En­xur­ra­da cau­sa des­trui­ção em Sa­ran­di

Re­gião do Par­que Al­va­mar, em Sa­ran­di, bair­ro que fi­ca no li­mi­te com Ma­rin­gá, te­ve tre­chos ar­ra­sa­dos pe­la en­xur­ra­da, de­cor­ren­te das for­tes chu­vas des­ta se­ma­na

O Diario do Norte do Parana - - REGIÃO - Luiz de Car­va­lho

car­va­lho@odi­a­rio.com A en­xur­ra­da pas­sou de um metro de al­tu­ra no fi­nal da tar­de de ter­ça-fei­ra no cru­za­men­to das ru­as João Ma­ran­go­ni e João Go­mes Re­don­do, na área co­mer­ci­al do Par­que Al­va­mar, em Sa­ran­di, pró­xi­mo ao li­mi­te com Ma­rin­gá, in­va­diu ca­sas e lo­jas e ar­ran­cou qua­se dois quar­tei­rões do as­fal­to da João Re­don­do.

A ce­na já se tor­nou co­mum des­de que se in­ten­si­fi­ca­ram as chu­vas de ve­rão. “Ca­da vez que ar­ma uma chu­va, a gen­te já sa­be que vem pro­ble­ma”, diz o me­ta­lúr­gi­co Clayt­son Flá­vio Gar­be, fun­ci­o­ná­rio, en­quan­to aju­da­va co­le­gas de tra­ba­lho a ti­rar par­te da la­ma le­va­da pe­las águas pa­ra den­tro da em­pre­sa em que tra­ba­lha. “Tudo aqui den­tro fi­cou in­va­di­do pe­lo la­ma­çal, um mo­to­quei­ro que pas­sa­va alí pe­la Rua João Ma­ran­go­ni foi ar­ras­ta­do com mo­to e tudo, só pa­rou na es­qui­na de lá, em­bai­xo de um ca­mi­nhão”, con­ta.

Ao la­do da me­ta­lúr­gi­ca, a en­xur­ra­da ar­ran­cou a cal­ça­da e dei­xou um bu­ra­co com mais de um metro de pro­fun­di­da­de com cer­ca de 15 me­tros de com­pri­men­to. O pon­to de ôni­bus exis­ten­te no que já foi uma cal­ça­da ago­ra equi­li­bra-se em um blo­co de con­cre­to. O as­fal­to da João Re­don­do foi ar­ran­ca­do des­de a João Ma­ran­go­ni até dois quar­tei­rões abai­xo.

Ales­san­dra Alegre dos An­jos, mo­ra­do­ra do Par­que Al­va­mar que tra­ba­lha em um bu­fê in­fan­til em Ma­rin­gá, foi cha­ma­da com ur­gên­cia e ao che­gar em ca­sa, jun­to com o ma­ri­do, Fer­nan­do, en­con­trou a ca­sa com mais de 20 cen­tí­me­tros de en­xur­ra­da em to­dos os cô­mo­dos. A for­ça da água que pas­sou pe­lo quin­tal foi tan­ta que der­ru­bou o mu­ro dos fun­dos. Dois guar­da-rou­pas, es­tan­te, cô­mo­da, cri­a­do-mu­do e ou­tros ob­je­tos da re­si­dên­cia fi­ca­ram da­ni­fi­ca­dos.

A ca­sa ge­mi­na­da do ca­sal dos An­jos, na Rua Francisco Fer­nan­do Ca­ra, fi­ca em fren­te a um ter­re­no da pre­fei­tu­ra, on­de foi cons­truí­da uma cai­xa pa­ra re­ce­bi­men­to da tu­bu­la­ção que des­ce de ou­tros bair­ros, co­mo o In­de­pen­dên­cia e o Pa­no­ra­ma, po­rém a cai­xa é in­su­fi­ci­en­te pa­ra tal vo­lu­me de água, que ex­tra­va­sa e in­va­de as ca­sas vi­zi­nhas. “Há tem­pos que co­bra­mos uma so­lu­ção, ou­vi­mos pro­mes­sas e tudo con­ti­nua do mes­mo jei­to”, dis­se Ales­san­dra, que on­tem foi com o ma­ri­do à pre­fei­tu­ra pa­ra mais uma vez pe­dir pro­vi­dên­ci­as. O ca­sal dis­põe de fo­to­gra­fi­as, ví­deo e vá­ri­as tes­te­mu­nhas pa­ra le­var a pre­fei­tu­ra à Jus­ti­ça e co­brar in­de­ni­za­ção pe­los pre­juí­zos.

Re­cla­ma­ção

“O que re­vol­ta é que fa­zem pou­co ca­so quan­do pe­di­mos pro­vi­dên­cia”, diz Os­mar de Oli­vei­ra, tam­bém mo­ra­dor na Rua Francisco Ca­ra. Se­gun­do ele, to­das as ve­zes que a pre­fei­tu­ra é co­bra­da, o se­cre­tá­rio de Ur­ba­nis­mo e o di­re­tor de Ser­vi­ços Pú­bli­cos ga­ran­tem que vão to­mar pro­vi­dên­ci­as, mas tudo con­ti­nua do mes­mo jei­to. “Eles di­zem que fa­zem a ma­nu­ten­ção da cai­xa de con­ten­ção, mas is­to não é ver­da­de”, ex­pli­ca Oli­vei­ra. “As pou­cas ve­zes que foi fei­ta al­gu­ma lim­pe­za, eu e os vi­zi­nhos que ti­ve­mos que fa­zer, pois a pre­fei­tu­ra na­da fez des­de que a cai­xa foi cons­truí­da”. “Ca­da vez que ar­ma uma chu­va, a gen­te já sa­be que vem pro­ble­ma. Tudo aqui den­tro fi­cou in­va­di­do pe­lo la­ma­çal, um mo­to­quei­ro foi ar­ras­ta­do”

Ra­fa­el Ha­mud, que tam­bém mo­ra pró­xi­mo à cai­xa de con­ten­ção, des­men­te a pre­fei­tu­ra. “Nun­ca al­guém da pre­fei­tu­ra apa­re­ceu por aqui”.

Obras

“Es­ta re­gião do Al­va­mar é pro­ble­má­ti­ca por­que es­tá em uma bai­xa­da e pa­ra cá des­ce a água de vá­ri­os bair­ros”, dis­se on­tem o di­re­tor de Ser­vi­ços Pú­bli­cos da pre­fei­tu­ra de Sa­ran­di, Evandro Mon­tel­lo de Al­mei­da. Se­gun­do ele, nos bair­ros vi­zi­nhos a re­de de ga­le­ri­as de águas plu­vi­ais é mui­to fi­na e com is­to a en­xur­ra­da cor­re so­bre o as­fal­to e, ao che­gar ao Al­va­mar, cau­sa es­tra­gos.

Na se­gun­da-fei­ra uma equi­pe da pre­fei­tu­ra es­ta­va no bair­ro pre­pa­ran­do uma ope­ra­ção pa­ra eli­mi­nar os bu­ra­cos, quan­do co­me­çou a cho­ver. On­tem, a equi­pe vol­tou, fez a lim­pe­za de al­guns bu­ei­ros e pre­pa­rou a ba­se pa­ra o as­fal­ta­men­to do tre­cho da­ni­fi­ca­do da Rua João Go­mes Re­don­do, mas à tar­de uma no­va chu­va des­truiu o que foi fei­to pe­la ma­nhã. “Tão lo­go as con­di­ções cli­má­ti­cas per­mi­tam, va­mos fa­zer tudo o que é ne­ces­sá­rio, in­clu­si­ve a re­cu­pe­ra­ção do as­fal­to”, dis­se ele.

Dou­glas Mar­çal

Des­trui­ção cau­sa­da pe­la en­xur­ra­da no Par­que Al­va­mar, li­mi­te en­tre Sa­ran­di e Ma­rin­gá; as­fal­to, cal­ça­das e mu­ros fo­ram ar­ran­ca­dos pe­la cor­ren­te­za

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.