Ven­da de pei­xes cres­ce 50%

O Diario do Norte do Parana - - CIDADES - Van­da Mu­nhoz

van­da@odi­a­rio.com O mo­vi­men­to nas pei­xa­ri­as de Ma­rin­gá so­be até 50% no pe­río­do de Qu­a­res­ma. Na Se­ma­na San­ta, o cres­ci­men­to po­de che­gar a 80% em com­pa­ra­ção com di­as nor­mais. A sar­di­nha é o pei­xe mais po­pu­lar e um dos mais ba­ra­tos, se­gui­do do fi­lé de ti­lá­pia. O ba­ca­lhau, mais tra­di­ci­o­nal do pe­río­do, tam­bém es­tá com pre­ços mais aces­sí­veis.

O pro­pri­e­tá­rio de pei­xa­ria Jorge Car­los Des­te­fa­ni diz que já per­ce­beu bom au­men­to nas ven­das. “Na Se­ma­na San­ta o mo­vi­men­to au­men­ta ain­da mais. Mui­tas pes­so­as que­rem man­ter a tra­di­ção de con­su­mir pei­xe na Qu­a­res­ma”, diz. Se­gun­do ele, o mais pe­di­do é a sar­di­nha. “Mas há tam­bém o fi­lé de ti­lá­pia, que não é o mais ba­ra­to, mas é tra­di­ci­o­nal”, diz.

O ge­ren­te de ou­tra pei­xa­ria, Antônio Car­los San­ta­na, afir­ma que o con­su­mo tem au­men­ta­do ano a ano, in­de­pen­den­te­men­te de da­ta. “Per­ce­be­mos que há um pú­bli­co jo­vem que pro­cu­ra ali­men­ta­ção sau­dá­vel.” Ou­tro mo­ti­vo pa­ra a al­ta é o fa­to de os pre­ços es­ta­rem mais aces­sí­veis. “O ba­ca­lhau tem qua­se o mes­mo pre­ço da pi­ca­nha - R$ 38,90. E o fi­lé de aba­de­jo cus­ta R$ 19,80.”

En­quan­to os co­mer­ci­an­tes co­me­mo­ram o au­men­to das ven­das, a Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria e o Instituto de Pe­sos e Me­di­das (Ipem) do Pa­ra­ná in­ten­si­fi­cam a fis­ca­li­za­ção. O ge­ren­te re­gi­o­nal do Ipem em Ma­rin­gá, Mi­chel Ra­va­zi, res­sal­ta que são ve­ri­fi­ca­dos o pe­so e ou­tras in­for­ma­ções cons­tan­tes das em­ba­la­gens. No ca­so dos con­ge­la­dos, o Ipem ve­ri­fi­ca se a pre­sen­ça de ge­lo au­men­ta o pe­so do pro­du­to. Além de pes­ca­dos, o Ipem tam­bém se pre­pa­ra pa­ra a fis­ca­li­za­ção de cho­co­la­tes.

A Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria se pre- ocu­pa com o ar­ma­ze­na­men­to cor­re­to e a for­ma de ma­ni­pu­la­ção dos ali­men­tos. “Nos úl­ti­mos anos te­mos ori­en­ta­do as em­pre­sas so­bre o ar­ma­ze­na­men­to de pes­ca­dos. Ava­li­a­mos se o pro­du­to es­tá na tem­pe­ra­tu­ra ade­qua­da ou se es­tá em­ba­la­do cor­re­ta­men­te quan­do é ne­ces­sá­rio. Não te­mos en­con­tra­do pro­ble­mas”, ob­ser­va o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio Edu­ar­do Al­cân­ta­ra Ri­bei­ro, do Se­tor de Ins­pe­ção da Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria. O con­se­lho pa­ra o con­su­mi­dor é pa­ra que se ob­ser­ve as ca­rac­te­rís­ti­cas dos pei­xes an­tes de com­prá-los. No ca­so de ba­ca­lhau, é per­mi­ti­do que se­ja co­mer­ci­a­li­za­do em man­tas e sem em­ba­la­gem, só de­ven­do ser em­ba­la­do quan­do é fra­ci­o­na­do. “O con­su­mi­dor de­ve ob­ser­var se o ba­ca­lhau tem pon­tos pre­tos ou man­chas ro­sa­das, que in­di­cam a pre­sen­ça de bac­té­ri­as, dei­xan­do o pro­du­to im­pró­prio pa­ra o con­su­mo”. O chei­ro de­ve ser ca­rac­te­rís­ti­co e le­ve; A cor de­ve ser me­tá­li­ca e bri­lhan­te; Os olhos de­vem es­tar cla­ros, bri­lhan­tes e ocu­pan­do to­do o es­pa­ço da ór­bi­ta; O ventre pre­ci­sa ser elás­ti­co e fir­me; Guel­ras de­ve­mes­tar ro­sa­das ou ver­me­lhas e úmi­das; A cau­da de­ve es­tar fir­me e elás­ti­ca ao to­que; As es­ca­mas têm de es­tar bri­lhan­tes e bem pre­sas à pe­le.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.