OPI­NIÃO

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Con­si­de­ran­do que o nos­so país tem uma gran­de di­ver­si­da­de re­li­gi­o­sa, qual a im­por­tân­cia da dis­ci­pli­na de en­si­no re­li­gi­o­so nas es­co­las? E co­mo de­vem ser re­pas­sa­dos es­tes en­si­na­men­tos aos alu­nos?

Po­de­mos to­mar a Lei de Di­re­tri­zes e Ba­ses da Edu­ca­ção Na­ci­o­nal co­mo pon­to de par­ti­da pa­ra uma re­fle­xão so­bre o te­ma. 1 – É afir­ma­do que o en­si­no re­li­gi­o­so é “par­te in­te­gran­te da for­ma­ção do ci­da­dão”. A pró­pria no­ção de edu­ca­ção exi­ge uma re­la­ção en­si­no-apren­di­za­gem que con­tri­bua pa­ra a for­ma­ção da pes­soa to­da, com O ter­mo “au­la de re­li­gião” foi his­to­ri­ca­men­te en­si­na­do nos pa­râ­me­tros do cris­ti­a­nis­mo ca­tó­li­co e já foi le­gal­men­te su­pe­ra­do na Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral de 1988, ar­ti­go 210, e na Lei 9475/97. A Lei de Di­re­tri­zes e Ba­ses da Edu­ca­ção Na­ci­o­nal es­ta­be­le­ce que: “o en­si­no re­li­gi­o­so, de ma­trí­cu­la fa­cul­ta­ti­va, é par­te in­te­gran­te da for­ma­ção do ci­da­dão, cons­ti­tui dis­ci­pli­na dos ho­rá­ri­os nor­mais das es­co­las pú­bli­cas de en­si­no fun­da­men­tal, as­se­gu­ran­do o res­pei­to à di­ver­si­da­de cul­tu­ral e re­li­gi­o­sa do Bra­sil, ve­da­das quais­quer for­mas de pro­se­li­tis­mo”. A equi­pe do Diá­rio na Es­co­la con­ver­sou com o ar­ce­bis­po de Ma­rin­gá Dom Anu­ar Bat­tis­ti pa­ra sa­ber o po­si­ci­o­na­men­to de­le so­bre es­te as­sun­to to­das as su­as di­men­sões: fí­si­ca, in­te­lec­tu­al, mo­ral e tam­bém es­pi­ri­tu­al. Uma edu­ca­ção que se li­mi­te a um ou ape­nas al­guns as­pec­tos do “hu­ma­no”, é re­du­ti­va, não po­de ser cha­ma­da de edu­ca­ção pa­ra um hu­ma­nis­mo in­te­gral. O en­si­no re­li­gi­o­so, por­tan­to, é par­te da for­ma­ção do ci­da­dão e é um de­ver da es­co­la ofe­re­cê-la, com qua­li­da­de, nos pa­râ­me­tros es­ta­be­le­ci­dos pe­la lei. 2 – Fa­cul­ta­ti­va é a ma­trí­cu­la na dis­ci­pli­na. De­ver da es­co­la, di­rei­to do es­tu­dan­te. Mas ca­be ao es­tu­dan­te, se for de mai­or ida­de, ou a seus pais ou res­pon­sá­veis, se for de me­nor. Es­sa es­co­lha a fa­mí­lia fa­rá le­van­do em con­ta su­as con­vic­ções re­li­gi­o­sas e o que efe­ti­va­men­te é ofe­re­ci­do pe­la es­co­la. 3 – No en­si­no, dois cri­té­ri­os ge­rais são in­di­ca­dos: o res­pei­to à plu­ra­li­da­de – di­ver­si­da­de re­li­gi­o­sa e cul­tu­ral – e a proi­bi­ção do pro­se­li­tis­mo (es­for­ço de fa­zer uma pes­soa ade­rir a um de­ter­mi­na­do cre­do). A di­ver­si­da­de re­li­gi­o­sa e cul­tu­ral é o cri­té­rio po­si­ti­vo. A cul­tu­ral é mais am­pla e con­tem­pla a pos­si­bi­li­da­de de in­cluir a uni­da­de re­li­gi­o­sa. Por exem­plo: há eu­ro­peus ca­tó­li­cos, afri­ca­nos ca­tó­li­cos, sul-ame­ri­ca­nos ca­tó­li­cos... A di­ver­si­da­de re­li­gi­o­sa é que pre­ci­sa ser me­lhor com­pre­en­di­da do pon­to de vis­ta da dis­ci­pli­na do en­si­no re­li­gi­o­so. Se a es­co­la ofe­re­ce ape­nas uma mo­da­li­da­de de en­si­no re­li­gi­o­so, ele pre­ci­sa­ria fi­car nos ele­men- tos co­muns a to­das as re­li­giões das quais os alu­nos da­que­la, ou sua fa­mí­lia, são mem­bros. Nes­te ca­so, as au­las de­ve­ri­am tra­tar da re­li­gião em seu sen­ti­do an­tro­po­ló­gi­co. 4 - O acor­do Bra­sil – San­ta Sé, no ar­ti­go 11 rei­te­ra a im­por­tân­cia do en­si­no re­li­gi­o­so pa­ra a for­ma­ção da pes­soa e ex­pres­sa as­sim a ques­tão: “§1º. O en­si­no re­li­gi­o­so, ca­tó­li­co e de ou­tras con­fis­sões re­li­gi­o­sas, de ma­trí­cu­la fa­cul­ta­ti­va, cons­ti­tui dis­ci­pli­na dos ho­rá­ri­os nor­mais das es­co­las pú­bli­cas de en­si­no fun­da­men­tal, as­se­gu­ra­do o res­pei­to à di­ver­si­da­de cul­tu­ral re­li­gi­o­sa do Bra­sil, em con­for­mi­da­de com a Cons­ti­tui­ção e as ou­tras leis vi­gen­tes, sem qual­quer for­ma de dis­cri­mi- na­ção”. A di­fe­ren­ça prin­ci­pal é a ex­pres­são: “ca­tó­li­co ou de ou­tras con­fis­sões re­li­gi­o­sas”. É nor­mal es­sa ex­pli­ci­ta­ção, pois se tra­ta de um acor­do com a San­ta Sé. Mas não é só es­sa a no­vi­da­de: aí se in­clui a pre­vi­são de um en­si­no re­li­gi­o­so não a-con­fes­si­o­nal. Es­sa pro­pos­ta pre­vê a ofer­ta de en­si­no re­li­gi­o­so plu­ral na es­co­la, pa­ra que os es­tu­dan­tes, ou seus pais, pos­sam fa­zer uma op­ção en­tre mais de uma pos­si­bi­li­da­de. Aqui a dis­cus­são é gran­de, não po­de­mos apre­sen­tar to­das as ten­dên­ci­as. Nós sus­ten­ta­mos, por­tan­to, o di­rei­to uni­ver­sal ao en­si­no re­li­gi­o­so, de ma­trí­cu­la fa­cul­ta­ti­va. Mas pos­tu­la­mos a con­fes­si­o­na­li­da­de des­se en­si­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.