Mo­tos res­pon­dem por 50% das mor­tes em es­tra­das

Ín­di­ce é al­to já que es­ses veí­cu­los so­mam ape­nas 2% do vo­lu­me de trá­fe­go em ro­do­vi­as ad­mi­nis­tra­das pe­la Viapar; im­pru­dên­cia é apon­ta­da co­mo prin­ci­pal cau­sa

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO - Leonardo Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com Mes­mo cor­res­pon­den­do a ape­nas 2% do mo­vi­men­to nas ro­do­vi­as, me­ta­de das mor­tes que acon­te­ce­ram nas es­tra­das das re­giões nor­te, no­ro­es­te e oes­te do Pa­ra­ná foi de mo­to­ci­clis­tas. O ba­lan­ço foi fei­to pe­la con­ces­si­o­ná­ria Viapar, que ad­mi­nis­tra es­ses tre­chos e le­vou em con­ta os aci­den­tes re­gis­tra­dos no mês de ja­nei­ro. Os nú­me­ros – que le­vam em con­ta ca­sos ape­nas re­gis­tra­dos nos tre­chos es­ta­du­ais e fe­de­rais ad­mi­nis­tra­dos pe­la con­ces­si­o­ná­ria – in­di­cam tam­bém que os aci­den­tes mais gra­ves ti­ve­ram uma al­ta de 50%.

Os aci­den­tes em ge­ral caí­ram 18%. De acor­do com o su­per­vi­sor do Cen­tro de Con­tro­le e Ope­ra­ções da con­ces­si­o­ná­ria, Ge­si­val­do Amân­cio Pri­mo, mui­tos aci­den­tes acon­te­cem por cau­sa da im­pru­dên­cia do mo­to­ci­clis­ta. “Por se tra­tar de um meio de trans­por­te pe­que­no os con­du­to­res abu­sam, ul­tra­pas­san­do pe­la di­rei­ta, não usan­do se­ta e re­a­li­zan­do di­ver­sas ou­tras ma­no- bras ar­ris­ca­das co­mo cor­tar can­tei­ros, tra­fe­gar pe­la con­tra­mão e até em­pi­nar”, co­men­tou.

Al­gu­mas im­pru­dên­ci­as co­mo es­sa são fla­gra­das por câ­me­ras de se­gu­ran­ça ins­ta­la­das em pon­tos es­tra­té­gi­cos das ro­do­vi­as. Um dos fla­gran­tes re­cen­tes acon­te­ceu no iní­cio do ano na BR 376. O mo­to­ci­clis­ta foi fa­zer uma ul­tra­pas­sa­gem pe­la es­quer­da e por pou­co não se en­vol­ve em uma tra­gé­dia. A si­tu­a­ção é co­mum, se­gun­do o su­per­vi­sor. “Sem­pre aler­ta­mos pa­ra o uso do ca­pa­ce­te, o res­pei­to a si­na­li­za­ção e li­mi­te de ve­lo­ci­da­de”, co­men­tou.

Fla­gran­tes

A im­pru­dên­cia é um pro­ble­ma co­mum que a Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Es­ta­du­al (PRE) tem fla­gra­do. “Du­ran­te a ope­ra­ção car­na­val, por exem­plo, ti­ve­mos um ca­so que ter­mi­nou em mor­te, por­que um mo­to­ci­clis­ta te­ria ten­ta­do ul­tra­pas­sar um ca­mi­nhão pe­lo acos­ta­men­to e ba­teu em um to­co. Ele morreu na ho­ra. Uma si­tu­a­ção que po­de­ria ter si­do evi­ta­da”, co­men­tou o ofi­ci­al da 4ª Com­pa­nhia da PRE, João Francisco Gi­me­nez, res­pon­sá­vel pe­lo pa­tru­lha­men­to nas es­tra­das do no­ro­es­te.

A ví­ti­ma fa­tal des­se aci­den­te foi Fer­nan­do Be­ne­di­to de 27 anos. O ga­ru­pa, de 18 anos, te­ve fe­ri­men­tos gra­ves e pre­ci­sou ser so­cor­ri­do até um hos­pi­tal de Ma­rin­gá. Du­ran­te es­sa mes­ma ope­ra­ção, de acor­do com a po­lí­cia, vá­ri­os aci­den­tes gra­ves fo­ram cau­sa­dos por con­ta da im­pru­dên­cia. “Em to­dos os aci­den­tes os mo­to­ris­tas per­de­ram o con­tro­le da di­re­ção so­zi­nhos, pos­si­vel­men­te por ex­ces­so de ve­lo­ci­da­de ou des­res­pei­to às leis de trân­si­to.”

Pa­ra ten­tar re­du­zir os aci­den­tes, cam­pa­nhas de cons­ci­en­ti­za­ção são fei­tas com frequên­cia pe­la po­lí­cia e pe­la pró­pria con­ces­si­o­ná­ria. “É im­por­tan­te dei­xar­mos cla­ro que o mo­to­ci­clis­ta tem sua par­ce­la de co­la­bo­ra­ção pa­ra evi­tar os aci­den­tes. O res­pei­to às leis de trân­si­to é a prin­ci­pal”, com­ple­tou o te­nen­te.

Ar­qui­vo/dnp

A im­pru­dên­cia é a prin­ci­pal cau­sa de mor­tes nas ro­do­vi­as da re­gião

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.