di­ri­ge com frequên­cia. “Tem dia que tem mais de cin­co ba­ti­das. A mai­o­ria do pes­so­al es­tá bê­ba­da ou al­gu­ma quan­ti­da­de de ál­co­ol in­ge­riu.”

Mes­mo com o mai­or ri­gor da Lei Se­ca, se­gun­do o ta­xis­ta, não foi pos­sí­vel cons­ta­tar ain­da au­men­to na de­man­da de cor­ri­das em ba­res e bo­a­tes. “Pe­lo que eu ve­jo nin­guém es­tá an­dan­do mais de tá­xi pa­ra evi­tar de di­ri­gir em­bri­a­ga­do. Ain­da é a mes­ma cli­en­te­la. O per­fil é es­tu­dan­te uni­ver­si­tá­rio que não tem car­ro.”

O ta­xis­ta Ro­dol­fo Lom­ba tra­ba­lha na noi­te há mais de 10 anos. Ele diz que é ra­ro en­con­trar al­gum ti­po de fis­ca­li­za­ção nos fins de se­ma­na. Por ou­tro la­do, de acor­do com ele, co­me­çam a sur­gir os pri­mei­ros cli­en­tes que dei­xam o car­ro em ca­sa e op­tam pe­lo tá­xi por me­do da Lei Se­ca.

“O pro­ble­ma mes­mo é que ain­da não te­ve uma ação for­te den­tro da ci­da­de. Pa­re­ce que os mo­to­ris­tas bê­ba­dos fla­gra­dos são só os se en­vol­ve­ram em aci­den­tes.”

Ar­qui­vo/dnp

No mês pas­sa­do, 12,5% das ví­ti­mas de aci­den­tes de trân­si­to aten­di­das pe­lo Si­a­te nas ru­as de Ma­rin­gá ti­nham si­nais de em­bri­a­guez

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.