Pa­ra com­pre­en­der Ta­ran­ti­no

O Diario do Norte do Parana - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Luiz Car­los Mer­ten

Qu­en­tin Je­ro­me Ta­ran­ti­no - vo­cê sa­bia que es­te é o no­me com­ple­to do di­re­tor de “Djan­go Li­vre”? Ini­ci­a­da on­tem em São Pau­lo, a mos­tra do Cen­tro Cul­tu­ral Ban­co do Bra­sil pe­ga ca­ro­na no su­ces­so de pú­bli­co e crí­ti­ca do spaghet­ti wes­tern com Ja­mie Foxx e Ch­ris­toph Waltz. “Djan­go” (em car­taz em Ma­rin­gá) con­cor­re ao Os­car em ca­te­go­ri­as co­mo fil­me e ro­tei­ro ori­gi­nal - prê­mio que Ta­ran­ti­no já le­vou por “Pulp Fic­ti­on - Tem­po de Vi­o­lên­cia”, em 1995, e “Bas­tar­dos In­gló­ri­os”, em 2010. Na en­tre­vis­ta que deu ao jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo em No­va York, em de­zem­bro, an­tes que “Djan­go Li­vre” se ha­bi­li­tas­se pa­ra con­cor­rer ao prê­mio da Aca­de­mia, Ta­ran­ti­no dis­se que nun­ca ga­nhou tan­to di­nhei­ro na vi­da. Mas não era o di­nhei­ro, em si, que o dei­xa­va fe­liz.

“O bom de um su­ces­so co­mo o de Bas­tar­dos é que lhe dá cré­di­to en­tre os pro­du­to­res. Nin­guém mais per­gun­ta o que vo­cê quer fa­zer. A per­gun­ta é ou­tra - va­mos lá?” Ta­ran­ti­no sem­pre quis fa­zer o seu spaghet­ti wes- tern, mas a his­tó­ria só co­me­çou a to­mar for­ma em sua ca­be­ça du­ran­te a tur­nê pro­mo­ci­o­nal de “Bas­tar­dos In­gló­ri­os”. Ele es­ta­va num quar­to de ho­tel, em Tó­quio. A ce­na ini­ci­al de “Djan­go Li­vre” veio in­tei­ra, vi­su­a­li­za­da em seu ima­gi­ná­rio.

Ta­ran­ti­no es­tá pres­tes a com­ple­tar 50 anos - em 27 de mar­ço. Di­re­tor, ro­tei­ris­ta, ator e pro­du­tor, ele se tor­nou o ros­to mais co­nhe­ci­do da re­vo­lu­ção do ci­ne­ma in­de­pen­den­te nos anos 1990. In­te­grou-se a Hollywood sem abrir mão de seus ro­tei­ros não li­ne­a­res, diá­lo­gos tru­cu­len­tos e do uso de uma vi­o­lên­cia que ul­tra­pas­sou os stan­dards mes­mo de au­to­res co­mo Sa­mu­el Ful­ler e Sam Pec­kin­pah. A par da ver­bor­ra­gia, a gran­de ca­rac­te­rís­ti­ca que iden­ti­fi­ca Ta­ran­ti­no é seu co­nhe­ci­men­to en­ci­clo­pé­di­co de fil­mes.

Ele tra­ba­lhou nu­ma lo­ca­do­ra de ví­de­os e is­so lhe deu aces­so a pra­ti­ca­men­te tudo, des­de obras po­pu­la­res a exem­pla­res do ci­ne­ma de ar­te. A mos­tra do CCBB re­fle­te es­sa dis­pa­ri­da­de. Além dos fil­mes que re­a­li­zou (“Cães de Alu­guel”, “Tem­po de Vi­o­lên- cia”, “Jac­kie Brown”, “Kill Bill” etc.) e da­que­les que es­cre­veu ou em que atu­ou (“Amor à Qu­ei­ma Rou­pa”, de Tony Scott; “Sin City”, de Frank Mil­ler e Ro­bert Ro­dri­guez), Mon­do Ta­ran­ti­no traz fa­vo­ri­tos do ci­ne­as­ta, co­mo “Bas­tar­dos In­gló­ri­os - O Ex­pres­so Blin­da­do da SS Na­zis­ta”, de En­zo G. Cas­tel­la­ri; “Adre­na­li­na Má­xi­ma”, de Ta­keshi Ki­ta­no; e “Djan­go”, de Ser­gio Cor­buc­ci.

Pa­re­cem in­fluên­ci­as e pre­fe­rên­ci­as dis­pa­ra­tas, mas fa­zem sen­ti­do e “Djan­go Li­vre”, ao en­ca­rar o afro-ame­ri­ca­no co­mo pro­pri­e­da­de, abor­da um te­ma fun­da­men­tal da for­ma­ção dos EUA co­mo na­ção. Vo­cê po­de até com­pa­rá-lo com ou­tro fil­me que não tem na­da a ver com o ci­clo - “Lin­coln”, de Ste­ven Spi­el­berg, que tam­bém con­cor­re ao Os­car.

Divulgação

O di­re­tor Qu­en­tin Ta­ran­ti­no, de “Djan­go Li­vre”: ci­clo em São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.