Di­a­na Dam­rau pre­pa­ra sua pri­mei­ra ‘Tra­vi­a­ta’

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - João Luiz Sam­paio

Nem mes­mo os tre­chos de ópe­ra que o avô can­ta­ro­la­va pa­ra ni­nar a ne­ta fo­ram su­fi­ci­en­tes pa­ra fa­zer com que a pe­que­na Di­a­na atu­ras­se em paz as ho­ras na sa­la de ca­sa, ou­vin­do LPs ou as­sis­tin­do a fi­tas com as prin­ci­pais obras do re­per­tó­rio. Is­so até os 11 anos, quan­do al­go mu­dou. Cul­pa de um se­nhor cha­ma­do Giu­sep­pe Ver­di e de uma his­tó­ria por ele nar­ra­da - a da cor­te­sã Vi­o­let­ta e seu di­fí­cil ca­so de amor com o jo­vem Al­fre­do.

Di­a­na Dam­rau cres­ceu e, aos 41 anos, fa­rá no pró­xi­mo mês sua es­treia no pa­pel de Vi­o­let­ta, na “Tra­vi­a­ta”, em mon­ta­gem do Me­tro­po­li­tan Ope­ra Hou­se, de No­va York. Vai con­tra­ce­nar com o te­nor Plá­ci­do Do­min­go que, fa­zen­do as ve­zes de ba­rí­to­no, in­ter­pre­ta­rá o pai de Al­fre­do, Gi­or­gio Ger­mont. “Vo­cê po­de ima­gi­nar a sen­sa­ção de es­tre­ar nes­se pa­pel, res­pon­sá­vel por mi­nha pai­xão pe­la ópe­ra, e ain­da mais ao la­do do Do­min­go, que can­ta­va na­que­le ví­deo que as­sis­ti na in­fân­cia? Uau...É da­que­les mo­men­tos em que vo­cê se dá con­ta de que adi­an­ta ter so­nhos, por­que eles de fa­to po­dem se re­a­li­zar!”

An­tes da “Tra­vi­a­ta”, po­rém, Di­a­na es­tá às vol­tas com um ou­tro pa­pel de Ver­di: Gil­da, no “Ri­go­let­to”, que se­rá trans­mi­ti­do nes­te sá­ba­do nos ci­ne­mas bra­si­lei­ros. A mon­ta­gem foi mui­to aguar­da­da - e tem si­do bas­tan­te dis­cu­ti­da. O mo­ti­vo? O di­re­tor Mi­cha­el Mayer ti­ra a ação da Mân­tua do sé­cu­lo 16 e a pas­sa pa­ra a Las Ve­gas dos anos 60. No New York Ti­mes, por exem­plo, Anthony Tom­ma­si­ni, nor­mal­men­te o mais gen­til dos crí­ti­cos, de­fi­ne a pro­du­ção co­mo uma “mis­tu­ra frus­tran­te en­tre idei­as in­ven­ti­vas e ou­tras mal ajam­bra­das” - e ques­ti­o­na se uma pro­du­ção que faz re­fe­rên­cia ao Rat Pack é ca­paz de atrair jo­vens pla­tei­as. “Se­rá que eles têm ideia do que foi o Rat Pack?”

Di­a­na con­fes­sa que, de ca­ra, quan­do foi cha­ma­da pa­ra a pro­du­ção, te­ve lá su­as dú­vi­das. Mas re­co­nhe­ce - im­por­ta me­nos o lo­cal em que a tra­ma es­tá am­bi­en­ta­da e mais se o di­re­tor é ca­paz de nar­rar de mo­do efe­ti­vo a his­tó­ria nes­se no­vo uni­ver­so. “Eu es­tu­do meu per­so­na­gem, en­tro ne­le e en­tão paro pa­ra pen­sar: vou con­se­guir nar­rar o seu dra­ma nes­se am­bi­en­te?”, ela diz, em en­tre­vis­ta con­ce­di­da ao Es­ta­do na quin­ta-fei­ra. “Si­na­tra, a má­fia, o jo­go...on­de eu en­tro? Mas há al­go de de­ca­den­te na Las Ve­gas re­cri­a­da pe­lo di­re­tor, e is­so se re­la­ci­o­na com Ver­di. E en­tão vo­cê se dá con­ta de que tudo fun­ci­o­na mui­to bem e que é pos­sí­vel nar­rar a his­tó­ria que qu­e­re­mos.”

Ver­di é um ter­ri­tó­rio re­la­ti­va­men­te re­cen­te pa­ra Dam­rau. Nas­ci­da em Günz­burg an der Do­nau, ci­da­de de pou­co mais de 15 mil ha­bi­tan­tes às mar­gens do Da­nú­bio, no sul da Ale­ma­nha, ela ini­ci­ou a car­rei­ra no re­per­tó­rio ger­mâ­ni­co. Seu pri­mei­ro gran­de su­ces­so foi com o pa­pel da Rai­nha da Noi­te, em “A Flau­ta Má­gi­ca”, de Mo­zart, que a fez cor­rer o mun­do to­do em mon­ta­gens e gra­va­ções pre­mi­a­das. Se­gui­ram-se uma sé­rie de papéis do cha­ma­do bel can­to, a ópe­ra da pas­sa­gem do sé­cu­lo 18 e pa­ra o 19 - em es­pe­ci­al Ros­si­ni e Do­ni­zet­ti - , que ela man­ti­nha em seu re­per­tó­rio ao la­do de can­ções de au­to­res co­mo Ri­chard Strauss e pe­ças sa­cras de Mo­zart ou Ba­ch.

“Sa­ber quan­do mu­dar seu re­per­tó­rio, quan­do en­fren­tar um pa­pel, é al­go mui­to com­pli­ca­do. Não há re­gra, ca­da voz é di­fe­ren­te”, ela ex­pli­ca. “E mais do que is­so, a voz não é uma só. Vo­cê tem a voz de quan­do es­tá bem, a voz de quan­do es­tá um pou­co in­dis­pos­ta, a voz de quan­do há al­go te in­co­mo­dan­do. É só quan­do vo­cê co­nhe­ce a si mes­mo, a seu cor­po, que po­de co­me­çar a ou­sar e cor­rer ris­cos.”

Sua pri­mei­ra “Tra­vi­a­ta” es­ta­va pre­vis­ta pa­ra o ano pas­sa­do, mas ela fi­cou grá­vi­da do se­gun­do fi­lho. “Ti­ve bas­tan­te tem­po pa­ra me pre­pa­rar, mas ain­da é as­sus­ta­dor! Não dá pa­ra ig­no­rar o fa­to de que é um enor­me pas­so.” Mas ela se tran­qui­li­za, afi­nal, não es­tá so­zi­nha. Qu­em a acom­pa­nha? Aque­le mes­mo se­nhor, Giu­sep­pe Ver­di. “O poder do dra­ma de sua mú­si­ca, ca­da pe­da­ço de­la, éum­pre­sen­te­es­pe­ci­a­la­o­can­tor.”

Divulgação

Dam­rau: “Vo­cê po­de ima­gi­nar a sen­sa­ção de es­tre­ar nes­se pa­pel, res­pon­sá­vel por mi­nha pai­xão pe­la ópe­ra?”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.