Ro­me­no

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

fez sa­ber que se sen­tia re­com­pen­sa­do por meio de sua ex­tra­or­di­ná­ria atriz. A es­co­lha do me­lhor ator foi hon­ro­sa, mas não dei­xa de co­lo­car um pro­ble­ma. Na­zif Mu­jic não é um ator pro­fis­si­o­nal e re­cons­ti­tui di­an­te da câ­me­ra, em Un Episode in “The Li­fe of and Iron Pi­ker”, o que ocor­reu com sua mu­lher e ele na vi­da re­al. O jú­ri atri­bui dois prê­mi­os ao be­lo fil­me de Da­nis Ta­no­vic - além do de me­lhor ator, jus­ta­men­te seu prê­mio es­pe­ci­al (o do jú­ri).

A ques­tão que per­ma­ne­ce em aber­to é - até que pon­to é lí­ci­to pre­mi­ar um não ator, num do­cu­dra­ma? É mui­to pos­sí­vel que te­nha si­do um prê­mio con­cei­tu­al. O jú­ri po­de­ria ter es­co­lhi­do en­tre ou­tras atri­zes, por­que o Fes­ti­val de Ber­lim de 2013 te­ve mui­tas mu­lhe­res for­tes, tan­to as per­so­na­gens co­mo su­as in­tér­pre­tes. Já os ho­mens, em sua mai­o­ria, fo­ram fra­cos e is­so, de al­gu­ma for­ma, se re­fle­tiu na qua­li­da­de das in­ter­pre­ta­ções mas­cu­li­nas. Ao es­co­lher um dos ra­ros ho­mens ín­te­gros e for­tes da Ber­li­na­le - e um que in­ter­pre­ta­va o pró­prio pa­pel -, o jú­ri com cer­te­za quis pas­sar um re­ca­do.

Da­nis Ta­no­vic e a pro­du­to­ra de Child?s Po­se fi­ze­ram, de qual­quer ma­nei­ra, os dis­cur­sos mais be­los da noi­te. O fil­me de Ta­no­vic é so­bre o es­for­ço des­se ho­mem, um cigano, pa­ra sal­var a vi­da da mu­lher. Ela abor­tou e pre­ci­sa com ur­gên­cia de uma cu­re­ta­gem pa­ra evi­tar a sep­ti­ce­mia, mas Za­nif, que vi­ve de ca­tar fer­ro, não tem di­nhei­ro nem se­gu­ro so­ci­al. Ini­cia-se uma ver­da­dei­ra vi­a­crú­cis, ri­go­ro­sa­men­te re­al, pa­ra o ca­sal. A ma­nei­ra co­mo eles re­sol­vem o pro­ble­ma é en­ge­nho­sa e dei­xa aber­ta ou­tra ques­tão - se o sis­te­ma é dis­cri­mi­na­dor e cruel, co­mo co­brar éti­ca das pes­so­as? Quan­do o fil­me pas­sar no Bra­sil, vo­cês vão des­co­brir o que Na­zif e a mu­lher fa­zem pa­ra dri­blar o poder e seus re­pre­sen­tan­tes.

Ta­no­vic, que já ga­nhou o Os­car de fil­me es­tran­gei­ro - com “Ter­ra de Nin­guém”, der­ro­tan­do Ame­lie Pou­lain, fa­vo­ri­to na­que­le ano -, é tam­bém um ami­go da Mos­tra, que já es­te­ve al­gu­mas ve­zes no Bra­sil (e em São Pau­lo). Em seu dis­cur­so, ele dis­se que es- pe­ra vol­tar um dia a Ber­lim com um fil­me mais alegre que es­se. Já a pro­du­to­ra de Child?s Po­se apro­vei­tou pa­ra cri­ti­car a cen­su­ra - não a po­lí­ti­ca, mas a econô­mi­ca. O que ela dis­se va­le pa­ra a Ro­mê­nia, o Bra­sil, pro­va­vel­men­te pa­ra os EUA. Há uma di­ta­du­ra do mer­ca­do que es­tá re­du­zin­do ca­da vez mais o es­pa­ço do ci­ne­ma in­de­pen­den­te de ar­te.

O pró­prio Wong Kar-wai, an­tes de anun­ci­ar o ven­ce­dor, fez uma de­cla­ra­ção im­por­tan­te. “Nos­so jú­ri não se pre­o­cu­pou em jul­gar os fil­mes nem mes­mo em cri­ti­cá-los. O que nos mo­veu foi o de­se­jo de apoi­ar os fil­mes de que mais gos­ta­mos.” O jú­ri gos­tou mais de ‘Child?s Po­se’ que de ‘Glo­ria’. O prê­mio de atriz foi hon­ro­so, mas se po­de ob­je­tar que tal­vez não te­nha si­do su­fi­ci­en­te pa­ra o úni­co fil­me que, no qua­dro de co­ta­ções do fes­ti­val, ob­te­ve a co­ta­ção má­xi­ma. Os de­mais, in­cluin­do os ven­ce­do­res, fi­ca­ram sem­pre uma es­tre­la abai­xo.

Divulgação

“Child’s Po­se”, de Ca­lin Pe­ter Net­zer: mai­o­ria es­pe­ra­va Ur­so de Ou­ro pa­ra o chi­le­no “Glo­ria”

Divulgação

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.