Mu­ni­cí­pio es­tá con­tra­tan­do

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Alan Maschio

alan­mas­chio@odi­a­rio.com O fa­to de Ma­rin­gá ser um po­lo ma­cro-re­gi­o­nal em saú­de – o que faz com que a ci­da­de re­ce­ba mui­tos mé­di­cos com atu­a­ção já de­fi­ni­da em car­rei­ras no se­tor pri­va­do – ex­pli­ca a di­fe­ren­ça en­tre a proporção de pro­fis­si­o­nais ca­das­tra­dos no Con­se­lho Re­gi­o­nal de Me­di­ci­na na ci­da­de e a dos que atu­am pe­lo Sis­te­ma Úni­co de Saú­de (SUS).

A ava­li­a­ção é do se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Saú­de, An­to­nio Car­los Nar­di, que tam­bém faz uma res­sal­va com re­la­ção à pes­qui­sa do Con­se­lho Fe­de­ral. “Le­van­ta­men­tos as­sim não de­pu­ram as ca­rac­te­rís­ti­cas de atu­a­ção dos mé­di­cos em uma ci­da­de. Por­tan­to é ar­ris­ca­do usá-los co­mo re­fe­rên­cia pa­ra um ran­que­a­men­to.”

Pa­ra Nar­di, a re­la­ção de 1,69 mé­di­co pa­ra ca­da mil ha­bi­tan­tes en­con­tra­da em Ma­rin­gá é “sa­tis­fa­tó­ria, mas ain­da in­su­fi­ci­en­te”, con­si­de­ran­do-se a quan­ti­da­de de pes­so­as de fo­ra da ci­da­de que bus­cam aten­di­men­to mé­di­co no mu­ni­cí­pio. “Por is­so es­ta­mos re­a­li­zan­do dois con­cur­sos, pe­los quais de­ve ser con­tra­ta­da par­te da quan­ti­da­de em fal­ta ho­je na re­de mu­ni­ci­pal”, com­ple­ta.

Os edi­tais pre­ve­em a con­tra­ta­ção de mé­di­cos pa­ra o Pro­gra­ma Saú­de da Fa­mí­lia (PSF) e pa­ra a re­de con­ven­ci­o­nal. Ho­je Ma­rin­gá con­ta com 66 equi­pes do PSF – 14 de­las ain­da sem mé­di­co -, e o se­cre­tá­rio es­ti­ma que a re­de pre­ci­se de ou­tros 12 pro­fis­si­o­nais. “As­sim es­ta­re­mos com nos­so qua­dro com­ple­to”, diz. As pro­vas se­rão re­a­li­za­das no dia 10 de mar­ço.

Nar­di tam­bém acre­di­ta que ques­tões sa­la­ri­ais já ti­ve­ram in­fluên­cia so­bre a quan­ti­da­de de mé­di­cos que atu­am pe­lo sis­te­ma pú­bli­co. “Ho­je, em Ma­rin­gá, is­so não in­ter­fe­re mais. Além da re­mu­ne­ra­ção, as con­di­ções de tra­ba­lho tam­bém são A re­mu­ne­ra­ção do se­tor pri­va­do atu­al­men­te é me­lhor que a do SUS, o que le­va a mai­o­ria dos mé­di­cos a fi­car a mais tem­po no sis­te­ma pri­va­do. Mas mui­tas ve­zes vo­cê não con­se­gue de­ter­mi­nan­tes pa­ra atrair um pro­fis­si­o­nal ao SUS. Cla­ro, Ma­rin­gá tem de­fi­ci­ên­ci­as e ne­ces­si­da­des, mas a nos­sa re­de de saú­de se con­so­li­da co­mo um sis­te­ma com bo­as con­di­ções de aten­di­men­to e pa­ra o exer­cí­cio pro­fis­si­o­nal”. ofe­re­cer tudo tudo o que gos­ta­ria pa­ra um pa­ci­en­te do SUS co­mo po­de ofe­re­cer a um pa­ci­en­te par­ti­cu­lar. Os sis­te­mas pri­va­dos são mui­to me­lho­wr or­ga­ni­za­dos e es­tru­tu­ra­dos que o pú­bli­co, em­bo­ra na re­gião Sul do País es­ta di­fe­ren­ça se­ja mui­to me­nor. O tra­ba­lho fei­to den­tro da fa­cul­da­de é pa­ra que a gen­te for­me mé­di­cos generalistas e que es­ta for­ma­ção per­mi­ta que eles pos­sam atu­ar prin­ci­pal­men­te na área da saú­de pú­bli­ca, pa­ra que pre­en­cham as la­cu­nas on­de exis­te a fal­ta de mé­di­cos. As es­co­las tra­ba­lham pa­ra is­to. E o go­ver­no tem in­ves­ti­do pa­ra me­lho­rar o SUS, com qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal, mais lei­tos e es­tru­tu­ra­ção dos ser­vi­ços, prin­ci­pal­men­te na área de tec­no­lo­gia.

Tâ­nia Re­go/abr

Equi­pe mé­di­ca em pro­ce­di­men­to ci­rúr­gi­co; de­man­da re­gi­o­nal faz com que nú­me­ro de pro­fis­si­o­nais em Ma­rin­gá ain­da se­ja in­su­fi­ci­en­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.