Me­di­da am­plia de­so­ne­ra­ção pa­ra 48 se­to­res da in­dús­tria

IM­POS­TOS Me­di­da Pro­vi­só­ria 582 ain­da de­pen­de de apro­va­ção do Se­na­do. Pa­ra cri­ar em­pre­gos, pro­pos­ta es­ten­de a vá­ri­os seg­men­tos a tri­bu­ta­ção so­bre o fa­tu­ra­men­to em tro­ca da con­tri­bui­ção

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Leonardo Fi­lho

le­o­nar­do­fi­lho@odi­a­rio.com Na fá­bri­ca de bi­ci­cle­tas, o in­dus­triá­rio Mi­sa­el Man­do­ri­no es­tá mais oti­mis­ta. É que o se­tor em que ele atua foi um dos con­tem­pla­dos com a Me­di­da Pro­vi­só­ria (MP) 582, que de­so­ne­ra en­car­gos tra­ba­lhis­tas pa­ra vá­ri­os seg­men­tos da eco­no­mia. A me­di­da vi­sa a ali­vi­ar a car­ga tri­bu­tá­ria ao em­pre­sa­ri­a­do bra­si­lei­ro pa­ra que mais em­pre­gos se­jam ge­ra­dos no País.

“Es­se ti­po de pro­je­to e es­for­ço do go­ver­no é im­por­tan­te. No meu ca­so, dei­xa o pro­du­to mais com­pe­ti­ti­vo, pos­so dar me­lho­res sa­lá­ri­os aos meus fun­ci­o­ná­ri­os e tam­bém con­tra­tar no­vos tra­ba­lha­do­res”, dis­se.

De acor­do com ele, a car­ga tri­bu­tá­ria é um far­do pe­sa­do pa­ra o em­pre­sá­rio. “O go­ver­no é um ‘só­cio’ que cus­ta ca­ro”, co­men­ta Man­do­ri­no. “O ide­al se­ria que es­sa mu­dan­ça du­ras­se mais tem­po”, com­ple­tou. O em­pre­sá­rio cal­cu­la que 32% do va­lor de uma bi­ci­cle­ta cor­res­pon­de a im­pos­tos di­re­tos. “Além des­ses há tam­bém os en­car­gos tra­ba­lhis­tas.”

A de­so­ne­ra­ção tem pra­zo fi­nal pre­vis­to pa­ra o dia 31 de de­zem­bro de 2014. Até lá, a ex­pec­ta­ti­va de em­pre­sá­ri­os é que o go­ver­no am­plie os se­to­res be­ne­fi­ci­a­dos. “A im­pres­são que dá é que o go­ver­no quer fa­zer uma es­pé­cie de tes­te com o em­pre­sá­rio. Se ela du­rar, re­al­men­te vai ge­rar um gran­de be­ne­fí­cio e abrir no­vos em­pre­gos”, ava­lia o con­sul­tor de Re­cur­sos Hu­ma­nos, Edir Ca­pe­lin. Com a no­va me­di­da, 48 se­to­res se­rão con­tem­pla­do com a de­so­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­to.

Cau­te­la

Al­guns es­pe­ci­a­lis­tas pre­fe­ri­ram mais cau­te­la na ho­ra de ava­li­ar as mu­dan­ças. “Pa­ra a in­dús­tria que uti­li­za mui­ta mão de obra vai ge­rar um im­pac­to po­si­ti­vo. Pa­ra aque­la que em­pre­ga mais tec­no­lo­gia, não. Na ver­da­de é uma trans­fe­rên­cia da tri­bu­ta­ção, já que o em­pre­sá­rio te­rá de pagar es­se im­pos­to so­bre o fa­tu­ra­men­to. É ne­ces­sá­rio ter cau­te­la nes­se ti­po de si­tu­a­ção”, pon­de­ra o eco­no­mis­ta da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Pa­ra­ná (Fi­ep), Ro­ber­to Zur­cher.

A de­so­ne­ra­ção do im­pos­to va­ria en­tre se­to­res. O vi­ce-pre­si­den­te pa­ra as­sun­tos de RH da As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al e Em­pre­sa­ri­al de Ma­rin­gá (Acim), Mar- ce­lo Sil­va, é ou­tro que vê com mais fri­e­za a am­pli­a­ção pre­vis­ta nes­ta MP. “É uma me­di­da be­né­fi­ca, mas é pre­ci­so ana­li­sar es­ta Me­di­da Pro­vi­só­ria com cau­te­la por­que em vez de pagar os 20% de INSS so­bre a fo­lha de pa­ga­men­to, os em­pre­sá­ri­os que per­ten­cem aos se­to­res econô­mi­cos con­tem­pla­dos pas­sa­rão a ser tri­bu­ta­dos so­bre o fa­tu­ra­men­to, o que po­de­rá acar­re­tar, em al­guns ca­sos, em au­men­to de im­pos­tos”, co­men­tou.

Apro­va­ção

Ini­ci­al­men­te, a MP pre­via am­pli­ar os be­ne­fí­ci­os da de­so­ne­ra­ção da fo­lha pa­ra 15 se­to­res, mas o re­la­tor da ma­té­ria, de­pu­ta­do Mar­ce­lo Castro (PMDBPI), in­cluiu co­mo be­ne­fi­ciá­ri­os mais 33 seg­men­tos econô­mi­cos. A me­di­da se­gue ago­ra pa­ra apre­ci­a­ção do Se­na­do, on­de pre­ci­sa ser apro­va­da até o dia 28 pró­xi­mo.

Se is­so não ocor­rer, ela per­de­rá sua efi­cá­cia e irá pa­ra o ar­qui­vo. A pro­pos­ta es­ten­de a vá­ri­os se­to­res a tri­bu­ta­ção so­bre o fa­tu­ra­men­to em tro­ca da con­tri­bui­ção in­ci­den­te so­bre a fo­lha de pa­ga­men­tos. As em­pre­sas vão dei­xar de pagar con­tri­bui­ção de 20 % so­bre a fo­lha e em tro­ca vão de­sem­bol­sar um per­cen­tu­al do fa­tu­ra­men­to.

Du­ran­te a apre­ci­a­ção das emen­das e des­ta­ques que pre­ten­di­am al­te­rar o tex­to do re­la­tor, os de­pu­ta­dos apro­va­ram três pro­pos­tas. Uma de­las foi apre­sen­ta­da pe­lo PPS e per­mi­te a ade­são fa­cul­ta­ti­va de em­pre­sas dos se­to­res be­ne­fi­ci­a­dos com a de­so­ne­ra­ção da fo­lha. O go­ver­no que­ria que a ade­são fos­se por se­tor e não in­di­vi­du­al­men­te por em­pre­sa. A re­nún­cia fis­cal apro­xi­ma­da é de R$ 16,48 bi­lhões em cin­co anos (2013 a 2017).

Pla­nos

“Se is­so du­rar po­de­ria fa­zer mui­ta coi­sa. São be­ne­fí­ci­os aos fun­ci­o­ná­ri­os que cer­ta­men­te me­lho­ra­ria ain­da mais o cli­ma na em­pre­sa”, diz Man­do­ri­no. No ra­mo de bi­ci­cle­tas há mais de 40 anos, ele acom­pa­nha de per­to as di­fi­cul­da­des que o se­tor en­fren­ta e uti­li­zou a cri­a­ti­vi­da­de. Um dos obs­tá­cu­los ain­da en­fren­ta­dos por ele é o vo­lu­me de im­pos­tos.

“Ven­de­mos bi­ci­cle­tas pa­ra 13 Es­ta­dos e, co­mo atu­a­mos den­tro da lei, en­fren­ta­mos mui­ta con­cor­rên­cia des­le­al de qu­em, às ve­zes, ven­de sem no­ta. Is­so cria uma com­pe­ti­ção in­jus­ta”, de­sa­ba­fou. Ape­sar dis­so, o em­pre­sá­rio se­gue oti­mis­ta e faz pla­nos pa­ra am­pli­ar os negócios. “O em­pre­sá­rio não po­de pa­rar de cres­cer”, com­ple­tou.

Ra­fa­el Sil­va

Mi­sa­el Man­do­ri­no, do­no de uma fá­bri­ca de bi­ci­cle­tas: “O em­pre­sá­rio não po­de pa­rar de cres­cer”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.