Dois fil­mes e um te­ma sen­sí­vel

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ -

Nos úl­ti­mos di­as, as­sis­ti a dois dos fil­mes mais ba­da­la­dos des­te iní­cio de ano, “Lin­coln” e “Djan­go Un­chai­ned”, cu­jas tra­mas abor­dam, ca­da qual de seu mo­do, te­mas re­la­ci­o­na­dos à escravidão nos EUA. Es­ses fil­mes re­ve­lam for­mas pe­cu­li­a­res, e não ra­ro po­lê­mi­cas, de nos­so tem­po cap­tar uma his­tó­ria de um sé­cu­lo e meio atrás. Tal­vez se­ja um exa­ge­ro co­brar do se­gun­do, di­ri­gi­do por Qu­en­tin Ta­ran­ti­no, uma pa­ró­dia dos fil­mes que fi­ca­ram co­nhe­ci­dos co­mo wes­tern spaghet­ti, ve­ros­si­mi­lhan­ça ou qual­quer coi­sa do ti­po, em­bo­ra não se pos­sa re­pro­du­zir a vi­são de que de­va ser as­sis­ti­do ape­nas pe­lo seu as­pec­to lú­di­co. Sua bri­co­la­gem pós­mo­der­na so­bre um te­ma tão sen­sí­vel ge­rou re­a­ções. Co­mo se sa­be, o di­re­tor de ci­ne­ma Spi­ke Lee, ale­gan­do res­pei­to à his­tó­ria de seus an­ces­trais que fo­ram sub­me­ti­dos ao ho­lo­caus­to da escravidão (a ex­pres­são é de­le), não gos­tou da “brin­ca­dei­ra”. Aliás, re­cu­sou-se a ver. Já o pri­mei­ro, di­ri­gi­do por Ste­ven Spi­el­berg, ten­ta se ba­se­ar em fa­tos his­tó­ri­cos e em per­so­na­gens re­ais, en­tre os quais o pre­si­den­te Lin­coln, tal­vez o mai­or en­tre aque­les que ha­bi­ta­ram a Ca­sa Bran­ca. Não vou co­men­tar em que me­di­da o di­re­tor e o ro­tei­ris­ta fo­ram fiéis aos fa­tos his­tó­ri­cos e pro­por re­pa­ros aqui e ali. Co­mo qual­quer dis­cur­so que ten­ta abor­dar fa­tos his­tó­ri­cos, tra­ta-se, afi­nal de uma re­pre­sen­ta­ção e não da his­tó­ria vi­vi­da, em­bo­ra o ci­ne­ma, es­pe­ci­al­men­te quan­do con­fec­ci­o­na­do com re­cur­sos na­tu­ra­lis­tas, te­nha o dom de pro­vo­car uma for­tís­si­ma im­pres­são de re­a­li­da­de. Os ar­tis­tas, além dis­so, têm sua mar­gem de li­cen­ça poé­ti­ca. Exa­ta­men­te por­que o dis­cur­so so­bre a his­tó­ria, não im­por­ta a lin­gua­gem, tra­duz a re­la­ção de nos­so pre­sen­te com o pas­sa­do, con­fes­so que fi­quei in­co­mo­da­do com al­gu­mas das op­ções do fil­me “Lin­coln”. Os au­to­res op­ta­ram pe­lo des­ve­la­men­to das ar­ti­cu­la­ções po­lí­ti­cas, nem sem­pre lí­ci­tas, que vi­a­bi­li­za­ram a apro­va­ção da emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal que proi­biu a escravidão nos EUA, in­se­rin­do va­ga­men­te os fa­tos na te­la de fun­do da “gu­er­ra de se­ces­são”, um con­fli­to que pro­vo­cou ta­ma­nho im­pac­to na his­tó­ria da­que­le país que é con­si­de­ra­do uma se­gun­da re­vo­lu­ção ame­ri­ca­na. Mas não é de uma me­lhor con­tex­tu­a­li­za­ção da gu­er­ra que sen­ti fal­ta. A per­gun­ta que me fiz foi de ou­tra or­dem: on­de es­ta­vam os ne­gros (ou afro­a­me­ri­ca­nos) na his­tó­ria? No fil­me, eles não agem, são “agi­dos”. Os per­so­na­gens ne­gros, além de ra­ros, são me­ros es­pec­ta­do­res da ce­na. De cer­to mo­do, re­ce­bem uma dá­di­va. Em ou­tros pe­río­dos, era co­mum es­cre­ver a his­tó­ria co­mo re­a­li­za­ção dos “gran­des ho­mens”, nor­mal­men­te es­ta­dis­tas (reis, pre­si­den­tes, lí­de­res mi­li­ta­res). Nos­sa épo­ca, en­tre­tan­to, é pro­fun­da­men­te sen­sí­vel à pre­sen­ça e par­ti­ci­pa­ção das cha­ma­das “pes­so­as co­muns” na his­tó­ria. Não cus­ta lem­brar o fa­mo­so po­e­ma de Ber­told Bre­cht: “Qu­em cons­truiu a Te­bas de se­te por­tas? Nos li­vros es­tão no­mes de reis. Ar­ras­ta­ram eles os blo­cos de pe­dras?”. O fil­me “Lin­coln” ti­nha um ob­je­ti­vo e o re­a­li­zou com apu­ro téc­ni­co e ar­tís­ti­co, sem fa­lar na atu­a­ção ma­gis­tral de al­guns ato­res. Não fi­ca­rei sur­pre­so nem con­si­de­ra­rei in­jus­to se a obra re­ce­ber uma de­ze­na de prê­mi­os na ce­rimô­nia da aca­de­mia de ci­ne­ma. To­da­via, co­mo o fil­me reproduz, exem­plar­men­te, uma con­cep­ção de his­tó­ria com a qual man­te­nho di­ver­gên­cia pro­fun­da, não pos­so dei­xar de com­par­ti­lhar mi­nha in­da­ga­ção com os lei­to­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.