Ar­te sem

“Ma­ri­na Abra­mo­vic – A Ar­tis­ta Es­tá Pre­sen­te”, do­cu­men­tá­rio pre­mi­a­do so­bre a per­for­má­ti­ca ar­tis­ta ser­va, é a atra­ção do Pro­je­to Um Ou­tro Olhar

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Pau­lo Cam­pag­no­lo

A tra­je­tó­ria da ar­tis­ta Ma­ri­na Abra­mo­vic, nas­ci­da em Bel­gra­do, an­ti­ga Iu­gos­lá­via (ho­je Sér­via) é, pa­ra di­zer o mí­ni­mo, das mais in­te­res­san­tes e ori­gi­nais da ar­te per­for­má­ti­ca con­tem­po­râ­nea. Seu apa­re­ci­men­to pa­ra o mun­do, no co­me­ço dos anos 70, coin­ci­de com uma sé­rie de no­vos pro­ce­di­men­tos que mu­da­ram os ru­mos de to­da a pro­du­ção ar­tís­ti­ca, se­ja nas ar­tes plás­ti­cas, no ci­ne­ma ou no te­a­tro. Em­ba­la­da por um es­pí­ri­to de li­ber­da­de to­tal e de rom­pi­men­to de bar­rei­ras, Ma­ri­na des­ta­cou-se por fa­zer de seu pró­prio cor­po um “ob­je­to” de ex­pe­ri­en­ci­a­ção dos li­mi­tes fí­si­cos (e men­tais) pos­sí­veis den­tro de uma ma­ni­fes­ta­ção ar­tís­ti­ca. Em 2010, já con­sa­gra­da no mun­do in­tei­ro (com prê­mi­os e mui­ta ou­sa­dia), o Moma de No­va York de­di­cou-lhe uma re­tros­pec­ti­va gi­gan­tes­ca de sua obra que, en­tre po­lê­mi­cas e de­fe­sas apai­xo­na­das, aca­bou por le­var mais de 800 mil pes­so­as ao Mu­seu – tal­vez o “pal­co” mais im­por­tan­te pa­ra um ar­tis­ta vi­vo -, du­ran­te os três me­ses de per­ma­nên­cia da ex­po­si­ção.

O pro­ces­so que en­vol­veu es­sa re­tros­pec­ti­va foi o mo­te pa­ra o di­re­tor Matthew Akers re­a­li­zar o do­cu­men­tá­rio “Ma­ri­na Abra­mo­vic – A Ar­tis­ta Es­tá Pre­sen­te”, car­taz do Pro­je­to Um Ou­tro Olhar des­te sá­ba­do, ex­cep­ci­o­nal­men­te às 14 ho­ras. Tra­ta-se de uma ver­da­dei­ra ex­pe­ri­ên­cia, emo­ci­o­nal às rai­as de lá­gri­mas, não pro­pri­a­men­te do ci­ne­ma (e ve­jam que o fil­me é óti­mo), mas do en­fo­que de al­guém que fez cul­mi­nar, atra­vés de sua obra, no­vas pers­pec­ti­vas pa­ra a ar­te.

Pre­mi­a­do co­mo Me­lhor Do­cu­men­tá­rio pe­lo pú­bli­co, em Ber­lim/2012, o fil­me mos­tra a co­ra­gem de uma ar­tis­ta que não tem me­do de se mos­trar por in­tei­ra – su­as fra­gi­li­da­des, dú­vi­das, pen­den­gas amo­ro­sas e fa­mi­li­a­res (os pais fo­ram mi­li­ta­res co­mu­nis­tas e a re­la­ção com a mãe, con­ta Ma­ri­na, não era mui­to afe­tu­o­sa) e uma pai­xão in­ten­sa pe­lo que faz. Uma es­pé­cie de ge­ne­a­lo­gia de al­guém que não faz ne­nhu­ma dis­tin­ção en­tre a vi­da e a ar­te. Co­mo no tem­po em que vi­veu, com o ma­ri­do, o per­for­mer Ulay, cin­co anos den­tro de uma van, per­cor­ren­do to­da a Eu­ro­pa. Nos anos 80, os dois per­cor­re­ram a Mu­ra­lha da Chi­na, ca­da um de um la­do, e quan­do se en­con­tra­ram, ter­mi­na­ram a re­la­ção de 12 anos. No pro­ces­so de re­e­di­ção de al­guns de seus prin­ci­pais tra­ba­lhos, trin­ta ar­tis­tas jo­vens fo­ram con­vi­da­dos a en­ca­rar per­for­man­ces de­sa­fi­a­do­ras, co­mo aque­la fa­mo­sa em que dois de­les, pe­la­dos, fi­cam ca­da um de um la­do de uma es­trei­ta pas­sa­gem e o pú­bli­co tem de pas­sar en­tre eles.

Em ou­tro de seus tra­ba­lhos mais ce­le­bra­dos, aque­le que se cha­ma jus­ta­men­te “A Ar­tis­ta Es­tá Pre­sen­te”, Ma­ri­na, cu­ja pre­sen­ça fí­si­ca é es­ton­te­an­te, fi­cou du­ran­te 77 di­as e mais de se­te ho­ras por dia, sem co­mer ou be­ber, sen­ta­da nu­ma ca­dei­ra, di­an­te de uma me­sa e com ou­tra ca­dei­ra à sua fren­te. As pes­so­as são con­vi­da­das a sen­ta­rem-se com ela, uma de ca­da vez, pa­ra sim­ples­men­te se olha­rem nos olhos. Al­go de ex­cep­ci­o­nal, pro­fun­do e co­mo­ven­te se faz ali – e Ulay, que Ma­ri­na não via há 18 anos, se­rá res­pon­sá­vel por um des­ses mo­men­tos, de tre­men­da trans­cen­dên­cia – e o fil­me con­se­gue cap­tar de ma­nei­ra con­tun­den­te to­do o si­lên­cio abra­si­vo des­se “olhar” (tão te­mi­do nes­ses tem­pos de in­di­vi­du­a­lis­mo fre­né­ti­co). O cor­po de Ma­ri­na co­mo um veí­cu­lo. O pú­bli­co co­mo com­bus­tí­vel.

Ma­ri­na Abra­mo­vic, por fim, é ca­paz de nos fa­zer re­pen­sar os có­di­gos, es­ta­tu­tos e es­tru­tu­ras da ar­te num mun­do tão abar­ro­ta­do de fal­sos ar­tis­tas. Em uma fra­se ela re­su­me não ape­nas o te­or de seu tra­ba­lho con­fron­ta­dor e ou­sa­do, mas to­da uma éti­ca: “Nin­guém en­ten­de que o mais di­fí­cil é fa­zer al­go que é qua­se na­da”. E é com es­se “qua­se na­da” que tudo se re­con­fi­gu­ra, inau­gu­ran­do ou­tras “en­tra­das” pa­ra a apre­en­são da ar­te. Emo­ci­o­nan­te.

Pau­lo Cam­pag­no­lo

Divulgação

Abra­mo­vic (esq.) em uma de su­as per­for­man­ces no do­cu­men­tá­rio: o pró­prio cor­po co­mo ob­je­to ar­tís­ti­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.