Das pou­cas cer­te­zas, uma: Te­nó­rio morreu após tor­tu­ra

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

A ser ver­da­de o que o ex-agen­te da re­pres­são ar­gen­ti­na Claudio Vallejos con­tou ao re­pór­ter Mau­rí­cio Di­as, da ex­tin­ta re­vis­ta Se­nhor, o pi­a­nis­ta bra­si­lei­ro de­sa­pa­re­ci­do em Bu­e­nos Ai­res, Te­nó­rio Ju­ni­or, foi ví­ti­ma da Ope­ra­ção Con­dor, o con­sór­cio for­ma­do pe­las di­ta­du­ras sul-ame­ri­ca­nas pa­ra ca­çar opo­si­to­res que se re­fu­gi­a­vam em paí­ses vi­zi­nhos. O re­la­to cheio de de­ta­lhes de Vallejos, am­pa­ra­dos em su­pos­tos do­cu­men­tos, é té­tri­co. De­ti­do nas pro­xi­mi­da­des do ho­tel em Bu­e­nos Ai­res, Te­nó­rio te­ria si­do tor­tu­ra­do por vá­ri­os di­as por agen­tes ar­gen­ti­nos e bra­si­lei­ros.

Mes­mo com a cer­te­za de que o mú­si­co não ti­nha ne­nhu­ma atu­a­ção ou li­ga­ção po­lí­ti­ca, após as se­gui­das ses­sões de pan­ca­da- ria, cho­que e afo­ga­men­tos, de­ci­di­ram que não era pru­den­te sol­tá-lo na­que­le es­ta­do e li­be­rar a sua vol­ta ao Bra­sil ou a qual­quer ou­tro lu­gar on­de pu­des­se de­nun­ci­ar a vi­o­lên­cia pe­la qual pas­sa­ra. Com a vi­si­bi­li­da­de de Vi­ni­cius, o ca­so cer­ta­men­te ga­nha­ria uma re­per­cus­são incô­mo­da aos dois paí­ses. Um agen­te ar­gen­ti­no en­tão ati­rou na ca­be­ça de Te­nó­rio e o cor­po foi en­ter­ra­do clan­des­ti­na­men­te num ce­mi­té­rio de Bu­e­nos Ai­res. Até um nú­me­ro de se­pul­tu­ra foi da­do co­mo o lo­cal on­de es­ta­ria o cor­po.

Sem res­tos mor­tais

A es­pe­ran­ça da fa­mí­lia em ter pe­lo me­nos os res­tos mor­tais de Te­nó­rio, no en­tan­to, du­rou pou­co. As bus­cas no lo­cal in­di­ca- do de­ram em na­da. A cre­di­bi­li­da­de do ex-tor­tu­ra­dor, que já não era das mai­o­res por cau­sa da ten­ta­ti­va de ne­go­ci­ar su­as in­for­ma­ções por al­tas so­mas, sem­pre foi ques­ti­o­na­da e caiu mais ain­da quan­do foi pre­so no ano pas­sa­do por es­te­li­o­na­to no Pa­ra­ná.

Nes­sas qua­se qua­tro dé­ca­das des­de o de­sa­pa­re­ci­men­to, Car­men Ma­ga­lhães Te­nó­rio Cer­quei­ra e seus fi­lhos apren­de­ram a to­car su­as vi­das, mes­mo com as di­fi­cul­da­des bu­ro­crá­ti­cas que a fal­ta de uma cer­ti­dão de óbi­to pro­vo­ca. In­de­ni­za­ções - ain­da que ir­ri­só­ri­as - ame­ni­za­ram um pou­co al­guns dos des­con­for­tos depois que os dois paí­ses pas­sa­ram a ado­tar pro­gra­mas de apu­ra­ção das bar­ba­ri­da­des co­me­ti­das nos anos de chum­bo. tima apre­sen­ta­ção, Te­nó­rio mos­trou que era mui­to mais que um mú­si­co de apoio. O pú­bli­co pe­diu bis de seu nú­me­ro so­lo em Ta­man­duá, on­de exi­bia sua gran­de ca­pa­ci­da­de de im­pro­vi­sa­ção e to­do o seu la­do harmô­ni­co, co­mo lem­bra Toquinho. “Além do ca­ris­ma, com aque­la bar­ba, aque­la fi­gu­ra meio pa­re­ci­da com Cris­to, ele era um jaz­zis­ta, su­as va­ri­a­ções mos­tra­vam um vir­tu­o­sis­mo sem exa­ge­ro. Ele sa­bia se si­tu­ar. Era um so­lis­ta com mui­ta cri­a­ti­vi­da­de, e tam­bém um gran­de acom­pa­nhan­te. Era mui­to bom nas du­as coi­sas, uma ra­ri­da­de en­tre os mú­si­cos.”

Bi­lhe­te

Pas­sa­dos qua­se 40 anos, o que acon­te­ceu com Te­nó­rio depois que a tru­pe vol­tou pa­ra o ho­tel con­ti­nua um mis­té­rio. Se­gun­do re­la­tos pu­bli­ca­dos na épo­ca, o pi­a­nis­ta te­ria dei­xa­do um bi­lhe­te aos co­le­gas di­zen­do que sai­ria pa­ra co­mer um san­duí­che, com­prar um re­mé­dio e que vol­ta­ria lo­go. Nun­ca mais foi vis­to. A mo- bi­li­za­ção pa­ra ten­tar en­con­trá-lo nos di­as se­guin­tes in­cluiu in­cur­sões de Vi­ni­cius nos mei­os di­plo­má­ti­cos e ron­das dos mú­si­cos e ou­tros in­te­gran­tes da ex­cur­são por de­le­ga­ci­as, hos­pi­tais e ne­cro­té­ri­os. Tudo em vão. Cin­co di­as depois, quan­do o jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo no­ti­ci­a­va que o gol­pe na Ar­gen­ti­na era imi­nen­te, uma no­ta na mes­ma pá­gi­na re­por­ta­va o de­sa­pa­re­ci­men­to de Te­nó­rio e que Vi­ni­cius im­pe­tra­ra um ha­be­as cor­pus em fa­vor do mú­si­co. A es­sa al­tu­ra já se te­mia pe­lo pi­or.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.