Qua­dri­lha alu­ga­va armas pa­ra as­sal­tar ôni­bus

Thi­a­go Mar­ce­lo da Cos­ta No­bre, que es­tá pre­so, é ti­do pe­la po­lí­cia co­mo lí­der do ban­do. Ele re­la­tou que armas se­ri­am alu­ga­das de tra­fi­can­tes e ou­tros cri­mi­no­sos de Sa­ran­di

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Ro­ber­to Sil­va

rsil­va@odi­a­rio.com Um inqué­ri­to que tra­mi­ta na 9ª Sub­di­vi­são Po­li­ci­al (SDP), em Ma­rin­gá, re­ve­la de­ta­lhes dos as­sal­tos pra­ti­ca­dos por Thi­a­go Mar­ce­lo da Cos­ta No­bre, 30 anos, co­nhe­ci­do co­mo Thi­a­go Ven­ta­nia. Apon­ta­do pe­la po­lí­cia co­mo lí­der da mais pe­ri­go­sa qua­dri­lha de la­drões de ôni­bus em ati­vi­da­de na re­gião no­ro­es­te do Pa­ra­ná, ele é sus­pei­to de pra­ti­car ao me­nos seis as­sal­tos num in­ter­va­lo de 6 me­ses.

Pre­so no fi­nal do mês pas­sa­do e in­di­ci­a­do por rou­bo, for­ma­ção de qua­dri­lha e par­ti­ci­pa­ção em la­tro­cí­nio (rou­bo se­gui­do de mor­te), No­bre de­ci­diu co­la­bo­rar com a po­lí­cia de­la­tan­do in­for­mal­men­te par­te dos com­par­sas que o aju­da­ram a ata­car dois ôni­bus na re­gião de Ma­rin­gá. Um mo­to­ris­ta foi mor­to num dos as­sal­tos. No­bre ale­gou ser ape­nas um in­te­gran­te do ban­do que, se­gun­do ele, não te­ri­aum­lí­de­res­pe­cí­fi­co.

Du­ran­te o in­ter­ro­ga­tó­rio, Thi­a­go re­ve­lou que as mu­ni­ções e armas uti­li­za­das pa­ra ata­car os ôni­bus – re­vól­ve­res, pis­to­las e es­co­pe­tas – eram alu­ga­das de tra­fi­can­tes e ou­tros cri­mi­no­sos de Sa­ran­di. No en­tan­to, re­cu­sou iden­ti­fi­car os do­nos das armas e a re­ve­lar os va­lo­res pa­gos. A po­lí­cia clas­si­fi­cou o si­lên­cio co­mo es­tra­té­gia pa­ra pre­ser­var a pró­pria vi­da e ações fu­tu­ras.

Ape­sar de par­ci­al, a con­fis­são de No­bre ser­viu pa­ra con­fir­mar as in­ves­ti­ga­ções fei­tas pe­la po­lí­cia. “Os no­mes ci­ta­dos por ele já cons­ta­vam em nos­sos le­van­ta­men­tos, mas a con­fir­ma­ção ser­viu pa­ra fun­da­men­tar as de­nún­ci­as e os pe­di­dos de pri­são dos en­vol­vi­dos”, ex­pli­ca o delegado ope­ra­ci­o­nal da 9ª SDP, Le­an­dro Ro­que Mu­nin. Dois dos acu­sa­dos fo­ram pre­sos na ma­nhã da úl­ti­ma quin­ta-fei­ra pas­sa­da e as­su- mi­ram par­ti­ci­pa­ção nos cri­mes.

As in­ves­ti­ga­ções que cul­mi­na­ram com o des­ba­ra­ta­men­to da qua­dri­lha são fru­to de um tra­ba­lho con­jun­to re­a­li­za­do pe­las po­lí­ci­as Ci­vil, Mi­li­tar e Ro­do­viá­ria de Ma­rin­gá e Lon­dri­na. Em cam­po des­de no­vem­bro pas­sa­do, lo­go após a re­to­ma­da dos as­sal­tos a ôni­bus na re­gião no­ro­es­te, a for­ça-ta­re­fa – que con­ta com a par­ti­ci­pa­ção de 12 po­li­ci­ais – abas­te­ceu­u­minqué­ri­to­que­já­con­ta­com qua­se 700 pá­gi­nas com in­for­ma­çõe­se­fo­tos­de­sus­pei­tos.

O do­cu­men­to re­ve­la que a mai­or par­te da qua­dri­lha mon­ta­da por No­bre é for­ma­da por usuá­ri­os de dro­gas, jo­vens com ida­des en­tre 18 e 24 anos en­vol­vi­dos em pe­que­nos cri­mes. Sem ex­pe­ri­ên­cia em as­sal­tos de mai­or en­ver­ga­du­ra, os com­par­sas re­ce­bi­am ori­en­ta­ções em reu­niões or­ga­ni­za­das ho­ras an­tes dos ata­ques. Du­ran­te os en­con­tros, o pró­prio No­bre dis­tri­buía as ta­re­fas e dis­tri­buía de armas. No en­tan­to, ape­nas ele usa­va co­le­te a pro­va de ba­las. “Apu­ra­mos que ele (No­bre) de­ter­mi­na­va a po­si­ção exa­ta de ca­da um no mo­men­to dos ata­ques, da­va or­dens pa­ra dis­pa­ros das armas e exi­gia tru­cu­lên­cia pa­ra as­sus­tar as ví­ti­mas”, diz o delegado. Um dos com­par­sas, pre­so na se­ma­na pas­sa­da, ad­mi­tiu ter par­ti­ci­pa­do do as­sal­to a um com­boio de três ôni­bus, dia 21 de ja­nei­ro pas­sa­do, no Con­tor­no Sul, em Ma­rin­gá. Com ape­nas 19 anos, o ra­paz re­co­nhe­ceu que po­de ter par­ti­do de­le o “Os no­mes ci­ta­dos por ele já cons­ta­vam em nos­sos le­van­ta­men­tos, mas a con­fir­ma­ção ser­viu pa­ra fun­da­men­tar as de­nún­ci­as e os pe­di­dos de pri­são dos en­vol­vi­dos” ti­ro que ma­tou o mo­to­ris­ta Ar­lin­do Pe­rei­ra, 64 anos, que dor­mia no ba­ga­gei­ro de um dos ôni­bus.

Em in­ter­ro­ga­tó­rio, o as­sal­tan­te ex­pli­cou que a ar­ma que por­ta­va – uma pis­to­la 9 mi­lí­me­tro - es­ta­va com dis­po­si­ti­vo de ra­ja­da, o que o te­ria fei­to per­der o con­tro­le da em­pu­nha­du­ra no mo­men­to do dis­pa­ro. “Aper­tei o ga­ti­lho e saiu um mon­te de ba­la de uma só vez. Acho que acer­tei o mo­to­ris­ta, mas foi sem que­rer”, dis­se ele, acres­cen­tan­do que ou­tro com­par­sa, que es­ta­va ao seu la­do, tam­bém te­ria ati­ra­do com uma ar­ma do mes­mo ca­li­bre. A po­lí­cia con­fir­ma que o pro­jé­til que acer­tou a ví­ti­ma era 9 mm. No en­tan­to, ne­nhu­ma das armas uti­li­za­das no as­sal­to foi en­con­tra­da.

Em ou­tro pon­to do in­ter­ro­ga­tó­rio, o ra­paz re­ve­lou que a di­vi­são dos va­lo­res rou­ba­dos só era fei­ta depois de to­dos os in­ves­ti­men­tos na pre­pa­ra­ção dos as­sal­tos, co­mo aqui­si­ção de armas e veí­cu­los uti­li­za­dos nos as­sal­tos, se­rem qui­ta­dos. “No pri­mei­ro as­sal­to, em Man­da­gua­ri, ga­nhei R$ 1 mil. No se­gun­do (no Con­tor­no Sul), re­ce­bi ape­nas R$ 400”, re­ve­lou o as­sal­tan­te. Di­fe­ren­te de ou­tros ban­di­dos, que cos­tu­mam uti­li­zar car­ros rou­ba­dos, No­bre op­ta­va por veí­cu­los fi­nan­ci­a­dos, ge­ral­men­te ad­qui­ri­dos por va­lo­res ir­ri­só­ri­os. O uso de veí­cu­los fi­nan­ci­a­dos ser­via pa­ra des­pis­tar a po­lí­cia em uma si­tu­a­ção de abor­da­gem.

Ain­da de acor­do com o delegado, a po­lí­cia já tem pro­vas su­fi­ci­en­tes pa­ra com­pro­var que No­bre não era ape­nas o lí­der, mas tam­bém men­tor in­te­lec­tu­al dos rou­bos. O mai­or pro­ble­ma, no en­tan­to, é a lo­ca­li­za­ção dos ou­tros in­te­gran­tes da qua­dri­lha que ain­da es­tão fo­ra­gi­dos. “Eles não têm pa­ra­dei­ro fi­xo. Per­noi­tam em lo­cais diferentes e di­fi­cil­men­te sa­em às ru­as du­ran­te o dia”, ex­pli­ca Mu­nin.

O delegado con­fir­mou ter in­for­ma­ções de que o as­sal­to a ou­tro ôni­bus de tu­ris­mo na ma­dru­ga­da de quin­ta-fei­ra pas­sa­da , na PR-444, em Man­da­gua­ri, po­de ter si­do pra­ti­ca­do pe­lo gru­po de No­bre. Se­gun­do Mu­nin, tudo in­di­ca que o gru­po vol­tou a se re­or­ga­ni­zar, pro­va­vel­men­te com ou­tro lí­der.

Até que to­dos os in­te­gran­tes se­jam lo­ca­li­za­dos e pre­sos, as po­li­ci­as Ci­vil e Mi­li­tar de­vem in­ten­si­fi­car a fis­ca­li­za­ção nas ro­do­vi­as da re­gião no­ro­es­te As or­dens pa­ra a re­a­li­za­ção de ações ar­ti­cu­la­das par­ti­ram do pró­prio se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Cid Vas­ques. De acor­do com o se­cre­tá­rio, quan­do as ações ope­ra­ci­o­nais de ro­ti­na não es­tão al­can­çan­do os re­sul­ta­dos de­se­ja­dos, a ex­cep­ci­o­na­li­da­de jus­ti­fi­ca uma ação mais ar­ti­cu­la­da de to­das as for­ças de se­gu­ran­ça, que es­tão pre­pa­ra­das pa­ra qual­quer ti­po de con­fron­to.

Ra­fa­el Sil­va-31/01/13

Thi­a­go No­bre es­tá pre­so por rou­bo, for­ma­ção de qua­dri­lha e par­ti­ci­pa­ção em la­tro­cí­nio

Divulgação

Kru­li­kos­ki foi pre­so com 20 armas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.