‘O Som ao Re­dor’ su­pe­ra pro­je­ção ruim

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Ariá­diny Ri­nal­di

ari­a­diny@odi­a­rio.com Pe­ga­ram a pri­mei­ra ses­são do sá­ba­do, mar­ca­da pa­ra as 16h05. Quan­do a exi­bi­ção co­me­çou, o ga­ro­to tom­bou le­ve­men­te o pes­co­ço pa­ra o la­do; depois, foi a vez da mãe. O pai es­tra­nhou, pen­sou que o fa­to de as fo­to­gra­fi­as em pre­to e bran­co es­ta­rem de pon­ta ca­be­ça fos­se, tal­vez, al­gu­ma ino­va­ção. Ao per­ce­ber que o fil­me co­me­çou a ser pro­je­ta­do de pon­ta ca­be­ça, os fun­ci­o­ná­ri­os do Ci­ne Cir­cui­to, do Shop­ping Ci­da­de, des­li­ga­ram o pro­je­tor e en­tra­ram nu­ma es­pé­cie de pâ­ni­co. Meia depois, fi­nal­men­te, a ses­são re­co­me­çou, ago­ra sem mai­o­res de­sa­cer­tos.

A prosa aci­ma foi ba­se­a­da em fa­tos re­ais. Em Ma­rin­gá, bai­xa bi­lhe­te­ria e pro­ble­mas na pro­je­ção mar­ca­ram a es­treia de “O Som ao Re­dor”. Na úl­ti­ma ses­são de do­min­go, às 21h25, ape­nas dez pes­so­as vi­ram o pri­mei­ro lon­ga-me­tra­gem de Klé­ber Men- don­ça. Nes­te dia, a ne­gli­gên­cia foi me­nor. As ima­gens es­ta­vam des­cen­tra­li­za­das na te­la, mais pa­ra a es­quer­da do que pa­ra a di­rei­ta. Os per­cal­ços in­co­mo­da­ram, mas não de­pre­ci­a­ram o tra­ba­lho pri­mo­ro­so do di­re­tor per­nam­bu­ca­no.

Gra­va­do em 2010, na rua on­de Mendonça mo­ra, si­tu­a­da no bair­ro Se­tú­bal, na zo­na sul de Re­ci­fe, o fil­me não mos­tra pon­tes, nem Mar­co Ze­ro, so­bra­dos ou ma­ra­ca­tu e, sim, o reverso do que ca­rac­te­ri­zou o Bra­sil nos ci­ne­mas: pré­di­os fei­os e de­co­ra­ções chu­las. O ce­ná­rio po­de­ria ser de qual­quer ou­tra ci­da­de, em uma re­gião de clas­se mé­dia, de­vo­ra­da pe­la es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria e pro­te­gi­da por cães de guar­da, cer­cas elé­tri­cas, gra­des, tra­vas, alar­mes, câ­me­ras de vi­gi­lân­cia e gu­ar­das-no­tur­nos. O en­fo­que de “O Som ao Re­dor” é a an­gús­tia que po­pu­la­ção sen­te da vi­o­lên­cia dos cen­tros ur­ba­nos.

Pa­ra is­to, o lon­ga uti­li­za uma tri­lha so­no­ra me­ti­cu­lo­sa, as­si­na­da por DJ Do­lo­res. To­do som é re­gis­tra­do, por mais que não te­nha fon­te iden­ti­fi­cá­vel na ima­gem. Mú­si­ca, pás­sa­ros, ru­mor de vo­zes, mo­lho de cha­ves ba­lan­çan­do, pas­sos no an­dar de ci­ma, la­ti­dos, api­tos, si­re­nes, ele­tro­do­més­ti­cos, bu­zi­nas, fo­lhas ao ven­to, até a água mi­ne­ral den­tro do ga­lão pro­duz ba­ru­lho. Um dos sons mais des­con­for­tá­veis mar­ca a ce­na do fla­ne­li­nha ris­can­do o car­ro da ma­da­me. O som é pra­ti­ca­men­te um per­so­na­gem na tra­ma do fil­me.

O ro­tei­ro é fei­to de vá­ri­os en­re­dos pa­ra­le­los. Al­guns dra­mas são pe­que­nos: a reu­nião ten­sa do con­do­mí­nio, um na­mo­ro que po­de vi­rar ca­sa­men­to e o ui­vo do ca­chor­ro que não dei­xa nin­guém dor­mir. Os diá­lo­gos es­pon­tâ­ne­os dão a im­pres­são de que as fa­las fo­ram im­pro­vi­sa­das e nun­ca es­cri­tas num pe­da­ço de pa­pel. Os te­mas dis­cu­ti­dos, de tão tri­vi­ais, pa­re- cem não acres­cen­tar na nar­ra­ti­va, mas au­xi­li­am na cri­a­ção de iden­ti­da­des.

É o ca­so de Francisco (Wal­de­mar José So­lha), do­no de en­ge­nho e de gran­de par­te dos imó­veis da rua on­de se pas­sa a ação. A ma­nei­ra co­mo ele se re­la­ci­o­na com os fi­lhos e ne­tos re­ve­la um ho­mem ca­ri­nho­so, pro­te­tor e brin­ca­lhão. Uma ce­na, que po­de­ria ser ba­nal, de­mos­tram uma per­so­na­li­da­de for­te de um ho­mem que não tem me­do de de­sa­fi­os. Francisco en­tra no mar bra­vo, exa­ta­men­te on­de há uma pla­ca avi­san­do que há pe­ri­go de tu­ba­rões.

A or­dem so­ci­al que o pro­pri­e­tá­rio es­ta­be­le­ceu no bair­ro é ame­a­ça­da com a che­ga­da de um gru­po de vi­gi­as, li­de­ra­do por Clo­do­al­do (Irandhir Santos). O guar­da é ca­rac­te­ri­za­do co­mo uma pes­soa de ca­rac­ter sus­pei­to, que nas ho­ras va­gas ado­ra ver ví­de­os sen­sa­ci­o­na­lis­tas no ce­lu­lar. Ao re­ce­ber as cha­ves do apar­ta­men­to de um mo­ra­dor que sai de vi­a­gem, ir­res­pon­sá­vel, Clo­do­al­do le­va a na­mo­ra­da pa­ra den­tro da ca­sa. Sur­pre­en­den­te­men­te, a cons­tru­ção des­tes dois per­so­na­gens so­fre uma re­vi­ra­vol­ta no fi­nal da tra­ma. É aí, que as fo­to­gra­fi­as do iní­cio, em pre­to e bran­co, re­tra­tan­do tra­ba­lha­do­res de um en­ge­nho, fa­zem to­do sen­ti­do.

Dis­to, o fun­ci­o­ná­rio que por des­cui­do vi­rou a pe­lí­cu­la de pon­ta ca­be­ça não sa­bia.

Divulgação

Wal­de­mar José So­lha e Gustavo Jahn em “O Som ao Re­dor”: úni­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.