A ga­li­nha pin­ta­di­nha - fi­nal*

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

A mé­tri­ca é fi­xa, de se­te sí­la­bas poé­ti­cas (re­don­di­lhas mai­o­res), metro mais po­pu­lar da lín­gua por­tu­gue­sa (“Ati­rei o pau no ga­to”, “Ba­ta­ti­nha quan­do nas­ce”, “Quan­do olhei a ter­ra ar­den­do”). O con­fli­to da se­gun­da es­tro­fe se dá com a do­en­ça da ga­li­nha se­gui­da da in­di­fe­ren­ça do ga­lo. Pa­re­ce cla­ro que, es­tan­do a fê­mea im­pos­si­bi­li­ta­da de cum­prir sua fun­ção re­pro­du­to­ra, não tem mais prés­ti­mo pa­ra o ma­cho. As cri­as são apre­sen­ta­das na can­ção já em ce­ná­rio de ner­vo­sis­mo (“cor­ren­do”), evi­den­ci­an­do o quão trau­má­ti­ca po­de ser pa­ra os fi­lhos a ins­ti­tui­ção fa­mi­li­ar ba­se­a­da num ca­sa­men­to dis­fun­ci­o­nal. O de­sar­ran­jo do con­teú­do da can­ção é acom­pa­nha­do pe­la mu­dan­ça abrup­ta da for­ma, que dei­xa as re­don­di­lhas e pas­sa a ter ver­sos de metro ir­re­gu­lar. A ter­cei­ra e mais enig­má­ti­ca es­tro­fe re­ve­la, co­mo ele­men­tos de cu­ra da ga­li­nha, um pe­ru, um uru­bu e a pe­na de um pa­vão. Pa­ra aju­dar­nos a en­ten­der as me­tá­fo­ras, faz­se útil pen­sar nas lem­bran­ças mais co­muns quan­do o no­me des­sas aves vem à to­na. O pe­ru po­de de­sig­nar a ge­ni­tá­lia mas­cu­li­na e é um ali­men­to tra­di­ci­o­nal­men­te ser­vi­do (mor­to) no Na­tal (da­ta que celebra a vi­da e a re­den­ção); o uru­bu é uma ave car­ni­cei­ra; o pa­vão, as­so­ci­a­do à vai­da­de, é no­tó­rio pe­la be­le­za de su­as pe­nas. Tem-se aqui a cla­ra men­sa­gem de que, pa­ra o re­nas­ci­men­to da ga­li­nha, tor­na-se ne­ces­sá­ria uma mor­te – o fim do ma­trimô­nio. Es­sa no­va vi­da se­rá ca­rac­te­ri­za­da pe­la ati­vi­da­de se­xu­al in­ten­sa, des­vin­cu­la­da da ne­ces­si­da­de pro­cri­a­do­ra, e pe­la au­to­es­ti­ma da per­so­na­gem fe­mi­ni­na ele­va­da com o fim do re­pre­sa­men­to de sua vai­da­de, sub­ju­ga­da pe­lo pe­so de anos de con­vi­vên­cia com um ma­cho opres­sor. A ga­li­nha é uma ga­li­nha – no sen­ti­do do ter­mo em­pre­ga­do com car­ga pe­jo­ra­ti­va – e gos­ta de si mes­ma sen­do as­sim. A or­dem se res­ta­be­le­ce com a li­vre ga­li­nha­gem, e o metro po­de vol­tar à for­ma fi­xa das re­don­di­lhas. Con­cluí­mos que o pro­je­to “A ga­li­nha pin­ta­di­nha”, ape­sar de lou­vá­vel na me­di­da em que de­fen­de uma vi­são fa­mi­li­ar pro­gres­sis­ta e pre­ga a eman­ci­pa­ção fe­mi­ni­na, de­ve ser ex­pos­to com cau­te­la às cri­an­ças. Re­co­men­da­se o uso de no­tas ex­pli­ca­ti­vas e con­tex­tu­a­li­za­ção his­tó­ri­ca, pois a ex­po­si­ção não as­sis­ti­da a um tex­to li­te­rá­rio tão in­ten­so po­de ge­rar in­com­pre­en­são de con­sequên­ci­as ma­lé­fi­cas em me­no­res de 14 anos. De­ve­mos cui­dar pa­ra que as jus­tas rei­vin­di­ca­ções de to­le­rân­cia se­xu­al e equi­da­de en­tre ho­mens e mu­lhe­res não se­jam des­vir­tu­a­das e com­pre­en­di­das co­mo me­ros li­be­los po­lí­ti­cos ex­tre­mis­tas em­be­bi­dos de ra­di­ca­lis­mos an­ti­ma­tri­mo­ni­ais.” Es­ta crô­ni­ca é de­di­ca­da a to­dos os es­tu­dan­tes de Li­te­ra­tu­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.