E ago­ra, José?

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Drum­mond to­dos per­gun­ta­mos: E ago­ra, José? Es­te ido­so José é um pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, au­tor de mais de 40 li­vros, una­ni­me­men­te re­co­nhe­ci­do co­mo o mai­or teó­lo­go vi­vo. Des­de 1953 com bri­lhan­tis­mo mi­nis­trou su­as au­las nas uni­ver­si­da­des de Bonn, Müns­ter, Tü­bin­gen e Ra­tis­bon­na. O car­de­al Jo­sef Frings, ar­ce­bis­po de Colô­nia, es­co­lheu-o co­mo as­ses­sor te­o­ló­gi­co pa­ra as­sis­ti­lo no Con­cí­lio Va­ti­ca­no 2° (1962-68). Ao la­do de Karl Rah­ner, in­te­grou um gru­po de teó­lo­gos de van­guar­da que as­ses­so­ra­ram bis­pos da Ale­ma­nha, Áus­tria, Fran­ça, Bél­gi­ca, Ho­lan­da e os no­tá­veis ar­ce­bis­pos ita­li­a­nos Gi­a­co­mo Ler­ca­ro, de Bo­lo­nha, e João Ba­tis­ta Mon­ti­ni, de Mi­lão, es­te, elei­to depois ao pa­pa­do com o no­me de Pau­lo 6°. Seu tra­ba­lho re­no­va­dor so­freu du­ro gol­pe com os ru­mos to­ma­dos por ca­tó­li­cos de re­giões da Eu­ro­pa no pós-con­cí­lio. Era o tem­po da cor­ri­da ar­ma­men­tis­ta, da re­vo­lu­ção se­xu­al, de Betty Fri­e­dan, do Bra-Bur­ning, de Da­ni­el Cohn-Ben­dit, da re­vol­ta es­tu­dan­til no Quar­ti­er La­tin, da Gu­er­ra do Vi­et­nã, do Wo­ods­tock, das di­ta­du­ras cruéis na Amé­ri­ca La­ti­na... A Igre­ja não fi­ca­ria imu­ne a is­so. O teó­lo­go de men­te aber­ta re­viu po­si­ções que en­ten­dia com­pro­me­ter va­lo­res pe­re­nes da men­sa­gem cris­tã. Qu­em não vi­veu es­sa fa­se his­tó­ri­ca não com­pre­en­de­rá seu dra­ma in­te­ri­or. Em 1977, Pau­lo 6° no­me­ouo ar­ce­bis­po de Munique-Frei­sing e, lo­go depois, car­de­al. João Pau­lo 2° con­fi­ou-lhe, em 1981, a Con­gre­ga­ção pa­ra a Dou­tri­na da Fé. Acei­tou, co­nhe­cen­do que ia en­fren­tar “cer­to ti­po de re­la­ti­vis­mo, que diz que tudo é ape­nas uma ques­tão de opi­nião e pre­fe­rên­cia, e que a ver­da­de não exis­te”. Sua pos­tu­ra fir­me lhe ren­de­ria o ró­tu­lo de con­ser­va­dor in­tran­si­gen­te, que mui­tos lhe atri­bu­em. Com­ple­ta­dos os 75 anos de ida­de, por du­as ve­zes apre­sen­tou re­nún­cia, não acei­ta por João Pau­lo a qu­em cou­be subs­ti­tuir em 2005. Di­fe­ren­te do an­te­ces­sor, in­co­mo­dao a ex­po­si­ção mi­diá­ti­ca. As mul­ti­dões o as­sus­tam. Ele é um in­te­lec­tu­al tí­mi­do, sem­pre saudoso da cá­te­dra, dos li­vros e do si­lên­cio das bi­bli­o­te­cas. Nos tem­pos do ma­gis­té­rio, di­vi­dia seu sa­lá­rio com es­tu­dan­tes po­bres do 3° Mun­do, que re­ce­bi­am bol­sa pa­ra es­tu­dar na Eu­ro­pa. Nos oi­to anos do pa­pa­do, além de três en­cí­cli­cas, es­cre­veu três li­vros. No dia 11 pas­sa­do, anun­ci­ou: “Depois de ter exa­mi­na­do re­pe­ti­da­men­te a mi­nha cons­ci­ên­cia di­an­te de Deus, che­guei à cer­te­za de que as mi­nhas for­ças, de­vi­do à ida­de avan­ça­da, já não são idô­ne­as pa­ra exer­cer ade­qua­da­men­te o mi­nis­té­rio de Pe­dro. [O vi­gor do cor­po e do es­pí­ri­to] nos úl­ti­mos me­ses, foi di­mi­nuin­do de tal mo­do em mim que te­nho de re­co­nhe­cer a mi­nha in­ca­pa­ci­da­de pa­ra ad­mi­nis­trar bem o mi­nis­té­rio que me foi con­fi­a­do”. Mar­cou pa­ra 28 des­te seu úl­ti­mo dia no car­go e pe­diu “per­dão por to­dos os meus de­fei­tos”. Quan­do na­da se man­tém ocul­to e qual­quer um opi­na, até ig­no­ran­do o que fa­la, so­bram in­ter­pre­ta­ções pa­ra to­dos os gos­tos. Mas há que re­co­nhe­cer: exi­ge-se mui­ta gran­de­za pa­ra re­co­nhe­cer a ho­ra de dei­xar o co­man­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.