La­dos bons: atu­a­ções e te­ma

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Wi­la­me Prado

wi­la­me@odi­a­rio.com É tris­te di­zer is­so, mas mui­tas ve­zes aca­ba­mos nos con­so­lan­do ao no­tar que nos­sas fra­gi­li­da­des tam­bém fa­zem par­te da ro­ti­na de ou­tras pes­so­as e que ser es­tra­nho, de­pen­den­do do pon­to de vis­ta, é al­go nor­mal. Mes­mo sen­do um fil­me pre­vi­sí­vel, le­ve e que cer­ta­men­te vem agra­dan­do aos apre­ci­a­do­res das nem sem sem­pre des­ta­cá­veis co­mé­di­as ro­mân­ti­cas, “O La­do Bom da Vi­da” (fil­me de Da­vid O. Rus­sell em car­taz em Ma­rin­gá) se des­ta­ca por be­las atu­a­ções e por fo­car, no en­re­do, mais do que n a pos­si­bi­li­da­de amo­ro­sa en­tre os pro­ta­go­nis­tas, em um te­ma sé­rio e atu­al: os dis­túr­bi­os psi­co­ló­gi­cos e psi­quiá­tri­cos que afe­tam gran­de par­te da po­pu­la­ção em ge­ral.

O bi­po­lar Pat So­li­ta­no Jr. (Bra­dley Co­o­per) aca­ba de sair do sa­na­tó­rio, lo­cal on­de foi in­ter­na­do por qua­se matar a pan­ca­das o aman­te de sua mu­lher, em um ata­que de rai­va após ver os dois to­man­do ba­nho jun­tos ao som da mú­si­ca do seu ca­sa­men­to. Vol­ta pa­ra ca­sa mas con­ti­nua ao la­do de gen­te que apa­ren­te­men­te tam­bém con­vi­ve com pro­ble­mas men­tais. Seu pai, ma­gis­tral­men­te in­ter­pre­ta­do por Ro­ber­to de Ni­ro, dá pro­vas de que so­fre de TOC.

Tif­fany (Jen­ni­fer La­wren­ce), ir­mã da mu­lher de um ami­go de Pat, é co­nhe­ci­da na vi­zi­nhan­ça co­mo uma vi­ci­a­da em se­xo e por epi­só­di­os de trans­tor­nos en­ce­na­dos com­pe­ten­te­men­te pe­la be­la atriz. Ela re­sol­ve aju­dá-lo a su­pe­rar as in­qui­e­ta­ções que o le­vam a de­se­jar o re­en­con­tro com sua mu­lher.

O pa­no de fun­do de to­da es­sa his­tó­ria é uma sequên­cia de ce­nas tí­pi­cas do di­to “se­ria cô­mi­co se não fos­se trá­gi­co”. É mes­mo mui­to en­gra­ça­do ver um ca­ra boa pin­ta, com me­nos de 40 anos, ten­tan­do se li­vrar dos seus mons- tros cor­ren­do com um sa­co de li­xo pre­to en­cai­xa­do tos­ca­men­te no pei­to na ten­ta­ti­va de ema­gre­cer pa­ra as­sim agra­dar a mu­lher que o tro­cou por um ho­mem bem mais ve­lho. É hi­la­ri­an­te ver uma jo­vem bo­ni­ta e pre­co­ce­men­te viú­va ten­tan­do con­ter seus im­pul­sos se­xu­ais en­quan­to en­si­na seu no­vo ami­go os pri­mei­ros pas­sos de uma dan­ça – os dois fa­zem um tra­to e en­sai­am du­ro pa­ra par­ti­ci­pa­rem de um con­cur­so de dan­ça co­mo ca­sal. É sa­bo­ro­so ver ce­nas de um vi­ci­a­do em apos­tas de fu­te­bol ame­ri­ca­no acre­di­tan­do em seus man­tras, em su­as man­din­gas, e exi­gin­do que o fi­lho per­ma­ne­ça o jo­go to­do sen­ta­do ao seu la­do no so­fá co­mo se fos­se uma es­pé­cie de ta­lis­mã.

É tudo mui­to en­gra­ça­do, mas, mes­mo com os exa­ge­ros tí­pi­cos do ci­ne­ma, tudo é tam­bém mui­to re­al, pró­xi­mo, pal­pá­vel no nos­so co­ti­di­a­no de ur­ba­nos oci­den­tais. To­do mun­do, ho­je em dia, tem, con­vi­ve ou pe­lo me­nos co­nhe­ce al­guém que so­fre al­gum dis­túr­bio neu­ro­ló­gi­co. E tal­vez o la­do bom da vi­da se­ja mes­mo re­fle­tir que não es­ta­mos so­zi­nhos nes­sas en­ras­ca­das que os cé­re­bros e to­das su­as pro­du­ções, de mais ou de me­nos, de se­ro­to­ni­nas e adre­na­li­nas cos­tu­mam apron­tar. “O La­do Bom da Vi­da”, que te­ve oi­to in­di­ca­ções ao Os­car, en­tra nos ca­tá­lo­gos dos ge­ral­men­te des­me­re­ci­dos fil­mes de au­toa- ju­da ou de co­mé­di­as ro­mân­ti­cas. Mas se des­ta­ca dos de­mais com óti­mas atu­a­ções e um ro­tei­ro per­fei­ta­men­te bem adap­ta­do pa­ra que o es­pec­ta­dor pos­sa acom­pa­nhar, no ci­ne­ma, uma sim­pá­ti­ca e gos­to­sa his­tó­ria en­vol­ven­do gen­te co­mum, com pro­ble­mas co­muns.

Divulgação

Jen­ni­fer La­wren­ce e Bra­dley Co­o­per: os dois con­cor­rem ao Os­car

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.