Ino­va­ção é ta­bu pa­ra pro­du­to­res

Pi­o­nei­ris­mo

O Diario do Norte do Parana - - AGRONEGÓCIO -

Con­se­guir bo­as mé­di­as de pro­du­ti­vi­da­de na sa­fra re­gi­o­nal de so­ja de­pen­de em gran­de par­te do uso de tec­no­lo­gi­as mais mo­der­nas, al­go que en­can­ta prin­ci­pal­men­te as ge­ra­ções mais re­cen­tes de pro­du­to­res. Mar­cel Fran­klin Ra­fa­el, agri­cul­tor que es­tá co­me­çan­do a co­lher uma área de 101 hec­ta­res no mu­ni­cí­pio de Ter­ra Boa (a 70km de Ma­rin­gá), no no­ro­es­te do Es­ta­do, é exem­plo dis­so.

Na opi­nião de­le, se o pro­du­tor fi­zer a sua par­te e apos­tar em no­vas prá­ti­cas, se­rá re­com­pen­sa­do mes­mo com cli­ma ad­ver­so e o tem­po, com es­ti­a­gens e chu­vas em ex­ces­so, tem si­do um pro­ble­ma nos úl­ti­mos anos. “Es­pe­ra­mos umas 62 sa­cas em mé­dia (150 por al­quei­re)”, diz Mar­cel, que prefere ser con­ser­va­dor. O vo­lu­me, aci­ma da mé­dia da re­gião - ao re­dor de 49 a 53 sa­cas por hec­ta­re (120 a 130 por al­quei­re) -, tem po­ten­ci­al ain­da pa­ra evo­luir mui­to, de acor­do com téc­ni­cos.

Não há se­gre­do pa­ra o su­ces­so. Aos 33 anos, Mar­cel, for­ma­do em Di­rei­to, é re­pre­sen­tan­te de uma no­va li­nha­gem de agri­cul- to­res aber­tos a no­vi­da­des e cons­ci­en­tes de que o êxi­to no cam­po de­pen­de de acer­car-se de to­dos os re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos dis­po­ní­veis. En­quan­to mui­tos ain­da têm re­jei­ção a ino­va­ções, pro­du­to­res co­mo Mar­cel não cos­tu­mam des­per­di­çar even­tos téc­ni­cos, es­tão sem­pre aten­tos às va­ri­e­da­des mais pro­du­ti­vas, in­ves­tem em adu­ba­ção pe­sa­da, to­mam to­dos os cui­da­dos re­co­men­da­dos pe­los téc­ni­cos e, no ca­so de­le em par­ti­cu­lar, avan­ça fir­me em agri­cul­tu­ra de pre­ci­são.

Ou­sa­do, há al­guns anos Mar­cel sur­pre­en­deu ao ser um dos agri­cul­to­res que se pro­pu­se­ram a ini­ci­ar o cul­ti­vo de ca­pim bra­quiá­ria em con­sór­cio com mi­lho no in­ver­no. A prá­ti­ca ino­va­do­ra é uma for­ma de in­ves­tir na co­ber­tu­ra do so­lo com pa­lha pa­ra pro­te­gê-lo da al­ta tem­pe­ra­tu­ra no ve­rão, o que be­ne­fi­cia a so­ja. A ideia do con­sór­cio, ini­ci­al­men­te con­tes­ta­da por par­te dos pro­du­to­res - pa­ra os quais se­ria in­con­ce­bí­vel in­te­grar ca­pim e la­vou­ra -, foi uma ini­ci­a­ti­va da Co­ca­mar Co­o­pe­ra­ti­va Agroin­dus­tri­al em par­ce­ria com a Em­bra­pa que, nos úl­ti­mos anos, ex­pan­diu-se pe­la re­gião.

Os fru­tos pa­ra o agri­cul­tor de Ter­ra Boa não tar­da­ram. No ano pas­sa­do, além de uma gran­de sa­fra, ele co­lheu tam­bém o tí­tu­lo de cam­peão de pro­du­ti­vi­da­de de so­ja (ci­clo 2011/12) na re­gião no­ro­es­te, fa­ça­nha que es­pe­ra re­pe­tir ago­ra. Co­mo prê­mio, ele ga­nhou uma vi­a­gem às re­giões pro­du­to­ras dos Es­ta­dos Uni­dos, on­de vi­si­tou pro­pri­e­da­des. A ex­pe­ri­ên­cia, se­gun­do ele, ser­viu pa­ra apri­mo­rar ain­da mais su­as tec­no­lo­gi­as e co­nhe­ci­men­tos.

“A ca­da ano é pos­sí­vel pro­du­zir um pou­co mais”, ga­ran­te Mar­cel, lem­bran­do que a sim­ples tro­ca de uma va­ri­e­da­de de so­ja po­de re­pre­sen­tar um ga­nho a mais. No ca­so da adu­ba­ção, a la­vou­ra re­ce­be, ain­da, de­je­tos de dois gran­des bar­ra­cões de fran­go que são man­ti­dos no sí­tio. Ou se­ja, além de tra­zer mais se­gu­ran­ça aos negócios, a di­ver­si­fi­ca­ção ain­da aju­da a pro­du­zir mais.

Bus­ca in­ces­san­te

“Pa­ra evo­luir, o agri­cul­tor pre­ci­sa ser curioso”, diz Mar­cel. Ele con­ta que, há al­guns anos, com­pa­re­ceu a uma pa­les­tra pro­fe­ri­da pe­lo es­pe­ci­a­lis­ta Ges­si Ceccon, da Em­bra­pa, quan­do ou­viu fa­lar pe­la pri­mei­ra vez do con­sór­cio mi­lho- bra­quiá­ria. Achou a ideia es­qui­si­ta mas, num se­gun­do mo­men­to, ava­li­ou que va­le­ria a pe­na ex­pe­ri­men­tar. Ago­ra, só faz elo­gi­os à bra­quiá­ria.

O con­sór­cio é sim­ples. O mi­lho e a bra­quiá­ria são se­me­a­dos jun­tos, sen­do que o pri­mei­ro, por cres­cer mais rá­pi­do, dei­xa o se­gun­do “por bai­xo”, sem ris­co de com­pe­ti­ção. Só mes­mo após a co­lhei­ta do mi­lho é que a bra­quiá­ria se de­sen­vol­ve e po­de até ser­vir de co­mi­da pa­ra o ga­do no in­ver­no (épo­ca em que, qua­se sem­pre, os pas­tos es­tão se­cos). Às vés­pe­ras de a so­ja ser se­me­a­da, o ca­pim é des­se­ca­do, re­ves­tin­do o so­lo pa­ra o plan­tio direto.

En­tre as van­ta­gens ci­ta­das por Mar­cel es­tá o fa­to de a co­ber­tu­ra ini­bir o de­sen­vol­vi­men­to de er­vas da­ni­nhas, se­gu­rar a umi­da­de do so­lo (mi­ni­mi­zan­do o efei­to de es­ti­a­gens) e con­tro­lar a ero­são. Por sua vez, o sis­te­ma de raí­zes des­com­pac­ta o so­lo e, em ca­so de ven­to for­te, a bra­quiá­ria não dei­xa o mi­lho “dei­tar”. A mas­sa de pa­lha pro­por­ci­o­na, ain­da, con­for­to aos ope­ra­do­res de má­qui­nas, di­fe­ren­te da tre­pi­da­ção e so­la­van­cos co­muns em so­los des­co­ber­tos. Um dos mai­o­res de­sa­fi­os da agri­cul­tu­ra re­gi­o­nal é tor­nar os pro­du­to­res, de uma for­ma ge­ral, mais re­cep­ti­vos a apren­di­za­dos. Em­bo­ra eles com­pa­re­çam com frequên­cia a di­as de cam­po, pa­les­tras e en­con­tros téc­ni­cos, opor­tu­ni­da­de em que são apre­sen­ta­dos as no­vi­da­des, aca­ba sen­do pe­que­no o per­cen­tu­al dos que re­al­men­te in­cor­po­ram co­nhe­ci­men­tos e os colocam em prá­ti­ca.

Pa­ra as li­de­ran­ças do se­tor do agronegócio, a ta­re­fa é es­pi­nho­sa por­que não fal­tam com­pa­ra­ti­vos e nem mes­mo o su­ces­so de vi­zi­nhos faz com que os pro­du­to­res mais con­ser­va­do­res se ani­mem a re­ver es­se com­por­ta­men­to e apos­tar em no­vas tec­no­lo­gi­as. Em Maria He­le­na, re­gião de Umu­a­ra­ma, o en­ge­nhei­ro agrô­no­mo Cé­sar For­mighi­e­ri de­sen­vol­ve des­de 2001 um pro­je­to de in­te­gra­ção la­vou­ra, pe­cuá­ria e flo­res­ta em sua fa­zen­da. Ele lem­bra que, por ser um pro­je­to ino­va­dor, al­guns vi­zi­nhos dis­se­ram lo­go que não da­ria cer­to e ele que­bra­ria em pou­co tem­po. Do­ze anos mais tar­de, em­bo­ra a in­te­gra­ção im­ple­men­ta­da por For­mighe­ri te­nha al­can­ça­do su­ces­so a pon­to de fa­zer da pro­pri­e­da­de de­le um mo­de­lo no Pa­ra­ná, a si­tu­a­ção na vi­zi­nhan­ça não mu­dou em na­da. “Per­de­se mui­to tem­po e di­nhei­ro pe­lo co­mo­dis­mo e o ape­go a téc­ni­cas ul­tra­pas­sa­das”, re­su­me For­mighi­e­ri, em aler­ta aos mais re­sis­ten­tes.

Em Ter­ra Boa, o ge­ren­te da Co­ca­mar Mar­ce­lo Em­pi­not­ti lem­bra que o pre­ço pa­ra qu­em não se atu­a­li­za po­de sair ca­ro. “Quan­do o pro­du­tor acor­da, sua pro­pri­e­da­de es­tá in­viá­vel eco­no­mi­ca­men­te. En­tão, é ho­ra de sair do ne­gó­cio, ar­ren­dar a ter­ra ou ven­der”, fi­na­li­za o ge­ren­te.

Ro­gé­rio Rec­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.