Pes­qui­sas ar­que­o­ló­gi­cas mos­tram pas­sa­do ‘agi­ta­do’

RE­GIÃO La­bo­ra­tó­rio da UEM guar­da 500 pe­ças que com­pro­vam o al­to ín­di­ce de ocu­pa­ção da re­gião por ca­ça­do­res-co­le­to­res e ín­di­os gua­ra­nis; ti­po de so­lo e fal­ta de re­cur­sos são obs­tá­cu­los

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Car­la Gu­e­des

car­la@odi­a­rio.com Os pri­mei­ros mo­ra­do­res che­ga­ram há 8 mil anos, quan­do a re­gião en­tre os ri­os Ivaí, Pi­ra­pó, Ti­ba­gi e Pa­ra­na­pa­ne­ma foi ocu­pa­da por ca­ça­do­res-co­le­to­res. Es­sa po­pu­la­ção vi­via ba­si­ca­men­te da ca­ça, pes­ca e co­le­ta de ve­ge­tais e fa­zia ob­je­tos em pe­dra las­ca­da.

Depois dos ca­ça­do­res-co­le­to­res, vi­e­ram os gua­ra­nis - po­vo que con­fec­ci­o­na­va ce­râ­mi­cas e ini­ci­ou a prá­ti­ca da agri­cul­tu­ra na re­gião. Pes­qui­sas apon­tam que es­ses in­dí­ge­nas che­ga­ram aqui há 2,5 mil anos.

Co­nhe­cer es­sa par­te da His­tó­ria da re­gião só foi pos­sí­vel gra­ças à per­sis­tên­cia de pes­qui­sa­do­res, es­pe­ci­al­men­te os do La­bo­ra­tó­rio de Ar­que­o­lo­gia, Et­no­lo­gia e Et­no-His­tó­ria da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM). As es­tan­tes do imó­vel de ma­dei­ra, aos fun­dos do blo­co G34, guar­dam 500 pe­ças que con­tam par­te do pas­sa­do do no­ro­es­te. São va­si­lhas, pon­tas de fle­cha, ca­chim­bos, ma­cha­dos e ob­je­tos em pe­dra las­ca­da usa­dos pe­las po­pu­la­ções pré-his­tó­ri­cas e in­dí­ge­nas. Ou­tros 80 mil frag­men­tos de pe­dra e ce­râ­mi­ca que ocu­pam mais de cem cai­xas em ou­tra es­tan­te es­pe­ram pa­ra ser or­ga­ni­za­dos. “O que te­mos aqui mos­tra que a re­gião foi mui­to ha­bi­ta­da”, diz o pro­fes­sor Lu­cio Ta­deu Mo­ta, do De­par­ta­men­to de His­tó­ria da UEM e pes­qui­sa­dor do la­bo­ra­tó­rio. Re­gis­tros dos pa­dres je­suí­tas, da­ta­dos de 1.600, apon­tam que a po­pu­la­ção de gua­ra­nis era de 200 mil in­di­ví­du­os e ocu­pa­va a área en­tre os ri­os Ti­ba­gi e Pa­ra­ná. “Pa­ra a épo­ca, era um nú­me­ro gran­de.”

Se­gun­do Mo­ta, ain­da há mui­to pa­ra ser des­co­ber­to, mas a pes­qui­sa es­bar­ra na fal­ta de di­nhei­ro e de pes­so­al. “Pa­ra vi­si­tar um sí­tio (ar­que­o­ló­gi­co) tem que ter car­ro, gas­tar com com­bus­tí­vel e equi­pa­men­tos. Depois tem que ter gen­te que se in­te­res­se por es­se ti­po de his­tó­ria.” Os uni­ver­si­tá­ri­os gos­tam da área, mas ge­ral­men­te se frus­tam depois que des­co­brem que a ar­que­o­lo­gia nem sem­pre é uma aven­tu­ra. “Che­gam com a ideia de que a pes­qui­sa ar­que­o­ló­gi­ca vai ser ti­po ‘In­di­a­na Jo­nes’ e que ele vai sair a cam­po e des­co­brir um te­sou­ro”, brin­ca.

Uma das la­cu­nas das pes­qui­sas so­bre o pe­río­do pré-his­tó­ri­co do no­ro­es­te do Es­ta­do é so­bre o des­ti­no da po­pu­la­ção de ca­ça­do­res-co­le­to­res. Quan­do por­tu­gue­ses e es­pa­nhóis che­ga­ram ao Bra- “O que te­mos aqui (no la­bo­ra­tó­rio) mos­tra que a re­gião foi mui­to ha­bi­ta­da” sil, en­con­tra­ram os gua­ra­nis no li­to­ral e às mar­gens do Rio Pa­ra­ná, e os cain­guan­gues em pon­tos mais al­tos. Não há re­gis­tros so­bre o que acon­te­ceu com os ha­bi­tan­tes an­te­ri­o­res. Ta­deu ex­pli­ca que en­tre as hi­pó­te­ses es­tá a “gua­ra­ni­za­ção” da po­pu­la­ção. “Os gua­ra­nis che­ga­ram, guer­re­a­ram, pe­ga­ram cri­an­ças e mu­lhe­res e ma­ta­ram os ho­mens.” Ou­tra te­o­ria é que o iso­la­men­to os di­zi­mou. “Ain­da não te­mos res­pos­ta de­fi­ni­ti­va.” Já as do­en­ças tra­zi­das pe­los eu­ro­peus, co­mo sa­ram­po, va­río­la e gri­pe, fo­ram a cau­sa do de­sa­pa­re­ci­men­to dos gua­ra­nis.

Res­pos­tas só po­dem ser ob­ti­das quan­do - e se - fo­rem en­con­tra­dos os­sos dos ca­ça­do­res-co­le­to­res. Além da fal­ta de re­cur­sos e pes­so­al, um pro­ble­ma atra­pa­lha as pes­qui­sas. O so­lo do no­ro­es­te ace­le­ra a de­com­po­si­ção dos re­sí­du­os or­gâ­ni­cos, di­fe­ren­te do da re­gião de Pon­ta Gros­sa, on­de os­sos e pa­lha du­ram mais tem­po, por exem­plo. “Aqui, 100 anos depois já não en­con­tra­mos mais na­da”. Va­si­lha gran­de usa­da pa­ra co­zi­nhar ou guar­dar be­bi­das. Tam­bém era uti­li­za­da pe­los gua­ra­nis pa­ra en­ter­rar os­sos de mem­bros im­por­tan­tes da tri­bo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.