Mo­ra­do­res as­sus­ta­dos

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Renato de Oli­vei­ra

re­na­to­o­li­vei­ra@odi­a­rio.com O cli­ma de me­do to­mou con­ta de co­mer­ci­an­tes e mo­ra­do­res da Ave­ni­da Lon­dri­na, nas ime­di­a­ções das tra­ves­sas In­di­a­ná­po­lis e Ja­pu­rá, em Ma­rin­gá, após o as­sas­si­na­to do co­mer­ci­an­te Mau­ro Fiuza, na noi­te do úl­ti­mo sá­ba­do.

A prin­ci­pal re­cla­ma­ção é quan­to à fal­ta de se­gu­ran­ça no bair­ro. De acor­do com o pro­pri­e­tá­rio de uma lan­cho­ne­te que não quis se iden­ti­fi­car, são fre­quen­tes os re­la­tos de mo­ra­do­res que ti­ve­ram a ca­sa as­sal­ta­da ou abor­da­dos na rua por mar­gi­nais. Se­gun­do ele, a fal­ta de ilu­mi­na­ção na re­gião e a au­sên­cia da po­lí­cia agra­va a si­tu­a­ção.

“Um dia, uma mu­lher des­ceu do ôni­bus e es­ta­va su­bin­do a Tra­ves­sa In­di­a­ná­po­lis e o la­drão a ar­ras­tou. Acho que ela não que­ria en­tre­gar a bol­sa. Os mar­gi­nais aqui não se in­ti­mi­dam”, dis­se o co­mer­ci­an­te, que já foi as­sal­ta­do du­as ve­zes no bair­ro, em 5 anos .

Se­gun­do o co­mer­ci­an­te, co­mo me­di­da de pre­cau­ção ele fe­cha o es­ta­be­le­ci­men­to por vol­ta das 21h. “Já pe­di­mos po­lí­cia, mas a ron­da não pas­sa por aqui. Fi­co pensando que po­de­ria ter si­do co­mi­go. Te­nho es­po­sa e três fi­lhos pa­ra cri­ar.”

Se­gun­do a do­na de ca­sa Pau­la Mar­tins, que mo­ra per­to do lo­cal do la­tro­cí­nio, é ra­ro ver uma vi­a­tu­ra da Po­lí­cia Mi­li­tar no bair­ro. Por is­so, ela não dis­pen­sa a pre­sen­ça de cães e de ca­de­a­do no por­tão. “Te­ve uma ca­sa aqui per­to que já foi rou­ba­da cin­co ve­zes. A vi­zi­nhan­ça fi­ca as­sus­ta­da. No do­min­go (um dia depois do la­tro­cí­nio), pas­sa­ram vá­ri­as vi­a­tu­ras, mas em di­as nor­mais é ra­ro.”

De acor­do com ou­tra mo­ra­do­ra do bair­ro, um ter­re­no bal­dio na Tra­ves­sa In­di­a­ná­po­lis, qua­se na es­qui­na com a Ave­ni­da Lon­dri­na, é pon­to de trá­fi­co e con­su­mo de dro­gas por jo­vens du­ran­te a noi­te. “Lo­go depois dos ti­ros, o pes­so­al co­men­tou que os dois ra­pa­zes “Te­ve uma ca­sa aqui per­to que já foi rou­ba­da cin­co ve­zes. A vi­zi­nhan­ça fi­ca as­sus­ta­da. No do­min­go (um dia depois do la­tro­cí­nio), pas­sa­ram vá­ri­as vi­a­tu­ras” cor­re­ram pa­ra o meio do ter­re­no, on­de fi­ca­ram al­gum tem­po. Não sei se são os mes­mos que es­tão sem­pre lá, mas se a po­lí­cia pas­sas­se com mais frequên­cia es­pan­ta­ri­a­e­les­da­qui”, co­men­tou.

Se­gun­do ela, os an­ti­gos in­qui­li­nos mu­da­ram da ca­sa on­de ela re­si­de depois de se­rem as­sal­ta­dos três ve­zes no mes­mo ano. “Es­tou há 1 ano aqui e ain­da não me­xe­ram co­mi­go. Mas te­nho mui­to me­do.”

Po­lí­cia Mi­li­tar

O co­man­dan­te da 1ª Com­pa­nhia Me­tro­po­li­ta­na do 4º Ba­ta­lhão de Po­lí­cia Mi­li­tar em Ma­rin­gá, ca­pi­tão Ro­ge­lho Apa­re­ci­do Fer­nan­des, uma vi­a­tu­ra é de­sig­na­da pa­ra fa­zer o po­li­ci­a­men­to os­ten­si­vo na área da Ave­ni­da Lon­dri­na. “Re­a­li­za­mos di­ver­sas ações in­ten­si­vas nos úl­ti­mos me­ses, a exem­plo de ar­ras­tão e blo­queio, que têm a par­ti­ci­pa­ção de ou­tros ór­gãos.”

De acor­do com ca­pi­tão, to­das as de­nún­ci­as de trá­fi­co e uso de dro­gas fei­tas pe­la po­pu­la­ção ao 181 (Nar­co­de­nún­cia) e 190 (Emer­gên­cia Po­lí­cia Mi­li­tar) são che­ca­das e “quan­do sus­pei­tos são fla­gra­dos com en­tor­pe­cen­tes é fei­to o de­vi­do en­ca­mi­nha­men­to à de­le­ga­cia”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.