Hi­per­ten­são afe­ta 25% da po­pu­la­ção

Ín­di­ce so­be pa­ra 50% quan­do se ana­li­sa ape­nas as pes­so­as com mais de 50 anos. Maus há­bi­tos são a prin­ci­pal cau­sa da do­en­ça. Me­lhor tra­ta­men­to é a pre­ven­ção

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Re­da­cao

re­da­cao@odi­a­rio.com A hi­per­ten­são é um dos pro­ble­mas mais co­muns que aco­me­tem a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra. Em Ma­rin­gá e re­gião não é di­fe­ren­te. Nú­me­ros di­vul­ga­do pe­la Uni­med re­ve­lam que apro­xi­ma­da­men­te 25% da po­pu­la­ção re­gi­o­nal so­frem de hi­per­ten­são e ape­nas 10% são di­ag­nos­ti­ca­dos e têm o de­vi­do acom­pa­nha­men­to. O res­tan­te não sa­be ou não to­ma os cui­da­dos ne­ces­sá­ri­os.

A fai­xa mais vul­ne­rá­vel são os adul­tos com ida­de aci­ma de 60 anos, mas jo­vens e cri­an­ças tam­bém po­dem ser atin­gi­dos. A hi- per­ten­são é con­si­de­ra­da uma do­en­ça crô­ni­ca que ele­va a pres­são san­guí­nea das ar­té­ri­as fa­zen­do com que o co­ra­ção exer­ça um es­for­ço mai­or que o nor­mal pa­ra fa­zer o san­gue cir­cu­lar, sen­do in­clu­si­ve um dos prin­ci­pais fa­to­res de aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC), en­far­to agu­do do mi­o­cár­dio, aneu­ris­ma ar­te­ri­al, in­su­fi­ci­ên­cia re­nal e ar­te­ri­al crô­ni­cas.

De acor­do com o car­di­o­lo­gis­ta Otá­vio Ce­les­te Man­gi­li, a cu­ra é pos­sí­vel e de­pen­de mui­to dos fa­to­res que a de­sen­ca­de­a­ram. “Por exem­plo, um in­di­ví­duo que te­nha fi­ca­do hi­per­ten­so ex­clu­si­va­men­te em de­cor­rên­cia de há­bi­tos de vi­da ina­de­qua­dos, co­mo ta­ba­gis­mo ou obe­si­da­de, po­de cu­rar-se ca­so se cor­ri­ja. Mas, na mai­o­ria dos ca­sos, o que se per­ce­be é um com­po­nen­te ge­né­ti­co co­mo pre­dis­po­si­ção as­so­ci­a­da a há­bi­tos ina­de- qua­dos”, ex­pli­cou o mé­di­co.

Se­gun­do ele, é pos­sí­vel mi­ni­mi­zar o im­pac­to do fa­tor am­bi­en­tal, mas a ge­né­ti­ca po­de ain­da pe­sar. “O tra­ta­men­to da hi­per­ten­são é diá­rio. Não se de­ve to­mar re­mé­dio sem ori­en­ta­ção mé­di­ca”, aler­ta, en­fa­ti­zan­do que os me­di­ca­men­tos de­vem ser to­ma­dos sem­pre, re­gu­lar­men­te, em um mes­mo ho­rá­rio. Há­bi­tos mais sau­dá­veis tam­bém são fun­da­men­tais, ci­ta Man­gi­li, ci­tan­do en­tre eles a res­tri­ção de con­su­mo de sal, de ál­co­ol, prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca re­gu­lar e con­su­mo de fru­tas e ve­ge­tais.

Maus cos­tu­mes

O bra­si­lei­ro tem por há­bi­to con­su­mir sal ex­ces­si­va­men­te, em mé­dia três ve­zes a mais que é re­co­men­da­do. Abu­sa tam­bém do con­su­mo de car­boi­dra­tos sim­ples, co­mo os vin­dos do açú­car e da fa­ri­nha de tri­go, além de ca­lo­ri­as. Tudo is­so, se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas, vem tor­nan­do a po­pu­la­ção bra­si­lei­ra pro­gres­si­va­men­te mais obe­sa, com pa­drão de obe­si­da­de de ris­co car­di­o­vas­cu­lar e ca­da vez mais hi­per­ten­sa.

Atu­al­men­te, de acor­do com da­dos ofi­ci­ais, cer­ca de 50% da po­pu­la­ção aci­ma dos 50 anos so­frem de hi­per­ten­são. Es­tu­dos re­cen­tes tam­bém apon­tam que 49% da po­pu­la­ção es­tão aci­ma do pe­so e 15% so­frem de obe­si­da­de.

A hi­per­ten­são es­tá re­la­ci­o­na­da, ain­da, à obe­si­da­de ab­do­mi­nal e a ou­tros com­po­nen­tes que de­la de­ri­vam, co­mo al­te­ra­ções de gli­co­se e de co­les­te­rol. “A es­se con­jun­to se dá o no­me de sín­dro­me me­ta­bó­li­ca, que cons­ti­tui uma gran­de epi­de­mia nos di­as de ho­je e au­men­ta em mui­to o ris­co car­di­o­vas­cu­lar”, com­ple­ta o car­di­o­lo­gis­ta. “Uma pes­soa que te­nha fi­ca­do hi­per­ten­so de­vi­do ao ta­ba­gis­mo ou obe­si­da­de po­de cu­rar-se ca­so se cor­ri­ja. ”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.