Ma­rin­gá li­de­ra pe­di­dos de se­gu­ro-de­sem­pre­go

To­tal de re­qui­si­ções fei­tas na ci­da­de em 2012 che­ga a 18.658; mu­dan­ças nas re­gras pa­ra con­ces­são fi­ze­ram com que vo­lu­me re­cu­as­se em re­la­ção a 2011

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Mu­ri­lo Gat­ti

mgat­ti@odi­a­rio.com Ma­rin­gá foi a ci­da­de do in­te­ri­or do Pa­ra­ná que re­gis­trou o mai­or nú­me­ro de li­be­ra­ções de se­gu­ro-de­sem­pre­go em 2012. De ja­nei­ro a de­zem­bro, 18.658 tra­ba­lha­do­res so­li­ci­ta­ram o be­ne­fí­cio ao Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho e Emprego.

Na com­pa­ra­ção com 2011, quan­do o to­tal de re­qui­si­ções do se­gu­ro pe­los ma­rin­ga­en­ses che­gou a 20.549, a quan­ti­da­de de pe­di­dos so­freu que­da de 9,3%. Em Cas­ca­vel, Pon­ta Gros­sa e Foz do Igua­çu, a re­du­ção nos pe­di­dos do be­ne­fí­cio tam­bém fo­ram mais acen­tu­a­das do que em Ma­rin­gá.

Par­te da re­du­ção da de­man­da é re­sul­ta­do das mu­dan­ças nas re­gras da con­ces­são do be­ne­fí­cio, que co­me­ça­ram a vi­go­rar em me­a­dos do ano pas­sa­do. Des­de en­tão, quan­do o tra­ba­lha­dor re­quer o se­gu­ro na Agên­cia do Tra­ba­lha­dor, o pró­prio sis­te­ma do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho in­di­ca au­to­ma­ti­ca­men­te se exis­te al­gu­ma va­ga com per­fil e ren­di­men­to se­me­lhan­te à úl­ti­ma ocu­pa­ção.

“Quan­do o sis­te­ma in­di­ca a exis­tên­cia de uma va­ga, a gen­te en­ca­mi­nha o tra­ba­lha­dor pa­ra a en­tre­vis­ta na em­pre­sa. Ca­so ele não acei­te a pro­pos­ta, as in­for­ma­ções são en­ca­mi­nha­das ao mi­nis­té­rio, que faz a aná­li­se so­bre a con­ces­são do be­ne­fí­cio”, ex­pli­ca o di­re­tor da Agên­cia do Tra­ba­lha­dor de Ma­rin­gá, Mau­rí- lio Man­go­lin.

Se­gun­do o di­re­tor, quan­do não há pro­pos­ta equi­va­len­te no mo­men­to da re­qui­si­ção do be­ne­fí­cio, o tra­ba­lha­dor é co­mu­ni­ca­do quan­do apa­re­ce uma opor­tu­ni­da­de. Em Ma­rin­gá, as no­vas re- gras do mi­nis­té­rio, que vai ma­tri­cu­lar au­to­ma­ti­ca­men­te em um cur­so pro­fis­si­o­na­li­zan­te o tra­ba­lha­dor que fi­zer o ter­cei­ro pe­di­do de se­gu­ro-de­sem­pre­go em me­nos de 10 anos, ain­da não co­me­ça­ram a ser apli­ca­das. “Es­ta­mos aguar­dan­do a im­plan­ta­ção pe­lo Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho”, re­la­ta Man­go­lin.

Na ava­li­a­ção do su­pe­rin­ten­den­te do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho e Emprego no Pa­ra­ná, Enei­vo Be­ral­din, a ofer­ta de cur­sos pro­fis­si­o­na­li­zan­tes vai ga­ran­tir mais qua­li­da­de de vi­da e me­lho­res opor­tu­ni­da­des aos tra­ba­lha­do­res. “Mes­mo sem a opor­tu­ni­da­de de ter um di­plo­ma uni­ver­si­tá­rio, o tra­ba­lha­dor com o en­si­no bá­si­co e um cur­so téc­ni­co pas­sa a ter mais chan­ces e uma ren­da me­lhor, o que ga­ran­te ao ci­da­dão uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da.”

Ape­sar da que­da no nú­me­ro de re­qui­si­ções do be­ne­fí­cio, Be­ral­din ava­lia que a quan­ti­da­de de so­li­ci­ta­ções no Es­ta­do ain­da é al­ta, e mui­tos tra­ba­lha­do­res bus­cam o be­ne­fí­cio em vez de ir atrás de no­vas opor­tu­ni­da­des de emprego. “É pre­ci­so que o tra­ba­lha­dor en­ten­da que es­te é um be­ne­fí­cio pa­ra mo­men­tos de ne­ces­si­da­de, mas per­ce­be­mos que a de­man­da au­men­ta, prin­ci­pal­men­te no pe­río­do que an­te­ce­de as fé­ri­as. Mui­tos tra­ba­lha­do­res tam­bém se es­que­cem que es­tes pe­río­dos não vão con­tar na ho­ra do cál­cu­lo da apo­sen­ta­do­ria”, ava­lia.

Pe­la re­cu­sa, por par­te do tra­ba­lha­dor de­sem­pre­ga­do, de ou­tro emprego con­di­zen­te com sua qua­li­fi­ca­ção e re­mu­ne­ra­ção an­te­ri­or; por sua com­pro­va­ção de fal­si­da­de na pres­ta­ção das in­for­ma­ções ne­ces­sá­ri­as à ha­bi­li­ta­ção; por com­pro­va­ção de frau­de vi­san­do à per­cep­ção in­de­vi­da do be­ne­fí­cio do se­gu­ro­de­sem­pre­go; por mor­te do se­gu­ra­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.