STF dá re­vi­são a qu­em adi­ou apo­sen­ta­do­ria

De­ci­são to­ma­da pe­lo Su­pre­mo on­tem, va­le mes­mo pa­ra os apo­sen­ta­dos que não en­tra­ram na Jus­ti­ça po­de­rão pe­dir re­vi­são do va­lor do be­ne­fí­cio

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Már­cio Fal­cão

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­diu on­tem, que um apo­sen­ta­do que es­co­lheu con­ti­nu­ar tra­ba­lhan­do mes­mo já ten­do al­can­ça­do o tem­po de ser­vi­ço pa­rar apo­sen­tar e aca­bou com um be­ne­fí­cio me­nor po­de pe­dir a re­vi­são do va­lor ao Instituto Na­ci­o­nal de Se­gu­ri­da­de So­ci­al (INSS).

Se­gun­do o Tri­bu­nal, a me­di­da va­le des­de que não te­nha ocor­ri­do mu­dan­ça na le­gis­la­ção no pe­río­do en­tre o di­rei­to ao be­ne­fí­cio e o efe­ti­vo pe­di­do da apo­sen­ta­do­ria. A me­di­da cria um pre­ce­den­te e de­ve ter efei­to so­bre 428 ações que es­ta­vam pa­ra­das na Jus­ti­ça à es­pe­ra de uma de­ci­são do Su­pre­mo. Fi­cou de­fi­ni­do que os tra­ba­lha­do­res, no en­tan­to, não têm di­rei­to a re­vi­são re­tro­a­ti­va da apo­sen­ta­do­ria. Des­de 1991, já exis­te uma lei que de­ter­mi­na que a Pre­vi­dên­cia é obri­ga­da a cal­cu­lar a me­lhor ren­da pa­ra a apo­sen­ta­do­ria do tra­ba­lha­dor.

Na ses­são de on­tem, os mi­nis­tros dis­cu­ti­ram o ca­so de um se­gu­ra­do que re­gis­trou o tem­po de ser­vi­ço de apo­sen­ta­do­ria em 1979, mas dei­xou de tra­ba­lhar ape­nas em 1980. Co­mo ele tro­cou de emprego nes­se pe­río­do, com ven­ci­men­to me­nor, aca­bou ten­do um be­ne­fí­cio in­fe­ri­or ao do que se ti­ves­se se apo­sen­ta­do em 1979. A mai­o­ria dos in­te­gran­tes do Su­pre­mo en­ten­deu que a re­vi­são da apo­sen­ta­ria de­ve­ria ocor­rer por­que hou­ve uma es­pé­cie de di­rei­to ad­qui­ri­do. Vo­ta­ram nes­se sen­ti­do: o pre­si­den­te do STF, Jo­a­quim Bar­bo­sa, Celso de Mel­lo, Mar­co Au­ré­lio Mel­lo, Te­o­ri Za­vasc­ki e Luiz Fux.

Re­la­to­ra do ca­so, a mi­nis­tra apo­sen­ta­da El­len Gra­cie já ti­nha vo­ta­do an­te­ri­or­men­te nes­se sen­ti­do. “Ele não es­tá sen­do pu­ni­do por ter con­ti­nu­a­do a tra­ba­lhar?”, ques­ti­o­nou Bar­bo­sa. Pa­ra os mi­nis­tros Car­mem Lú­cia, Di­as Tof­fo­li, Gil­mar Men­des e Ricardo Lewan­dows­ki es­sa re­vi­são não se­ria pos­sí­vel. “Não se po­de ad­mi­tir que os apo­sen­ta­dos a qual­quer tem­po ve­nham que­rer des­cons­ti­tuir sua apo­sen­ta­do­ria pa­ra ter um be­ne­fí­cio mais van­ta­jo­so. Is­so cri­a­ria um se­rís­si­mo pro­ble­ma pa­ra o instituto”, dis­se Lewan­dows­ki.

Men­des afir­mou que es­sa de­ci­são tor­na­va a apo­sen­ta­do­ria “al­go lo­té­ri­co”. “Pas­sam-se os anos e eu des­cu­bro que se­ria si­do fe­liz se ti­ves­se saí­do an­tes”, iro­ni­zou o mi­nis­tro. “Ele não es­tá sen­do pu­ni­do por ter con­ti­nu­a­do a tra­ba­lhar?”

Ar­qui­vo/dnp

Em 2011, 85% das pes­so­as com 65 anos ou mais re­ce­bi­am al­gum be­ne­fí­cio so­ci­al no País

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.