O pa­pa, a fé e a re­nún­cia

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Em ou­tu­bro de 2012, o pa­pa Ben­to XVI de­cla­ra pa­ra o mun­do ca­tó­li­co o “Ano da Fé”, mo­ti­va­do pe­la ce­le­bra­ção dos 50 anos do Con­cí­lio Va­ti­ca­no II, des­fi­a­do pe­la des­cris­ti­a­ni­za­ção da fé, e a re­la­ti­vi­za­ção dos va­lo­res cris­tãos, en­fim por um mun­do ca­da vez mais an­ti­ca­tó­li­co.

O cin­quen­te­ná­rio do Con­cí­lio cer­ta­men­te é uma opor­tu­ni­da­de pa­ra re­to­mar to­da a ri­que­za e pro­fun­di­da­de da­que­les do­cu­men­tos que ain­da não fo­ram su­fi­ci­en­te­men­te com­pre­en­di­dos. Com cer­te­za, não se­rá no Ano da Fé a úni­ca opor­tu­ni­da­de pa­ra re­cu­pe­rar o tem­po per­di­do.

Nes­te con­tex­to de ce­le­bra­ção, o mun­do da ju­ven­tu­de es­tá de olho no Rio de Ja­nei­ro, pa­ra a Jor­na­da Mun­di­al da Ju­ven­tu­de. O pa­pa Ben­to XVI fez o con­vi­te, anun­ci­ou o país, en­vi­ou uma men­sa­gem de mo­ti­va­ção pa­ra to­dos os jo­vens. Tudo ca­mi­nha pa­ra um ex­tra­or­di­ná­rio even­to de ma­ni­fes­ta­ção mun­di­al da ju­ven­tu­de ao re­dor do pa­pa.

Sur­pre­en­di­dos pe­la re­nún­cia, ime­di­a­ta­men­te se per­gun­tou: e a JMJ? A res­pos­ta não podia ser ou­tra a não ser con­ti­nui­da­de. Tudo con­ti­nua. O pro­ces­so de pre­pa­ra­ção não po­de pa­rar. Não se­rá mais Ben­to XVI e sim o no­vo Pa­pa a mar­car o rit­mo com a ju­ven­tu­de do mun­do.

Nes­te con­tex­to qua­res­mal, vi­ve­mos a ex­pec­ta­ti­va de um no­vo pa­pa, que se­rá elei­to por vo­to se­cre­to, den­tre os 120 car­de­ais de to­do o mun­do com me­nos de 80 anos. To­dos são elei­to­res e can­di­da­tos. As pre­vi­sões e prog­nós­ti­cos ao re­dor des­te ou da­que­le, são me­ras con­jec­tu­ras que faz par­te do mo­men­to e do jo­go mi­diá­ti­co.

Depois do dia 28 des­te mês, da­ta da re­nún­cia do pa­pa, o pra­zo pa­ra a con­vo­ca­ção do Con­cla­ve é de 20 di­as. Depois da re­nún­cia, o pa­pa se­rá cha­ma­do de Ben­to XVI, bis­po emé­ri­to de Ro­ma.

Pa­ra to­do nós cris­tãos ca­tó­li­cos é uma opor­tu­ni­da­de úni­ca pa­ra re­no­var a nos­sa fé em Je­sus Cris­to o qual dis­se: “Tu és Pe­dro e so­bre es­ta pe­dra edi­fi­ca­rei a mi­nha Igre­ja” (Mt 16,18). A Igre­ja é de Je­sus e do seu Es­pí­ri­to, sem fal­sos te­mo­res o bar­co con­ti­nua a na­ve­gar na di­re­ção do Rei­no de­fi­ni­ti­vo.

Di­an­te da ati­tu­de do pa­pa, com qua­se 86 anos, em re­co­nhe­cer a sua de­bi­li­da­de fí­si­ca, e en­tre­gar o bas­tão pa­ra ou­tro, me fez re­co­nhe­cer a gran­de­za, a hu­mil­da­de, a co­ra­gem de dei­xar as hon­ras, o poder, a au­to­ri­da­de e vi­ver re­ti­ra­do, ser­vin­do a Igre­ja atra­vés da ora­ção. Uma ati­tu­de que há sé­cu­los não acon­te­cia na Igre­ja.

To­dos fo­mos to­ma­dos de sur­pre­sa. Mas ago­ra é a ho­ra de do­brar os jo­e­lhos e orar. É o que to­dos nós so­mos con­vi­da­dos a fa­zer. “Es­te é o tem­po fa­vo­rá­vel, es­te é o dia da sal­va­ção” (2Cor. 6,2). As­sim es­ta­re­mos uni­dos, re­fa­zen­do o nos­so ca­mi­nho de fé e con­ver­são, a fim de que tudo sir­va pa­ra a gló­ria de Deus e a nos­sa sal­va­ção eter­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.