La­tro­cí­nio na Vi­la Ope­rá­ria é pri­o­ri­da­de, diz po­lí­cia

VI­O­LÊN­CIA Mau­ro Ales­san­dro Perez foi as­sas­si­na­do por du­pla que in­va­diu seu bar pa­ra rou­bar. Au­to­res do cri­me apa­ren­ta­vam ser ado­les­cen­tes. Mu­lher do co­mer­ci­an­te dis­se que ele re­a­giu

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Ro­ber­to Sil­va

rsil­va@odi­a­rio.com Uma equi­pe da Se­ção de Fur­tos e Rou­bos da 9ª Sub­di­vi­são Po­li­ci­al (SDP), de Ma­rin­gá, de­cre­tou pri­o­ri­da­de nas in­ves­ti­ga­ções da mor­te do co­mer­ci­an­te Mau­ro Ales­san­dro Perez, 42 anos, na noi­te do úl­ti­mo sá­ba­do, ao ten­tar im­pe­dir um as­sal­to em seu bar, na Vi­la Ope­rá­ria.

Atin­gi­do com três ti­ros, Perez morreu en­quan­to re­ce­bia aten­di­men­to no Hos­pi­tal San­ta Ca­sa. Um ca­sal de cli­en­tes con­fir­mou que o au­tor do dis­pa­ro por­ta­va um re­vól­ver de cor pre­ta. O ati­ra­dor foi vis­to fu­gin­do a pé em com­pa­nhia de um com­par­sa e até o fi­nal da tar­de de on­tem não ha­via si­do iden­ti­fi­ca­do.

Se­gun­do o delegado ope­ra­ci­o­nal Laér­cio Car­do­so Fahur, o cri­me acon­te­ceu por vol­ta das 20h20, depois que dois ra­pa­zes – am­bos fran­zi­nos - en­tra­ram no Bar do Fiú­za, si­tu­a­do na Ave­ni­da Lon­dri­na, 827, e da­rem voz de as­sal­to ao pro­pri­e­tá­rio. Mes­mo com uma ar­ma apon­ta­da em sua di­re­ção, Perez não se in­ti­mi­dou com a ame­a­ça e man­dou que os jo­vens saís­sem do bar. Di­an­te da re­a­ção, o as­sal­tan­te que em­pu­nha­va a ar­ma dis­pa­rou qua­tro ti­ros con­tra o co­mer­ci­an­te, fe­rin­do-o no bra­ço direto, cos­tas e pei­to. Ou­tro pro­jé­til acer­tou um por­tão.

En­quan­to os as­sal­tan­tes fu­gi­am, Perez pe­diu pa­ra que a es­po­sa Ro­si­neia Apa­re­ci­da Ven­dra­met­to aci­o­nas­se a Po­lí­cia Mi­li­tar (PM). O co­mer­ci­an­te foi so­cor­ri­do pe­lo Sa­mu e le­va­do, em es­ta­do gra­ve, pa­ra a San­ta Ca­sa, on­de morreu cer­ca de 1h depois de dar en­tra­da no pron­to-so­cor­ro.

Pri­mei­ra a che­gar no lo­cal, a PM não en­con­trou ca­su­las de­fla­gra­das no lo­cal, con­fir­man­do que o ati­ra­dor ha­via uti­li­za­do um re­vól­ver, pro­va­vel­men­te ca­li­bre .38. Es­te de­ta­lhe foi con­fir­ma­do, pos­te­ri­or­men­te, por um ca­sal que es­ta­va no bar no mo­men­to do as­sal­to e não che­gou a ser abor­da- do pe­los cri­mi­no­sos.

Em uma con­ver­sa in­for­mal com a Po­lí­cia Ci­vil, a es­po­sa do co­mer­ci­an­te dis­se que ela e o ma­ri­do as­sis­ti­am te­vê em uma área re­ser­va­da quan­do a du­pla che­gou ves­tin­do blu­sas de mo­le­ton azul e cin­za com ca­puz. Ro­si­neia con­tou que Perez le­van­tou pa­ra aten­der os ga­ro­tos quan­do re­ce­beu voz de as­sal­to. “Lo­go em se­gui­da ou­vi qua­tro ti­ros. Ao me le­van­tar pa­ra ver o que es­ta­va acon­te­cen­do, vi o meu ma­ri­do na cal­ça­da, pe­din­do pa­ra cha­mar a po­lí­cia”. Ro­si­neia ob­ser­vou que os as­sal­tan­tes se­ri­am os mes­mos que ela e o ma­ri­do vi­ram ron­dan­do o bar na vés­pe­ra de Car­na­val. Na oca­sião, se­gun­do ela, a du­pla uti­li­za­va uma mo­to de cor ver­me­lha. “Che­ga­mos a aci­o­nar a PM, mas lo­go em se­gui­da de­ci­di­mos fe­char o bar”, re­la­tou.

Com ba­se em de­poi­men­tos de tes­te­mu­nhas, a Po­lí­cia Ci­vil não des­ca­tou a hi­pó­te­se de o co­mer­ci­an­te ter si­do ba­le­a­do após re­a­gir ao as­sal­to. Com 1m97 de al­tu­ra, Perez foi clas­si­fi­ca­do por um cli­en­te co­mo for­te, bra­vo e mui­to co­ra­jo­so. “A es­po­sa dis­se acre­di­tar que ele te­nha re­a­gi­do”, afir­mou o delegado Fahur.

Tam­bém ou­vi­da pe­la Po­lí­cia Ci­vil, uma vi­zi­nha do bar con­tou ter vis­to o mo­men­to em que o co­mer­ci­an­te foi al­ve­ja­do por um ti­ro. “Eu o vi pa­ra­do na cal­ça­da, se­gu­ran­do o bra­ço fe­ri­do, e dois ga­ro­tos já a rua.De re­pen­te, o que es­ta­va ar­ma­do apon­tou o re­vól­ver con­tra ele (Perez) e ati­rou no­va­men­te”, dis­se ela.

Ain­da de acor­do com a tes­te­mu­nha, os as­sal­tan­tes en­tra­ram em um ter­re­no bal­dio que li­ga a Tra­ves­sa In­di­a­nó­po­lis com as ru­as Dir­ceu Fer­nan­des de Sou­za e Ge­ral­do Bra­ga.

Am­bas as ru­as con­flu­em na Ave­ni­da Dr. Gas­tão Vi­di­gal, on­de pro­va­vel­men­te es­ta­ria al­gum veí­cu­lo aguar­dan­do pa­ra a fu­ga. A Po­lí­cia Ci­vil dis­po­ni­bi­li­zou o te­le­fo­ne 197 ou 3218-6600 pa­ra de­nún­ci­as que pos­sam le­var à iden­ti­fi­ca­ção dos au­to­res.

Dou­glas Mar­çal

Car­taz no pré­dio em que Mau­ro Perez mo­ra­va in­for­ma so­bre o velório. Na fren­te, o bar em que o co­mer­ci­an­te foi as­sas­si­na­do no sá­ba­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.