Trân­si­to re­gis­tra mais ho­mi­cí­di­os cul­po­sos em 2012

Na re­gião de Ma­rin­gá, al­ta des­te ti­po de ocor­rên­cia foi de 13,74% no ano pas­sa­do, va­lor se­me­lhan­te ao re­gis­tra­do no Es­ta­do; im­pru­dên­cia se­gue co­mo prin­ci­pal cau­sa

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO - Van­da Mu­nhoz

van­da@odi­a­rio.com O nú­me­ro de ho­mi­cí­di­os cul­po­sos no trân­si­to da re­gião de Ma­rin­gá su­biu 13,74% em 2012 no com­pa­ra­ti­vo com 2011. Os da­dos são da Co­or­de­na­do­ria de Aná­li­se e Pla­ne­ja­men­to Es­tra­té­gi­co (Ca­pes) da Se­cre­ta­ria de Es­ta­do de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. No Pa­ra­ná fo­ram 2.555 re­gis­tros de ho­mi­cí­di­os - au­men­to de 13,40% em re­la­ção a 2011.

Pa­ra or­ga­ni­za­ção das es­ta­tís­ti­cas, a se­cre­ta­ria di­vi­de o Pa­ra­ná em 20 Áre­as In­te­gra­das de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca (AISP). A de Ma­rin­gá con­ta com 24 mu­ni­cí­pi­os. En­tre es­tas ci­da­des, Ma­rin­gá li­de­rou o ran­king em 2012, com 70 mor­tes. Em se­gun­do lu­gar es­tá Pai­çan­du, com 24 mor­tes, se­gui­do de Sa­ran­di, com 12, e Ma­ri­al­va, com 11. São con­si­de­ra­dos ho­mi­cí­di­os cul­po­sos aque­les em que a Jus­ti­ça en­ten­de que não hou­ve, por par­te da pes­soa que pro­vo­cou o aci­den­te, a in­ten­ção de matar.

Se na re­gião Ma­rin­gá li­de­ra a lis­ta, a si­tu­a­ção se in­ver­te no com­pa­ra­ti­vo com ou­tras ci­da­des do Es­ta­do. Em Pon­ta Gros­sa, por exem­plo, ci­da­de com 311.611 ha­bi­tan­tes, fo­ram re­gis­tra­dos 86 ho­mi­cí­di­os, an­te 70 em Ma­rin­gá, com 357.077 ha­bi­tan­tes. Em Cas­ca­vel, com 286.205 ha­bi­tan­tes, hou­ve 109 cri­mes. Em Lon­dri­na, com 506.701 ha­bi­tan­tes, fo­ram re­gis­tra­das 126 si­tu­a­ções. Em Cu­ri­ti­ba, com 1.751.907 ha­bi­tan­tes, fo­ram 238 ca­sos. O nú­me­ro de ha­bi­tan­tes é ba­se­a­do no Cen­so 2010 do Instituto Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE).

Pa­ra o delegado Pau­lo Cé­sar da Sil­va, da De­le­ga­cia de Trân­si­to e Es­te­li­o­na­to de Ma­rin­gá, a cau­sa do au­men­to de mor­tes no trân­si­to se de­ve à fal­ta de cui­da­do dos mo­to­ris­tas. “É pre­ci­so pu­ni­ção mai­or, pois há mui­ta im­pru­dên­cia e al­ta ve­lo­ci­da­de”, ob­ser­va. Se­gun­do Sil­va, é pre­ci­so tam­bém se pre­o­cu­par com as le­sões cor­po­rais que, mui­tas ve­zes, re­sul­tam em se­que­las gra­ves.

O au­men­to de veí­cu­los nas ru­as e ro­do­vi­as tam­bém de­ve ser con­si­de­ra­do, se­gun­do Sil­va. A fro­ta ma­rin­ga­en­se cres­ceu 6,2% em 2012, en­quan­to a pa­ra­na­en­se au­men­tou 7%. “Com mai­or nú­me­ro, as pos­si­bi­li­da­des de aci­den­tes são mui­to mai­o­res”, com­ple­ta o delegado.

O te­nen­te Cláudio Pe­rei­ra da Ro­cha, co­man­dan­te do Pe­lo­tão de Trân­si­to do 4º Ba­ta­lhão de Po­lí­cia Mi­li­tar, re­for­ça que a im­pru­dên­cia ain­da é a mai­or res­pon­sá­vel pe­los aci­den­tes de trân­si­to. “Se­ja a im­pru­dên­cia do con­du­tor, se­ja no des­res­pei­to às nor­mas de trân­si­to, na in­ges­tão ir­res­pon­sá­vel de be­bi­da al­coó­li­ca e con­du­ção de veí­cu­lo, ou até mes­mo de ci­clis­tas ou pe­des­tres que tran­si­tam ou atra­ves­sam as vi­as em lo­cais im­pró­pri­os”, ob­ser­va.

Na opi­nião de­le, a re­du­ção de aci­den­tes vai além da atu­a­ção das agên­ci­as pú­bli­cas de se­gu­ran­ça. “A di­mi­nui­ção só ocor­re­rá a par­tir do mo­men­to em que hou­ver uma mu­dan­ça de com­por­ta­men­to do ser hu­ma­no, pois os veí­cu­los es­tão ca­da vez mais po­ten­tes e ve­lo­zes e é o ser hu­ma­no que de­ve ter o con­tro­le da má­qui­na, e não se dei­xar do­mi­nar por ela, co­lo­can­do em ris­co sua pró­pria vi­da e de ter­cei­ros”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.