As li­ções da re­nún­cia do pa­pa

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

A re­nún­cia do Pa­pa Ben­to XVI vem ao en­con­tro de um as­sun­to que tra­tei re­cen­te­men­te em mi­nhas au­las. Abor­dá­va­mos “An­te­ce­den­tes da Ad­mi­nis­tra­ção” - em su­ma, acon­te­ci­men­tos ou pe­río­dos da his­tó­ria cor­re­la­ci­o­na­dos com a te­o­ria ad­mi­nis­tra­ti­va an­te­ri­o­res a Tay­lor e Fayol, am­bos cri­a­do­res da Te­o­ria Clás­si­ca.

A igre­ja ca­tó­li­ca sem­pre foi ti­da co­mo exem­plo de hi­e­rar­quia for­te, con­tro­le rí­gi­do e cen­tra­li­za­ção, ci­tan­do a ins­ti­tui­ção se­cu­lar que con­se­guiu ex­pan­dir su­as fron­tei­ras de atu­a­ção em uma épo­ca ca­rac­te­ri­za­da pe­las cor­po­ra­ções de ofí­cio, ar­te­sões e pe­que­nas al­dei­as com pou­ca ou ne­nhu­ma comunicação en­tre si. Car­de­ais, pa­tri­ar­cas, ar­ce­bis­pos, bis­pos e pa­dres com­põem o in­trin­ca­do or­ga­no­gra­ma com­pos­to por car­gos co­mo pre­fei­to da Con­gre­ga­ção pa­ra os Ins­ti­tu­tos de Vi­da Con­sa­gra­da e as So­ci­e­da­des de Vi­da Apos­tó­li­ca e Vi­ce-Pre­si­den­te do Con­se­lho Epis­co­pal La­ti­no-Ame­ri­ca­no, só pa­ra ci­tar al­guns exem­plos.

Nes­te ti­po de or­ga­ni­za­ção, tam­bém de­no­mi­na­do me­ca­ni­cis­ta, re­gras, pro­ce­di­men­tos e bu­ro­cra­cia são a tô­ni­ca, ge­ran­do um sis­te­ma apá­ti­co, len­to e ine­fi­ci­en­te, mo­vi­do a fa­vo­res e in­fluên­ci­as po­lí­ti­cas, ci­ta­das co­mo uma das ra­zões da re­nún­cia. No ou­tro opos­to, as or­ga­ni­za­ções or­gâ­ni­cas apre­sen­tam fle­xi­bi­li­da­de e es­ti­mu­lo à ino­va­ção e cri­a­ti­vi­da­de, tí­pi­cas das atu­ais star­tups e em­pre­sas de internet. Em épo­cas de re­des so­ci­ais e mi­cro­blogs, não é sur­pre­sa que as em­pre­sas do se­gun­do gru­po te­nham mai­or su­ces­so.

A igre­ja tam­bém nos le­va a pen­sar so­bre a ques­tão da mis­são, vi­são e va­lo­res das or­ga­ni­za­ções. Du­ra­dou­ras - até cer­to pon­to, já que não se po­de mu­dá-las na mes­ma ve­lo­ci­da­de das pro­mo­ções de ven­das - po­dem e de­vem ser re­vis­tas pe­ri­o­di­ca­men­te, ava­li­an­do-se os ce­ná­ri­os e ten­dên­ci­as, as­sim co­mo seus im­pac­tos e pos­si­bi­li­da­de de ocor­rên­cia. É clás­si­co o ar­ti­go de The­o­do­re Le­vitt, “Mi­o­pia em Mar­ke­ting”, pu­bli­ca­do nos anos 60, men­ci­o­nan­do a der­ro­ca­da do sis­te­ma fer­ro­viá­rio nos Es­ta­dos Uni­dos, até en­tão in­su­pe­rá­vel e in­subs­ti­tuí­vel meio de trans­por­te.

Avan­ce­mos al­gu­mas dé­ca­das até a épo­ca dos fil­mes de 24 ou 36 po­ses, in­dis­pen­sá­veis em qual­quer vi­a­gem, ca­sa­men­to ou fes­ti­nha de ani­ver­sá­rio. Sua cri­a­do­ra e lí­der é ho­je uma som­bra do im­pé­rio que foi no pas­sa­do, le­van­do-se em con­si­de­ra­ção o com­pe­ti­ti­vo mer­ca­do de ima­gens di­gi­tais. Seus exe­cu­ti­vos, pre­o­cu­pa­dos em pro­te­ger seus em­pre­gos ou tal­vez des­de­nhan­do a no­va e in­ci­pi­en­te tec­no­lo­gia, fo­ram en­go­li­dos pe­los no­vos en­tran­tes. Dis­cos de vi­nil, CDs e DVDs se­gui­ram a mes­ma tri­lha, jun­to com li­vros e jor­nais im­pres­sos.

Um pa­ra­le­lo po­de ser fei­to com a Igre­ja Ca­tó­li­ca no Bra­sil. Le­van­ta­men­to re­a­li­za­do pe­lo Instituto Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), mos­tra que o país foi a na­ção que mais per­deu fiéis nas úl­ti­mas dé­ca­das. Em 1970, mais de 90% dos bra­si­lei­ros se di­zi­am ca­tó­li­cos, nú­me­ro ho­je que mal che­ga aos 65%. Gran­de par­te des­tes fiéis mi­grou pa­ra as igre­jas cris­tãs pen­te­cos­tais, as quais pas­sa­ram de me­ros 5% pa­ra mais de 20% no pe­río­do, não obs­tan­te os es­for­ços de pa­dres co­mo Mar­ce­lo Ros­si e seu mo­vi­men­to de Re­no­va­ção Ca­ris­má­ti­ca.

En­fim, qual­quer exe­cu­ti­vo pre­o­cu­par-se-ia com per­da de cli­en­tes, que­da na par­ti­ci­pa­ção de mer­ca­do, pro­du­tos e ser­vi­ços des­gas­ta­dos, es­tru­tu­ra hi­e­rár­qui­ca en­ges­sa­da, ex­ces­so de bu­ro­cra­cia, fal­ta de ino­va­ção, dis­si­dên­ci­as in­ter­nas, es­cân­da­los po­lí­ti­cos e fi­nan­cei­ros, ape­sar da mar­ca e tra­di­ção qua­se ina­ba­lá­veis.

De ma­nei­ra ge­ne­ra­lis­ta, es­te se­rá o ce­ná­rio que en­con­tra­rá o pró­xi­mo pa­pa. Ape­sar da fu­ma­ça bran­ca tão es­pe­ra­da com o fim do con­cla­ve, o man­da­to se­rá ca­rac­te­ri­za­do por tro­vo­a­das, nu­vens ne­gras e de­sa­fi­os, com­pa­rá­vel aos mais ba­da­la­dos e bem re­mu­ne­ra­dos CEOs, os quais pa­gam com o pró­prio car­go re­sul­ta­dos abai­xo do es­pe­ra­do. Is­to era im­pen­sá­vel na Igre­jaC. Ho­je não mais, gra­ças a Ben­to XVI.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.