484 lo­tes es­tão su­jei­tos ao IPTU pro­gres­si­vo

Do­nos dos ter­re­nos já fo­ram no­ti­fi­ca­dos pe­la pre­fei­tu­ra e pre­ci­sam di­vi­dir as pro­pri­e­da­des com ta­ma­nho su­pe­ri­or a 2 mil me­tros qua­dra­dos até o fim do ano

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Fábio Lin­jar­di

lin­jar­di@odi­a­rio.com A Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá deu iní­cio à apli­ca­ção em mas­sa das re­gras do IPTU Pro­gres­si­vo. Em dois ór­gãos ofi­ci­ais do mu­ni­cí­pio pu­bli­ca­dos es­te ano, apa­re­cem os no­mes dos do­nos de 484 lo­tes com área su­pe­ri­or a 2 mil me­tros qua­dra­dos. Eles fo­ram aler­ta­dos ex­tra­ju­di­ci­al­men­te pa­ra que lo­tei­em as ter­ras, no mai­or vo­lu­me de no­ti­fi­ca­ções des­se ti­po já re­a­li­za­do pe­la pre­fei­tu­ra.

A ex­pec­ta­ti­va é de que, ca­so os do­nos de lo­tes não se ma­ni­fes­tem, o im­pos­to já se­ja au­men­ta­do no pró­xi­mo ano. O re­cor­de até o mo­men­to é do ano pas­sa­do, com 84 lo­tes so­bre­ta­xa­dos.

O me­ca­nis­mo pre­vis­to na Lei do Pla­no Di­re­tor é usa­do pa­ra evi­tar a es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria, le­van­do pro­pri­e­tá­ri­os dos va­zi­os ur­ba­nos a abrir lo­te­a­men­tos. O re­a­jus­te pro­gres­si­vo de 2% é apli­ca­do su­ces­si­va­men­te por 4 anos. Ca­so o lo­te não se­ja par­ce­la­do, o pas­so se­guin­te é a de­sa­pro­pri­a­ção.

“É só o co­me­ço, com cer­te­za há bem mais do que is­so”, diz uma fun­ci­o­ná­ria do se­tor de ca- das­tros do Pa­ço Mu­ni­ci­pal. Ser­vi­do­res do qua­dro téc­ni­co da pre­fei­tu­ra evi­tam ar­ris­car um pal­pi­te so­bre qu­an­tos ter­re­nos e qual a área to­tal que cons­ti­tui o va­zio ur­ba­no de Ma­rin­gá.

O go­ver­no mu­ni­ci­pal ain­da não sa­be ao cer­to qual a di­men­são des­se va­zio por­que o tra­ba­lho de­pen­de do se­tor de ge­o­pro­ces­sa­men­to, vin­cu­la­do à pas­ta da Fa­zen­da e que tra­ba­lha com ima­gens de sa­té­li­te. As fo­tos são do mes­mo equi­pa­men­to que for­ne­ce fo­tos pa­ra o Go­o­gle, dis­po­ní­veis na internet.

A di­fe­ren­ça é que no pa­co­te pa­go pe­lo mu­ni­cí­pio – um “re­tra­to” da ci­da­de cus­ta mais de R$ 20 mil – as ima­gens têm mai­or pre­ci­são e po­dem ser uti­li­za­das por pro­gra­mas de com­pu­ta­dor que tra­ba­lham com ma­pas. Fo­tos de sa­té­li­te mos­tram que a re­gião é ba­si­ca­men­te for­ma­da por la­vou­ras.

A lis­ta­gem de 484 lo­tes tem a mai­or fa­tia de no­ti­fi­ca­ções en­de­re­ça­das a pro­pri­e­tá­ri­os de imó­veis na zo­na 42. Fo­ram 119 avi­sos pa­ra pro­pri­e­tá­ri­os de ter­re­nos na­que­la área, que fi­ca na zo­na oes­te, com iní­cio atrás do Par­que In­dus­tri­al Ban­dei­ran­tes e fi­nal no li­mi­te com o mu­ni­cí­pio de Pai­çan­du, mar­ge­an­do a Rua Ivaí.

Em se­gun­do lu­gar apa­re­ce a Zo­na 20, com a no­ti­fi­ca­ção de do­nos de 65 lo­tes. A re- gião, na zo­na sul, ocu­pa uma área va­lo­ri­za­da, de­li­mi­ta­da ao nor­te pe­la Ave­ni­da Eu­cli­des da Cu­nha, a les­te pe­la Ave­ni­da Car­los Borges, pe­lo Anel Viá­rio Pre­fei­to Sin­cler Sam­bat­ti ao sul e pe­lo Cór­re­go Cleó­pa­tra a les­te.

No­vas listas de do­nos de lo­tes de­vem ser pu­bli­ca­das em bre­ve. O IPTU Pro­gres­si­vo é apli­ca­do em du­as si­tu­a­ções: pa­ra lo­tes com área su­pe­ri­or a 2 mil me­tros qua­dra­dos ou pa­ra do­nos de diferentes lo­tes cu­ja so­ma se­ja su­pe­ri­or a 3 mil me­tros qua­dra­dos.

Ob­je­ti­vo

Im­plan­ta­do em 2011, o IPTU Pro­gres­si­vo vem sur­tin­do efei­to, diz a pre­fei­tu­ra. Ho­je, há cer­ca de 20 pro­je­tos de aber­tu­ra de lo­te­a­men­tos pro­to­co­la­dos na Se­cre- ta­ria Mu­ni­ci­pal de Pla­ne­ja­men­to. Os re­fle­xos não são mai­o­res por re­sis­tên­cia de do­nos de gran­des pro­pri­e­da­des. “Al­guns en­tram na Jus­ti­ça, con­fi­an­tes que vão con­se­guir re­ver­ter”, diz o di­re­tor de Pla­ne­ja­men­to, José Vi­cen­te Al­ves do So­cor­ro. Ain­da as­sim, “mui­ta gen­te tem le­va­do a sé­rio”, ga­ran­te.

Re­pre­sen­tan­te do mer­ca­do imo­bi­liá­rio no Con­se­lho Mu­ni­ci­pal de Pla­ne­ja­men­to, o em­pre­sá­rio Sil­vio Iwa­ta diz que um dos pro­ble­mas vem sen­do a bu­ro­cra­cia pa­ra a li­be­ra­ção das di­vi­sões. Se­gun­do ele, o ta­ma­nho “viá­vel” pa­ra se ini­ci­ar um lo­te­a­men­to é a par­tir de 2 al­quei­res (48,4 mil me­tros qua­dra­dos). “O pro­ble­ma é a si­tu­a­ção dos do­nos de lo­tes me­no­res, acho que is­so é uma si­tu­a­ção ain­da não bem re­sol­vi­da. Se vo­cê tem um lo­te de 10 mil me­tros qua­dra­dos, vai ter que lo­te­ar. A bu­ro­cra­cia é gran­de, tem uma sé­rie de exi­gên­ci­as por par­te do mu­ni­cí­pio”, diz.

O se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Pla­ne­ja­men­to, Láer­cio Bar­bão, diz que a pre­fei­tu­ra au­men­tou o nú­me­ro de ser­vi­do­res na área de li­be­ra­ção de lo­te­a­men­tos pa­ra dar con­ta de­man­da. “Es­ta­mos dis­po­ni­bi­li­zan­do mais ser­vi­do­res pa­ra dar uma agi­li­da­de mai­or”.

Ra­fa­el Sil­va

Vis­ta de Ma­rin­gá; me­ca­nis­mo de co­bran­ça pro­gres­si­va do IPTU foi cri­a­do co­mo fer­ra­men­ta pa­ra que se evi­te a es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.