PR-323

O Diario do Norte do Parana - - OPINIÃO -

Mais um aci­den­te nes­sa “ro­do­via da mor­te” en­tre Pai­çan­du e Ma­rin­gá. Mas já era pre­vis­to al­go igual es­sa fa­ta­li­da­de ocor­ri­da com o sr. An­to­nio Apa­re­ci­do dos Santos, 53 anos, atro­pe­la­do e mor­to na úl­ti­ma qu­ar­ta-fei­ra, pois qu­em tra­fe­ga nes­sa ro­do­via já sa­be que ne­la im­pe­ra uma lei sel­va­gem, sem res­pei­to. Gen­te que­ren­do ti­rar van­ta­gem so­bre os ou­tros. É que na ân­sia de che­gar na fren­te, mui­tos mo­to­ris­tas sem no­ção do gran­de pe­ri­go ul­tra­pas­sam pe­lo acos­ta­men­to. Nem res­pei­tam as pla­cas e di­re­ci­o­nam seus car­ros aos ci­clis­tas. Si­tu­a­ção co­mo es­sa é vis­ta to­dos os di­as, por is­so o trân­si­to não flui na ro­do­via nos ho­rá­ri­os de pi­co, e nun­ca vi ne­nhu­ma au­to­ri­da­de po­li­ci­al no tre­cho pa­ra mul­tar os es­per­ti­nhos que que­rem che­gar na fren­te, tra­fe­gan­do no acos­ta­men­to. Aos que têm o pés­si­mo há­bi­to de ul­tra­pas­sar e pres­sa de che­gar, que es­se ter­rí­vel atro­pe­la­men­to que vi­ti­mou um ho­mem de fa­mí­lia mui­to tra­di­ci­o­nal em Pai­çan­du sir­va co­mo aler­ta. Qu­em qui­ser che­gar mais rá­pi­do que vá de avião ou saia de ca­sa mais ce­do - “Dois mor­rem ví­ti­mas de aci­den­tes em Ma­rin­gá”, quin­ta-fei­ra, 21/2, pág. A4. Eu pas­so na ro­do­via PR-323 to­da se­ma­na e, sin­ce­ra­men­te, não é uma es­tra­da pe­ri­go­sa. Não tem cur­vas pe­ri­go­sas, não é uma ser­ra, na­da de mais. O pro­ble­ma é que as pes­so­as têm mais pres­sa... To­das as ve­zes que pe­go a 323 eu me sur­pre­en­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.