Hen­ri­que ga­nha sta­tus de xe­ri­fão e ar­ti­lhei­ro

O Diario do Norte do Parana - - ESPORTES -

Des­de que vol­tou ao clube, no ano pas­sa­do, Hen­ri­que é um dos lí­de­res do elen­co, mas nun­ca es­te­ve com tan­to mo­ral. No trei­no de sex­ta-fei­ra, por exem­plo, foi cha­ma­do de can­to pe­lo pre­si­den­te do Pal­mei­ras, Pau­lo No­bre, pa­ra uma con­ver­sa. E, co­mo se já não bas­tas­se sua im­por­tân­cia fo­ra das qua­tro li­nhas, den­tro ele tam­bém tem da­do con­ta do re­ca­do. Além de de­fen­der, tem fei­to bo­ni­to no ata­que e já mar­cou qua­tro gols, sen­do o ar­ti­lhei­ro do ti­me na tem­po­ra­da. O xe­ri­fão e ar­ti­lhei­ro fa­la da ex­pec­ta­ti­va pa­ra o clás­si­co, so­bre sua im­por­tân­cia pa­ra o ti­me e pro­je­ta um gran­de du­e­lo con­tra os ata­can­tes do Co­rinthi­ans. “Es­ta­mos mui­to con­fi­an­tes, prin­ci­pal­men­te após a vi­tó­ria so­bre o Spor­ting Cris­tal (2 a 1, no Pa­ca­em­bu, pe­la es­treia na Li­ber­ta­do­res). Es­se re­sul­ta­do po­si­ti­vo era o que pre­ci­sá­va­mos nes­te mo­men­to”, dis­se o za­guei­ro.

Pa­ra ele é pre­ci­so res­pei­to pe­la equi­pe pal­mei­ren­se, mes­mo con­vi­ven­do com o mo­men­to de ten­são. “Ou­ço mui­ta gen­te fa­lan­do que se­rá o en­con­tro do ti­me re­bai­xa­do con­tra o cam­peão mun­di­al, mas acho que is­so não tem na­da a ver. A ri­va­li­da­de é a mes­ma in­de­pen­den­te da di­vi­são e da si­tu­a­ção das equi­pes e o que va­le é den­tro de cam­po. Es­ta­mos cons­ci­en­tes do que po­de­mos fa­zer e es­ta­mos fo­ca­dos pa­ra fa­zer um be­lo tra­ba­lho do­min­go.

O jo­ga­dor não se pren­de à qua­li­da­de dos ata­can­tes do ri­val, Ale- xan­dre Pa­to e Gu­er­re­ro e não en­ten­dem que eles me­re­çam aten­ção es­pe­ci­al. “O Co­rinthi­ans tem mui­tos jo­ga­do­res de qua­li­da­de. Não só o Pa­to ou o Gu­er­re­ro. Te­mos que nos pre­o­cu­par com to­do mun­do, por­que o elen­co de­les é mui­to for­te e já jo­guei mui­tos clás­si­cos e sei que es­se jo­go ga­nha qu­em er­ra me­nos. Te­mos de fi­car aten­tos com to­do o mun­do. Se a gen­te con­se­gue pa­rar o Pa­to ou o Gu­er­re­ro, po­de apa­re­cer o Pau­li­nho, por exem­plo, e mar­car o gol

Tes­te

In­da­ga­do so­bre o fa­to de que es­se jo­go po­de ser en­ca­ra­do co­mo o pri­mei­ro gran­de tes­te pa­ra es­se no­vo Pal­mei­ras, Hen­ri­que de­cla­rou: “Com cer­te­za. Ven­ce­mos o Spor­ting Cris­tal, em uma Li­ber­ta­do­res, mas a im­por­tân­cia do jo­go é ou­tra. Es­ta­mos cres­cen­do e pas­san­do por ci­ma de mui­tas coi­sas ruins que nos atra­pa­lha­ram e atra­pa­lham até ho­je. E jo­go com o Co­rinthi­ans não é só mais um jo­go, é um clás­si­co, al­go di­fe­ren­te. A ri­va­li­da­de é mui­to gran­de, por is­so va­mos fa­zer de tudo pa­ra con­se­guir es­se re­sul­ta­do. Sei que mui­ta gen­te du­vi­da de on­de po­de­mos che­gar, mas só de­pen­de de nós­da­ra­res­pos­ta.

So­bre o elen­co co­rin­ti­a­no ser, em te­se, su­pe­ri­or ao Pal­mei­ras, Hen­ri­que dis­se: “É bom que to­do mun­do pense as­sim. Aí po­de­mos tra­ba­lhar com mais tran­qui­li­da­de e ter ape­nas aque­la pres­são na­tu­ral, da tor­ci­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.