O pe­ri­go mo­ra ao la­do

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

As es­ta­tís­ti­cas das au­to­ri­da­des de saú­de apon­tam um cres­ci­men­to ver­ti­gi­no­so nos ca­sos de den­gue em to­das as re­giões do País, mos­tran­do que as me­di­das pre­ven­ti­vas não es­tão sur­tin­do o efei­to de­se­ja­do. No­ta-se que a po­pu­la­ção não faz a sua par­te, nem de­mons­tra a pre­o­cu­pa­ção ne­ces­sá­ria com o con­tro­le do ve­tor de trans­mis­são da mo­lés­tia. É im­pres­cin­dí­vel o com­pro­me­ti­men­to de ca­da mo­ra­dor, no sen­ti­do de evi­tar que o mos­qui­to con­si­ga re­no­var seu ci­clo de vi­da. Os cui­da­dos com to­do ti­po de ma­te­ri­al que pos­sa acu­mu­lar água de­vem ser cons­tan­tes. Na im­pos­si­bi­li­da­de da re­ti­ra­da des­ses ob­je­tos, exis­te a ne­ces­si­da­de em se pro­te­gê-los ade­qua­da­men­te, o que não acon­te­ce em mui­tas re­si­dên­ci­as. E o re­sul­ta­do aí es­tá: lei­tos de hos­pi­tais ocu­pa­dos por pa­ci­en­tes com sin­to­mas do mal do sé­cu­lo, con­si­de­ra­da uma epi­de­mia sem pre­ce­den­tes.

As con­sequên­ci­as da omissão e do des­ca­so são de­sas­tro­sas pa­ra o País. O tem­po de in­ter­na­ção e con­va­les­cên­ça é con­si­de­ra­do de cur­to pra­zo, mas nos ca­sos de in­fec­ção por ví­rus do ti­po 4 o ris­co de mor­te do pa­ci­en­te é con­si­de­rá­vel. Tudo is­so so­ma­do a afas­ta­men­tos do tra­ba­lho, des­pe­sas com me­di­ca­men­tos e ou­tros incô­mo­dos. Ain­da as­sim, uma par­ce­la sig­ni­fi­ca­ti­va da po­pu­la­ção in­sis­te em ne­gli­gen­ci­ar com su­as res­pon­sa­bi­li­da­des. A re­sis­tên­cia em par­ti­ci­par de cam­pa­nhas con­tra a pro­li­fe­ra­ção da den­gue é inex­pli­cá­vel, mes­mo re­co­nhe­cen­do a ín­do­le dis­pli­cen­te do bra­si­lei­ro. As cam­pa­nhas ofi­ci­ais são vin­cu­la­das diu­tur­na­men­te nos mei­os de comunicação co­mo uma for­ma de in­cen­ti­vo, vi­san­do a cons­ci­en­ti­za­ção das pes­so­as. Nos mu­ni­cí­pi­os, o tra­ba­lho dos agen­tes de com­ba­te à do­en­ça é di­vul­ga­do pe­los mei­os de comunicação, num es­for­ço con­cen­tra­do em prol de um ob­je­ti­vo co­mum. Mu­ti­rões de lim­pe­za são or­ga­ni­za­dos com a iden­ti­fi­ca­ção, des­trui­ção de fo­cos e re­co­lhi­men­to de en­tu­lhos e ma­te­ri­ais dos mais di­ver­sos.

O com­ba­te ao mos­qui­to trans­mis­sor da den­gue foi pre­ju­di­ca­do nos dois pri­mei­ros me­ses do ano pe­lo cli­ma chu­vo­so. As pre­ci­pi­ta­ções plu­vi­o­mé­tri­cas atin­gi­ram re­cor­des his­tó­ri­cos em to­do o país, agra­van­do a si­tu­a­ção. A coin­ci­dên­cia de fa­to­res de ris­co com o pe­río­do de fé­ri­as es­co­la­res (em que fa­mí­li­as per­ma­ne­cem por di­as vi­a­jan­do) con­tri­buiu pa­ra ele­var os ín­di­ces da do­en­ça. E sem uma vis­to­ria cons­tan­te, os fo­cos lo­go se mul­ti­pli­ca­ram. Mas o item mais im­por­tan­te na his­tó­ria é o ci­da­dão. De na­da adi­an­ta se­guir as re­co­men­da­ções dos ór­gãos ofi­ci­ais se o pe­ri­go mo­ra lo­go ao la­do. Nos­so vi­zi­nho não se pre­o­cu­pa com sua pró­pria saú­de, quan­to mais com a do seu se­me­lhan­te. Há que se en­con­trar uma fór­mu­la efi­caz pa­ra a pe­na­li­za­ção do ne­gli­gen­te, além das me­di­das pe­cu­niá­ri­as. Não é mais pos­sí­vel ad­mi­tir cer­tos com­por­ta­men­tos. A le­gis­la­ção bra­si­lei­ra de­ve ser re­vis­ta com o in­tui­to de se ga­ran­tir o bem-es­tar da po­pu­la­ção.

Uma in­te­res­san­te al­ter­na­ti­va a ser vi­a­bi­li­za­da em re­gi­me de ur­gên­cia se­ria a vei­cu­la­ção in­ci­si­va de cam­pa­nhas pu­bli­ci­tá­ri­as re­la­ci­o­na­das ao te­ma. Num país em que os co­mer­ci­ais de be­bi­das al­coó­li­cas, au­to­mó­veis, cos­mé­ti­cos, re­des de va­re­jo e uma in­fi­ni­da­de de seg­men­tos ul­tra­pas­sam ci­fras de al­guns mi­lhões de re­ais, o in­ves­ti­men­to em pre­ven­ção se­ria uma ini­ci­a­ti­va in­te­li­gen­te, além de ne­ces­sá­ria. Es­sa se­ria uma for­ma de se gas­tar o di­nhei­ro do con­tri­buin­te com a cer­te­za de re­tor­no ime­di­a­to, por al­can­çar o pú­bli­co-al­vo de ma­nei­ra di­re­ta. Pro­fis­si­o­nais es­pe­ci­a­li­za­dos da área não fal­tam. Cri­a­ti­vi­da­de idem. En­tão, que os go­ver­nan­tes fa­çam o que es­ti­ver ao seu al­can­ce pa­ra re­du­zir a in­ci­dên­cia de no­vos ca­sos de den­gue. E se o vi­zi­nho do la­do não se mos­trar dis­pos­to a co­la­bo­rar, de­nun­cie. Exer­ça seus di­rei­tos de ci­da­dão. A lu­ta é pe­lo nos­so mai­or pa­trimô­nio, que tem um va­lor ines­ti­má­vel: a saú­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.