Fra­des Ne­gros

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

ne­go­ci­a­tas – mas pa­gou mais de US$ 200 mi­lhões em in­de­ni­za­ções aos cli­en­tes do Am­bro­si­a­no. O dân­di Re­na­ti­no era che­fe da ma­fi­o­sa Ban­da del­la Ma­gli­a­na, que la­va­va di­nhei­ro no Am­bro­si­a­no. Se­gun­do sua aman­te, a me­ni­na Ema­nu­e­le foi seqües­tra­da, mor­ta e con­cre­ta­da nu­ma be­to­nei­ra por Re­na­ti­no – a man­do de Mar­cin­kus – pa­ra ame­dron­tar o pai de­la, Er­co­li Or­lan­di, fun­ci­o­ná­rio do Va­ti­ca­no que ti­ve­ra aces­so a papéis en­vol­ven­do a Igre­ja e o cri­me. Gra­ças a su­bor­nos ecle­siás­ti­cos, Re­na­ti­no foi en­ter­ra­do na Ba­sí­li­ca de San­to Apo­li­ná­rio, co­mo “ben­fei­tor dos po­bres”, ao la­do de pa­pas. O be­ne­fi­ciá­rio mais vip das fal­ca­tru­as do Am­bro­si­a­no, en­tre­tan­to, foi a Lo­ja P-2, gru­po cri­mi­no­so de di­rei­ta que te­ria re­ce­bi­do re­cur­sos pa­ra fi­nan­ci­ar ações ter­ro­ris­tas. Seus mi­li­tan­tes tra­ta­vam-se por “fra­ti ne­ri”, ou fra­des ne­gros. Em in­glês, “black­fri­ars”. Com is­so, vol­ta­mos `a pon­te de Lon­dres, dois me­ses an­tes do Am­bro­si­a­no afun­dar, dei­xan­do náu­fra­gos cli­en­tes, par­cei­ros e cúm­pli­ces. O es­cân­da­lo do Am­bro­si­a­no con­tri­buiu pa­ra re­for­çar a re­gu­la­ção pru­den­ci­al fi­nan­cei­ra no mun­do to­do, mas o pró­prio Ban­co do Va­ti­ca­no nun­ca se adap­tou `as no­vas re­gras. To­dos es­ses ca­sos ain­da es­tão em aber­to. Is­so mos­tra que não são no­vos, nem pe­que­nos, nem fá­ceis de re­sol­ver, os pro­ble­mas de ges­tão e con­tro­le no Va­ti­ca­no. Há mui­to poder e di­nhei­ro em jo­go. E imu­ni­da­de ga­ran­ti­da pe­lo Pac­to La­te­ra­nen­se, que pre­vê: “os en­tes cen­trais da Igre­ja Ca­tó­li­ca es­tão isen­tos de qual­quer in­ge­rên­cia por par­te do Es­ta­do ita­li­a­no”. É tudo o que o Di­a­bo gos­ta. Ben­to XVI con­tra­tou a con­sul­to­ria Mckin­sey pa­ra mo­der­ni­zar a ad­mi­nis­tra­ção da San­ta Sé, e de­cre­tou (com 20 anos de atra­so e sob pres­são dos EUA) uma lei an­ti­la­va­gem de di­nhei­ro ali­nha­da a pa­drões in­ter­na­ci­o­nais. Foi co­mo jo­gar le­nha na fo­guei­ra. A gu­er­ra en­tre as fac­ções in­ter­nas re­cru­des­ceu, com in­ten­so bom­bar­deio de es­cân­da­los: ven­das ir­re­gu­la­res de imó­veis, la­va­gem de di­nhei­ro, va­za­men­to de do­cu­men­tos si­gi­lo­sos, de­nún­ci­as in­ter­nas de cor­rup­ção e de­so­nes­ti­da­de, pri­são do mor­do­mo do Pa­pa, que­da do pre­si­den­te do Ban­co do Va­ti­ca­no, car­tei­ra clan­des­ti­na de imó­veis com­pra­dos com di­nhei­ro re­ce­bi­do pe­lo apoio a Mus­so­li­ni etc. Nos anos 70 e 80, en­quan­to o tru­cu­len­to Mar­cin­kus fi­nan­ci­a­va os cri­mes dos fra­des ne­gros, o eru­di­to Rat­zin­ger com­ba­tia os fra­des ver­me­lhos da Te­o­lo­gia da Li­ber­ta­ção. Am­bos se com­ple­men­ta­vam na lu­ta fí­si­ca e ide­o­ló­gi­ca con­tra o ini­mi­go co­mum, o co­mu­nis­mo. Ago­ra o ini­mi­go é ou­tro, e só po­de ser com­ba­ti­do com cho­ques de ges­tão, trans­pa­rên­cia e con­tro­les. Não é ta­re­fa pa­ra um in­te­lec­tu­al tí­mi­do. No mun­do exis­tem qua­tro ti­pos de re­gras: as dos jo­gos, as le­gais, as mo­rais e as pru­den­ci­ais. Com seus en­vol­vi­men­tos em cor­rup­ção, frau­des, as­sas­si­na­tos, la­va­gem de di­nhei­ro e pe­do­fi­lia, o Va­ti­ca­no se sub­me­te ape­nas às re­gras do seu pró­prio jo­go. Ao re­nun­ci­ar – e cair ati­ran­do – o so­li­tá­rio Ben­to XVI es­tá que­bran­do as re­gras e ten­tan­do re­de­fi­nir o jo­go con­tra o la­do es­cu­ro da for­ça. Tor­ço pa­ra que seu es­for­ço não se­ja inú­til. Tor­ço pa­ra que gângs­te­res não se­jam mais se­pul­ta­dos com hon­ras em ce­mi­té­ri­os de pa­pas. Que me­ni­nas ino­cen­tes pos­sam cru­zar em se­gu­ran­ça a pra­ça Na­vo­na. E que black­fri­ars vol­te a ser ape­nas o no­me de uma pon­te so­bre o Tâ­mi­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.