Ar­ti­lhei­ro no São Pau­lo, Jad­son co­me­mo­ra fa­se

Meia, que mar­cou cin­co gols na tem­po­ra­da, su­pe­rou a desconfiança da tor­ci­da e ven­ceu a con­cor­rên­cia com o ex-san­tis­ta Gan­so por ti­tu­la­ri­da­de na equi­pe

O Diario do Norte do Parana - - ESPORTES - Fer­nan­do Fa­ro

Se o São Pau­lo ain­da não en­gre­nou na tem­po­ra­da e al­guns jo­ga­do­res es­tão lon­ge de apre­sen­tar o fu­te­bol do ano pas­sa­do, o mes­mo não po­de ser di­to de Jad­son. Au­tor de um dos gols na vi­tó­ria so­bre o Itu­a­no, no úl­ti­mo sá­ba­do, no Mo­rum­bi, o meia che­gou a cin­co na tem­po­ra­da, iso­lou-se co­mo ar­ti­lhei­ro são-pau­li­no em 2013 e con­fir­mou que­vi­veu­mó­ti­mo­mo­men­to.

As bo­as atu­a­ções fi­ze­ram com que ele ven­ces­se a dis­pu­ta com Gan­so por um lu­gar en­tre os ti­tu­la­res e con­tra­ri­as­se as ex­pec­ta­ti­vas de qu­em es­pe­ra­va ver o ex-san­tis­ta na equi­pe no co­me­ço do ano. Mes­mo ten­do ter­mi­na­do a tem­po­ra­da pas­sa­da co­mo um dos prin­ci­pais no­mes na cam­pa­nha vi­to­ri­o­sa na Co­pa Sul-Ame­ri­ca­na, Jad­son viu na con­cor­rên­cia uma ame­a­ça e tra­ba­lhou for­te pa­ra pre­ser­var seu es­pa­ço. “Já che­guei com o pen­sa­men­to de dar o meu me­lhor por­que sa­bia que o Ney Fran­co fa­ria es­ses tes­tes e nos­so elen­co tem mui­tas op­ções de qua­li­da­de”, re­ve­lou. “Ho­je a tor­ci­da re­co­nhe­ce meu va­lor e fi­co mui­to fe­liz, por­que tra­ba­lho mui­to pa­ra jo­gar bem”

A si­tu­a­ção é opos­ta à vi­vi­da por ele no ano pas­sa­do, quan­do re­tor­nou ao Bra­sil após se­te anos no Shakh­tar Do­netsk, da Ucrâ­nia, e so­freu com a re­a­dap­ta­ção ao fu­te­bol bra­si­lei­ro. Jad­son che­gou a ser afas­ta­do pe­lo en­tão téc­ni­co Emer­son Leão, mas deu a vol­ta por ci­ma sob a ba­tu­ta de Ney Fran­co. “É cla­ro que a con­fi­an­ça es­tá al­ta, mas nem por is­so pos­so me aco­mo­dar. Evo­luí mui­to a par­tir do se­gun­do se­mes­tre e es­pe­ro al­can­çar ain­da mais”, ava­li­ou o jo­ga­dor. Ou­tra bar­rei­ra der­ru­ba­da foi a desconfiança do tor­ce­dor são-pau­li­no, que de­mo­rou a lhe dar va­lor. “Ho­je a tor­ci­da re­co­nhe­ce meu va­lor e fi­co mui­to fe­liz, por­que tra­ba­lho mui­to pa­ra jo­gar bem”, ad­mi­tiu Jad­son, que vi­rou ti­tu­lar ab­so­lu­to do ti­me. As fre­quen­tes com­pa­ra­ções en­tre Jad­son e Gan­so es­tão lon­ge de pro- vo­car des­con­for­to no re­la­ci­o­na­men­to dos dois. Pe­lo con­trá­rio. Eles são bas­tan­te pró­xi­mos e se res­pei­tam. “Te­mos uma re­la­ção mui­to boa, con­ver­sa­mos bas­tan­te e até jo­ga­mos vi­de­o­ga­me on­li­ne quan­do não es­ta­mos na con­cen­tra­ção. Às ve­zes, al­gu­mas pes­so­as ten­tam co­lo­car es­sa ques- tão de ri­va­li­da­de, mas não exis­te na­da dis­so”, dis­se Jad­son, que te­rá a com­pa­nhia de Gan­so no jo­go des­ta qu­ar­ta-fei­ra, con­tra o São Ca­e­ta­no, pe­lo Pau­lis­tão. Jad­son es­pe­ra que a par­ti­da em São Ca­e­ta­no do Sul mar­que o iní­cio de uma no­va era no clube. “Tem tudo pra dar cer­to, o Gan­so é um gran­de jo­ga­dor e nos aju­dou mui­to con­tra o Itu­a­no. É dis­so que ele pre­ci­sa, des­sa con­fi­an­ça pa­ra con­ti­nu­ar jo­gan­do e cres­cen­do. Não te­mos pro­ble­mas jo­gan­do jun­tos por­que quan­do um ata­ca o ou­tro fi­ca mais. Te­nho cer­te­za de que va­mos nos en­ten­der”, afir­mou o meia.

Jf Di­o­rio/ AE

Jo­gan­do bem e mar­can­do gols, meia pas­sa pe­la me­lhor fa­se des­de que che­gou ao clube no ano pas­sa­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.