Me­te­o­ri­to dei­xa qua­se mil fe­ri­dos na Rús­sia

Em­bai­xa­da do Bra­sil na Rús­sia re­la­tou que não há bra­si­lei­ros en­tre os fe­ri­dos, mas que o cli­ma é de pâ­ni­co; ido­sas saí­ram gri­tan­do e di­zen­do que era o fim do mun­do

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Das Agên­ci­as

re­da­cao@odi­a­rio.com A que­da de um me­te­o­ri­to so­bre os Mon­tes Urais, na Rús­sia, na ma­nhã de on­tem, dei­xou qua­se mil pes­so­as fe­ri­das, pro­vo­cou pe­lo me­nos uma for­te ex­plo­são e cau­sou pâ­ni­co en­tre a po­pu­la­ção. A mai­o­ria dos fe­ri­dos foi atin­gi­da por es­ti­lha­ços de vi­dro que se que­brou em ra­zão da on­da ex­pan­si­va pro­vo­ca­da pe­la que­da do cor­po ce­les­te.

Às 9h20 (ho­rá­rio lo­cal, 1h20 em Brasília), um ob­je­to em al­ta ve­lo­ci­da­de foi ob­ser­va­do nos céus de Chelya­binsk, dei­xan­do um gran­de ras­tro atrás de si. No pra­zo de dois mi­nu­tos hou­ve dois es­tron­dos”, dis­se Yuri Bu­ren­ko, fun­ci­o­ná­rio do se­tor de emer­gên­cia, por meio de no­ta. “A on­da de cho­que que­brou vi­dros em Chelya­binsk em uma sé­rie de ci­da­des da re­gião”, dis­se ele.

Um me­te­o­ro de pe­so es­ti­ma­do em 10 to­ne­la­das in­gres­sou na at­mos­fe­ra ter­res­tre a uma ve­lo­ci­da­de hi­persô­ni­ca de 54 mil quilô­me­tros por ho­ra na ma­nhã de on­tem, se­gun­do a Aca­de­mia Rus­sa de Ci­ên­ci­as. O ob­je­to es­ti­lha­çou-se quan­do es­ta­va a en­tre 30 km e 50 km da su­per­fí­cie da Ter­ra. A ener­gia li­be­ra­da foi de “vá­ri­os qui­lo­tons”, se­gun­do a aca­de­mia.

Ví­ti­mas

De acor­do com o go­ver­no lo­cal, 985 pes­so­as pro­cu­ra­ram cui­da­dos mé­di­cos por cor­tes cau­sa­dos pe­los es­ti­lha­ços de vi­dro. Não há até o mo­men­to re­la­tos de pes­so­as atin­gi­das por frag­men­tos do me­te­o­ri­to. Das 985 pes­so­as fe­ri­das, 43 pre­ci­sa­ram ser hos­pi­ta­li­za­das, dis­se Ma­ri­na Mosk­vi­che­va, se­cre­tá­ria de saú­de de Chelya­binsk.

As ví­ti­mas vi­vi­am em Chelya- binsk e em lo­ca­li­da­des pró­xi­mas. A re­gião si­tua-se a cer­ca de 1.500 quilô­me­tros de Mos­cou. Os sis­te­mas de comunicação mó­vel fi­ca­ram tem­po­ra­ri­a­men­te fo­ra do ar. O Mi­nis­té­rio da De­fe­sa da Rús­sia in­for­mou que en­vi­ou sol­da­dos pa­ra “lo­cais de im­pac­to”, sem for­ne­cer mais de­ta­lhes.

Es­tra­gos

Mais de 3 mil imó­veis so­fre­ram al­gum ti­po de da­no. Es­co­las fo­ram fe­cha­das e apre­sen­ta­ções de te­a­tro can­ce­la­das na re­gião após a on­da de cho­que ter que­bra­do ja­ne­las. As tem­pe­ra­tu­ras lo­cais che­gam a -18ºC. “Hou­ve pâ­ni­co. As pes­so­as não ti­nham ideia do que es­ta­va acon­te­cen­do. To­dos co­me­ça­ram a ve­ri­fi­car as ca­sas ao re­dor pa­ra ver se es­ta­va tudo cer­to”, dis­se Sergey Ha­me­tov, mo­ra­dor de Chelya­binsk, a mai­or ci­da­de da re­gião a ser afe­ta­da, que fi­ca a cer­ca de 1.500 quilô­me­tros a les­te de Mos­cou. “Nós vi­mos uma gran­de ex­plo­são quan­do saí­mos pa­ra fo­ra e ou­vi­mos o som de um tro­vão mui­to for­te”, dis­se ele à As­so­ci­a­ted Press por te­le­fo­ne. Ou­tro mo­ra­dor de Chelya­binsk, Valya Ka­za­kov, dis­se que al­gu­mas ido­sas de seu bair­ro co­me­ça­ram a gri­tar que o mun­do es­ta­va aca­ban­do.

Aná­li­ses

Al­guns me­te­o­ri­tos - frag­men­tos de um me­te­o­ro - caí­ram num re­ser­va­tó­rio nas pro­xi­mi­da­des de Cher­ba­kul, in­for­mou o es­cri­tó­rio do go­ver­no fe­de­ral, se­gun­do a agên­cia de no­tí­ci­as Itar-Tass. Me­te­o­ros cos­tu­mam cau­sar gran­des es­tron­dos sô­ni­cos quan­do en­tram na at­mos­fe­ra, por­que vi­a­jam a uma ve­lo­ci­da­de mui­to mai­or do que a do som, mas fe­ri­men­tos com a es­ca­la dos re­la­ta­dos de on­tem são ex­tra­or­di­na­ri­a­men­te ra­ros.

O por­ta-voz do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, Va­dim Ko­les­ni­kov, dis­se que o te­to de uma fá­bri­ca de zin­co, que me­dia 600 me­tros qua­dra­dos, caiu, em­bo­ra não te­nha si­do es­cla­re­ci­do se o aci­den­te foi cau­sa­do pe­los me­te­o­ri­tos ou pe­la on­da que cho­que re­sul­tan­te da ex­plo­são. Um ví­deo ama­dor trans­mi­ti­do por uma emis­so­ra de te­le­vi­são rus­sa mos­tra um ob­je­to em al­ta ve­lo­ci­da­de cru­zan­do os céus por vol­ta das 9h20 (ho­rá­rio lo­cal, 1h20, em Brasília), dei­xan­do um ras­tro bran­co se­gui­do por uma luz in­ten­sa.

Do­nald Ye­o­mans, ge­ren­te do Pro­gra­ma de Mo­ni­to­ra­men­to de Ob­je­tos Pró­xi­mos à Ter­ra, da agên­cia es­pa­ci­al nor­te-ame­ri­ca­na (Na­sa), acre­di­ta que o que acon­te­ceu foi pro­va­vel­men­te um “even­to de ex­plo­são de bo­la de fo­go”.

“Se os da­nos em so­lo pu­de­rem ser ve­ri­fi­ca­dos, po­dem in­di­car que um ob­je­to cu­jo ta­ma­nho ori­gi­nal ti­nha a ex­ten­são de vá­ri­os me­tros an­tes de en­trar na at­mos­fe­ra ter­res­tre, frag­men­tan­do-se e ex­plo­din­do em ra­zão da di­fe­ren­ça de pres- são nas par­tes da fren­te e de trás”, afir­mou ele por e-mail à AP.

Ou­tro

Mei­os de comunicação rus­sos lem­bra­ram que o me­te­o­ro atin­giu a Ter­ra no mes­mo dia em que o as­te­roi­de 2012 DA14 vai pas­sar nas pro­xi­mi­da­des do pla­ne­ta, a uma dis­tân­cia de pou­co mais de 27 mil quilô­me­tros. Já a Agên­cia Es­pa­ci­al Eu­ro­peia pu­bli­cou, em sua con­ta no Twit­ter, que seus es­pe­ci­a­lis­tas afir­ma­ram que não há cor­re­la­ção en­tre os dois even­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.